Julgamento de réus por incêndio na boate Kiss pode durar até 15 dias

Publicado em 01/12/2021 - 12:11 Por Leandro Martins - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Nesta terceira e última reportagem da série sobre a tragédia da boate Kiss, vamos falar sobre o julgamento dos quatro réus. O incêndio daquela madrugada de domingo, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, matou 242 pessoas e deixou mais de 600 feridas – quase todas jovens.

Ouça as outras reportagens da série:

Réus por incêndio na boate Kiss começam a ser julgados na quarta

Julgamento do caso boate Kiss: saiba o que diz a defesa do quatro réus

Os quatro acusados são os sócios da Kiss, Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann; o vocalista da Banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos e o produtor musical Luciano Bonilha Leão. Eles serão julgados no plenário do Foro Central da capital gaúcha, por um conselho de sentença, formado por sete jurados e presidido pelo juiz de Direito Orlando Faccini Neto, da 1ª Vara de Porto Alegre.

Pela acusação, atuarão os promotores de Justiça David Medina da Silva e Lúcia Helena de Lima Callegari. A promotora fala o que espera do julgamento:

"O meu espírito, enquanto promotora, é que saiam do julgamento presos os quatro. Tenho certeza que as vítimas, familiares e associação de vítimas também quer isso, também quer a justiça para estes quatro. E que a história - e esse é o objetivo desse julgamento - não se repita".

O Tribunal do Júri tem início com o juiz realizando o sorteio dos jurados. O Ministério Público, por meio dos promotores de justiça, responderá pela acusação e os advogados de cada um dos quatro réus farão as suas respectivas defesas.

Leia também na Agência Brasil: Caso da Boate Kiss vai a júri oito anos após tragédia 

A previsão é que o sorteio aconteça pela manhã e na parte da tarde comecem a ser ouvidos, pela ordem: dez vítimas, cinco testemunhas de acusação arroladas pelo Ministério Público e outras cinco testemunhas de defesa para cada réu. Em seguida, haverá o interrogatório dos réus, que podem ficar em silêncio, se quiserem.

Encerrada essa etapa, tem início os debates, ocasião em que as defesas apresentarão seus argumentos aos jurados. Depois, os jurados passarão a uma sala privada, onde vão decidir individualmente, em voto secreto. De volta ao plenário, o juiz vai anunciar o resultado e proferir a sentença. A previsão é de que o julgamento dure aproximadamente 15 dias.

Edição: Ana Lúcia Caldas / Nathália Mendes

Últimas notícias
Justiça

Traje religioso em documentos oficiais é constitucional, diz STF

Os ministros  do STF julgaram um recurso da União contra a decisão da Justiça Federal que autorizou o uso de traje religioso na foto para a Carteira Nacional de Habilitação.

Baixar arquivo
Geral

Comissão de juristas entrega proposta de novo Código Civil a Pacheco

O projeto propõe a alteração de mais de mil artigos do atual código e contempla temas atuais, como o direito digital. Proposta passará por ampla discussão entre os senadores para, só então, ser colocada em votação.

Baixar arquivo
Internacional

Internacional: pelo menos 50 mil soldados russos morreram na Ucrânia

A contagem foi feita pela BBC, em parceria com um grupo de mídia independente e voluntários. Do lado ucraniano, estima-se que são 31 mil mortos.
E mais: a exatos 100 dias da Olimpíada de Paris, entidades denunciam a expulsão de imigrantes da capital francesa.

Baixar arquivo
Esportes

Futebol: CBF sorteia duelos da 3ª fase da Copa do Brasil

Confira também os jogos da 2ª rodada do Brasileirão. Rádio Nacional transmite Flamengo x São Paulo, às 21h30, nesta quarta-feira (17). 

Baixar arquivo
Geral

Polícia investiga o caso da mulher que levou cadáver do tio ao banco

Funcionários do banco desconfiaram que o homem estava morto na cadeira de rodas e chamaram o SAMU, que confirmou o óbito. O caso aconteceu em Bangu, no Rio de Janeiro.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Povo Guató cobra espaço nas discussões sobre o Estatuto do Pantanal

Em participação numa audiência do Senado, o cacique Carlos Henrique, da aldeia Aterradinho, pediu que o estatuto tenha “um olhar mais direito à população pantaneira, que sãos os indígenas e ribeirinhos”. Os Guatós pedem que o estatuto inclua estudos antropológicos para a regularização fundiária.

Baixar arquivo