Rio de Janeiro faz caminhada pelo fim da violência contra a mulher

Campanha pelo Mundo

Publicado em 08/12/2019 - 14:05 Por Tatiana Alves - Rio de Janeiro

Uma grande mobilização em mais de 20 cidades no país e no exterior, aconteceu pela primeira vez no Rio de Janeiro neste domingo (8).

 

A Caminhada pelo Fim da Violência contra as Mulheres reuniu mais de 300 mulheres no Aterro do Flamengo, na zona sul da capital.

 

A iniciativa é organizada pelo Grupo Mulheres do Brasil para protestar contra os assustadores índices de violência contra mulheres.

 

Os participantes são convidados a vestir a cor laranja, que é a cor da causa proclamada pela ONU, Organização das Nações Unidas.

 

A empresária Luiza Brunet foi vítima de violência doméstica em 2016 e se tornou ativista da causa depois de ser insultada por mulheres nas redes sociais quando decidiu processar o ex-companheiro pelo ocorrido.

 

Outra mulher que decidiu ir à luta na busca de seus direitos é a atriz Cristiane Machado.

 

O caso dela ganhou repercussão nacional em novembro do ano passado, quando seu então marido, o diplomata Sérgio Schiller a agrediu dentro de casa e ela gravou as agressões, Cristiane é a primeira mulher a ter um aparelho pager ligado à tornozeleira do agressor, que está preso.

 

Cartazes de protesto e números traduzem a urgência da mobilização. Em 2017, houve um crescimento de trinta por cento no número de mulheres assassinadas no país se comparado ao ano de 2007.

 

No mesmo período, o estado do Rio de Janeiro registrou redução de 3,6 por cento nestas mortes.

 

Porém o mesmo não acontece no caso de mulheres negras.

 

De 2007 a 2017, houve um aumento de mais de vinte por cento em feminicídios envolvendo mulheres da etnia no estado.

 

A Caminhada pelo Fim da Violência faz parte da campanha internacional “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”.

 

No Brasil, a movimentação dura 21 dias porque começa em 20 de novembro, no Dia da Consciência Negra.

 

Essa antecipação da campanha no Brasil é porque as mulheres negras são as maiores vítimas da violência no país, com sessenta e seis por cento das ocorrências.

 

A iniciativa termina em 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos. No exterior a movimentação começa no dia 25 de novembro.

Últimas notícias
Saúde

Planos de Saúde: ANS autoriza reajuste mais alto da história, 15,5%

A maioria dos diretores da ANS, Agência Nacional de Saúde Suplementar, decidiu que as operadoras de saúde podem reajustar o valor da mensalidade dos planos individuais e familiares em até 15,5%. Foram 4 votos a 1.

Baixar arquivo
Política

Alesp registra recorde em processos por quebra de decoro parlamentar

Os deputados e deputadas da atual legislatura respondem por mais de 97% de todas as representações e denúncias registradas no Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do estado.

Baixar arquivo
Geral

Chuvas que atingem o Nordeste devem se intensificar no fim de semana

A informação é do Instituto Nacional de Meteorologia que emitiu alerta vermelho para o leste do Nordeste, onde as chuvas podem atingir de 150 a 200 milímetros por dia entre sexta-feira e domingo

Baixar arquivo
Geral

RJ: Polícia Civil agora afirma que foram 23 mortos na Vila Cruzeiro

A Polícia Civil informou que outros três mortos que chegaram ao Instituto Médico Legal eram, na verdade, de outra ocorrência no morro do Juramento, também na zona norte.

Baixar arquivo
Geral

Previsão do tempo: norte, nordeste e sul estão em alertas para chuvas

No norte, o aviso vale pros estados do Amapá e de Roraima, além do norte do Amazonas e do Pará. No sul é a chegada de uma frente fria que provocar chuva volumosa em grande parte do Rio Grande do Sul.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Rio recebe programa do Unicef para acolher crianças e adolescentes

Depois de São Paulo, Recife e Belém, o programa #AgendaCidadeUNICEF, chegou ao município do Rio de Janeiro. O lançamento aconteceu na Arena Carioca Jovelina Pérola Negra, na Pavuna.

Baixar arquivo