Entregadores de aplicativos fazem protesto em São Paulo por aumento do valor do frete

Aumento do frete

Publicado em 01/07/2020 - 14:16 Por Nelson Lin - São Paulo

Em greve, os entregadores de aplicativos paralisaram as entregas de almoço nesta quarta-feira (1) e pediram a solidariedade das pessoas. Na cidade de São Paulo, os motoboys  realizaram concentrações em diversas regiões, inclusive no MASP, na avenida Paulista e nas ruas do centro. O ato deve terminar na Ponte Estaiada, na zona sul da cidade. Os entregadores também prometem paralisar as entregas de jantar.


O movimento chamado de “Breque dos Apps” foi organizado por trabalhadores de diferentes cidades, por meio da internet. Eles alegam que não são vinculados a sindicatos ou partidos.


Os entregadores reivindicam o fim dos bloqueios e desligamentos que, na opinião deles, ocorre de forma aleatória. Querem também o fim do sistema de pontuação do aplicativo Rappi, seguro para roubo ou acidente e ainda, maior distribuição de EPIs (equipamentos de proteção individual).

 

Além disso, conforme explicou o motoboy Diógenes Souza, os aplicativos aproveitaram o aumento no número de entregadores na rua para baixar o valor pago nos fretes. Por isso, uma das principais demandas do movimento é justamente o aumento no valor do frete pago aos motoboys.

 

Atualmente, o sistema dos aplicativos tem o chamado entregador na nuvem, que em tese escolhe a hora para trabalhar, mas que é mais precarizado.

 

Recebe apenas por entrega, o que muitas vezes, jornadas de 9 a 12 horas por dia rende R$1 mil por mês.

 

Há os motoboys que trabalham com os chamados Operadores Logísticos, neste caso, conseguem receber por hora, cumprindo uma carga horária junto ao operador. No entanto, o movimento acusa os aplicativos de usarem esses operadores logísticos para intimidar e desmobilizar a greve de hoje.


Em nota, a Rappi diz que reconhece o direito à livre manifestação pacífica e busca continuamente o diálogo com os entregadores parceiros. Acrescenta que o sistema de pontos, criticado pelos motoboys,  é para operar com transparência e equilibrar o ecossistema, considerando demanda e entregadores logados. A Ifood, por sua vez,  afirma que apoia a liberdade de expressão em todas as suas formas e que em nenhuma hipótese os trabalhadores  serão desativados por participar de movimentos. De acordo com a empresa,  eventualmente,  as desativações ocorrem por problemas como extravio de pedidos, fraudes de pagamentos ou cessão da conta para terceiros.

Últimas notícias
Educação

Piso salarial dos professores aumenta 33% e passa para R$ 3.845

O piso salarial dos professores da rede pública vai passar de R$ 2.886 para R$ 3.845, um aumento de 33,24%. Esse é o valor mínimo que o profissional deve receber no país.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Mais de 1.600 pessoas foram resgatadas de trabalho escravo em 2021

Em comunicado divulgado nesta quinta-feira (27), o Ministério Público do Trabalho informou que recebeu 1.415 denúncias de trabalho escravo, aliciamento e tráfico de trabalhadores no ano passado, número 70% maior que em 2020.  

Baixar arquivo
Meio Ambiente

Rio de Janeiro registra 40ºC nesta quinta-feira (27)

Para os próximos dias a previsão é que as temperaturas fiquem um pouco mais amenas devido a chegada de uma frente fria, nesta sexta-feira (28).

Baixar arquivo
Esportes

Campeão paulista, São Paulo inicia defesa de título contra Guarani

Tricolor deve promover as estreias de boa parte dos reforços de 2022

 

Baixar arquivo
Saúde

Covid: 13% do esperado para faixa de 5 a 11 anos foi vacinada no Rio

Até esta quinta-feira (27), pouco mais de 72 mil crianças entre 5 e 11 anos foram vacinadas contra a covid, bem abaixo da expectativa da prefeitura em alcançar pelo menos 90% de imunização. Os dados são do Painel Rio Covid-19.

Baixar arquivo