STF conclui julgamento do inquérito das fake news, que é mantido por 10 votos a 1

Mantido por 10 votos a 1

Publicado em 18/06/2020 - 19:04 Por Victor Ribeiro - Brasília

Por 10 votos a 1, o Supremo Tribunal Federal decidiu, nessa quinta-feira, manter em andamento o inquérito das fake news, que investiga a divulgação de boatos, ofensas e ameaças aos ministros da Corte e aos familiares deles. A maioria dos ministros rejeitou uma ADPF, Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental, movida pelo partido Rede Sustentabilidade.


O julgamento começou na quarta-feira da semana passada, quando as partes e os especialistas consultados pelo Supremo se manifestaram. O advogado-geral da União, José Levi, e o relator da ADPF da Rede, ministro Edson Fachin, defenderam a constitucionalidade da investigação e a instauração do inquérito, a partir do Regimento Interno do Supremo. Em geral, a discussão tratou sobre liberdade de expressão.


Nessa quarta, o relator do inquérito, ministro Alexandre de Moraes, leu alguns exemplos de mensagens e avaliou que as postagens são criminosas.


Na ação que estava em julgamento, a Rede pedia a suspensão do inquérito das fake news, por considerar que não é papel do Supremo conduzir investigações. O procurador-geral da República, Augusto Aras, reforçou essa tese, ao defender que é do Ministério Público o papel de conduzir a ação penal.


Nessa quinta-feira, ao votar, o ministro Marco Aurélio Mello discordou da maioria dos colegas de Corte. Ele lembrou que, quando um grupo extremista atirou fogos de artifício em direção ao Supremo, o presidente da Corte, Antonio Dias Toffoli, enviou um ofício ao procurador-geral para que o Ministério Público tomasse as providências que entender cabíveis.


Para Marco Aurélio, o Supremo representa um dos Poderes da República e não pode se considerar acima de qualquer outro.


O presidente do Supremo, Antonio Dias Toffoli, foi o último a votar. Diferente do habitual, fez um voto longo. Durante mais de meia hora, Toffoli lembrou que os ataques de grupos conservadores à Corte Suprema foi um dos primeiros atos que levaram à instalação do regime nazista e disse que foi necessário o Supremo reagir institucionalmente. Dias Toffoli afirmou que a Corte aceita críticas, mas não o que considera abusos.


Ainda sobre o inquérito das fake news, o Supremo decidiu, também por maioria, mas no plenário virtual, rejeitar o pedido de habeas corpus para o agora demissionário ministro da Educação, Abraham Weintraub. O autor do habeas corpus foi o ministro da Justiça, André Mendonça, com o objetivo que Weintraub não precisasse depor no inquérito.


Por 9 votos a 1, o Supremo decidiu não analisar o mérito do pedido, por considerar que não cabe habeas corpus contra decisão de ministro da Corte. Foi o relator do inquérito das fake news, Alexandre de Moraes, quem determinou o interrogatório do ministro da Educação, após a divulgação do vídeo da reunião em que Weintraub xinga os integrantes do Supremo e sugere a prisão deles.

Últimas notícias
Educação

Piso salarial dos professores aumenta 33% e passa para R$ 3.845

O piso salarial dos professores da rede pública vai passar de R$ 2.886 para R$ 3.845, um aumento de 33,24%. Esse é o valor mínimo que o profissional deve receber no país.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Mais de 1.600 pessoas foram resgatadas de trabalho escravo em 2021

Em comunicado divulgado nesta quinta-feira (27), o Ministério Público do Trabalho informou que recebeu 1.415 denúncias de trabalho escravo, aliciamento e tráfico de trabalhadores no ano passado, número 70% maior que em 2020.  

Baixar arquivo
Meio Ambiente

Rio de Janeiro registra 40ºC nesta quinta-feira (27)

Para os próximos dias a previsão é que as temperaturas fiquem um pouco mais amenas devido a chegada de uma frente fria, nesta sexta-feira (28).

Baixar arquivo
Esportes

Campeão paulista, São Paulo inicia defesa de título contra Guarani

Tricolor deve promover as estreias de boa parte dos reforços de 2022

 

Baixar arquivo
Saúde

Covid: 13% do esperado para faixa de 5 a 11 anos foi vacinada no Rio

Até esta quinta-feira (27), pouco mais de 72 mil crianças entre 5 e 11 anos foram vacinadas contra a covid, bem abaixo da expectativa da prefeitura em alcançar pelo menos 90% de imunização. Os dados são do Painel Rio Covid-19.

Baixar arquivo