Entra em vigor punição para empresas que usarem dados sem autorização

Publicado em 02/08/2021 - 07:30 Por Leandro Martins - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Sabe aquela situação desagradável que a gente experimenta quando nossos dados pessoais são usados, sem a nossa autorização, para nos oferecer produtos ou serviços? Pois é, agora, já é possível buscar na Justiça a solução para esse problema. É que está valendo, a partir desta semana, a aplicação de penalidades contra as empresas que violarem a Lei Geral de Proteção de Dados – a LGPD, sancionada em agosto de 2018.

A lei dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, tem o objetivo de proteger o direito de privacidade.

Quem passa pela experiência de uso indevido dos dados não esquece. É o caso do professor João Jambeiro. Ele relata que, há alguns anos, seus dados foram usados, sem autorização, para efetuar compras. E diz que perdeu muito tempo para resolver os problemas, tendo recebido boletos que nunca havia feito e de ter seu nome indo parar no Serasa. 

O advogado Fernando Forte, especialista em direito do consumidor, salienta que as empresas tiveram tempo para se preparar para essa lei e que agora todas precisam revalidar o seu banco de dados e ter os cadastros antigos sendo novamente autorizados pelo consumidor.

O advogado relata que, antes da lei de proteção de dados, havia a venda de banco de dados, como cadastro de diversos clientes, sem autorização nem critério. Mas que, agora, o consumidor busca a garantia que os dados que ele forneceu a uma empresa não serão passados adiante.

Segundo a Lei de Proteção de Dados, alguns casos podem ser resolvidos por conciliação direta entre o controlador e o titular dos dados. Caso isso não seja possível, a punição prevista para a empresa que compartilhar dados sem autorização, começa por uma advertência. Depois, conforme o caso ou se houver reincidência, é aplicada uma multa de até dois por cento do faturamento da empresa no último ano.

Também pode haver bloqueio dos dados pessoais até a regularização; e suspensão parcial do funcionamento do banco de dados por seis meses, que pode ser ampliada.

Em casos mais graves, a punição da empresa pode chegar até a suspensão do exercício da atividade de tratamento dos dados pessoais, ou ainda a proibição do exercício de atividades relacionadas a tratamento de dados. 

Edição: Samia Mendes / Guilherme Strozi

Últimas notícias
Saúde

Covid entra na Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças

No total, 52 doenças ou agravos devem ser informados ao Ministério da Saúde quando identificados.

Baixar arquivo
Segurança

Prefeitura do Rio expande programa de prevenção a furto e roubo

O Conjunto de Estratégias de Prevenção, criado pela prefeitura do Rio e que atua no bairro do Méier, na zona norte, chegou aos bairros de Copacabana e Ipanema, na Zona Sul carioca.

Baixar arquivo
Esportes

Jogo decisivo contra Unión La Calera abre série caseira do Santos

Time terá quatro jogos seguidos em casa, sendo dois deles cruciais definir o futuro na Copa Sul-Americana. O primeiro deles nesta quarta-feira (18), às 21h30 (horário de Brasília), contra o Unión La Calera, com transmissão da Rádio Nacional.

Baixar arquivo
Esportes

Maracanã reabre para Flamengo x Universidad Católica pela Libertadores

Depois de 12 dias fechado para o plantio da grama de inverno, o Maracanã vai reabrir, nesta terça-feira (17), às 21h30, para Flamengo x Universidad Católica (Chile).

Baixar arquivo
Educação

BNDES anuncia investimento de R$ 200 milhões na educação

Nesta segunda-feira (16), o Banco apresentou as ações em iniciativas da educação básica, etapa que vai da educação infantil ao ensino médio, quanto para a qualificação profissional.

Baixar arquivo
Economia

Contas públicas fecham o mês de março no positivo em R$ 4,3 bilhões

Isso considerando todo o setor público, incluindo a União, estados, municípios e empresas estatais. Já as contas do governo central fecharam o mês no negativo, com déficit de R$ 7,8 bilhões.

Baixar arquivo