Desmatamento na Amazônia Legal registra queda em janeiro deste ano

A redução é de 60%, comparando janeiro de 2023 com janeiro de 2024

Publicado em 21/02/2024 - 17:21 Por Madson Euler* - repórter da Rádio Nacional - São Luís

A Amazônia Legal teve uma redução de desmatamento de 60%, quando comparado janeiro de 2023 com janeiro de 2024. A derrubada passou de 198 km² para 79 km² no período. A perda florestal equivale a 250 campos de futebol por dia. Este é o décimo mês consecutivo na redução do desmatamento. Os dados são do Imazon, Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, que são coletados através de imagens de satélite.

A Amazônia Legal é composta por todos os estados da Região Norte, além de Mato Grosso e de parte do estado do Maranhão.

Roraima foi o estado com a maior devastação nas primeiras quatro semanas de 2024, foram 32 km², o que representa 40% da área derrubada da região. Mato Grosso, com 19km², e Pará, com 18km², ocupam a segunda e terceira posição.

Segundo a pesquisadora do Imazon, Larissa Amorim, geralmente Amazonas, Pará e Mato Grosso ocupam os primeiros lugares no ranking de desmatamento. A liderança de Roraima neste janeiro provavelmente ocorreu pelo fato do regime de chuvas no estado funcionar de forma “inversa” ao dos outros oito estados que compõem a área monitorada.

“Enquanto a maioria dos Estados está passando por esse período mais chuvoso, com chuvas mais intensas, Roraima está passando por um período mais seco. Então, historicamente analisando os nossos dados de monitoramento, o estado de Roraima costuma dar um pico no seu desmatamento nesses meses que são mais chuvosos, que oscila entre os meses de novembro até maio do outro ano subsequente”, explica.

A pesquisadora reforçou também que os dados coletados dão um panorama do desmatamento, mas que não são um espelho 100% real, porque a interferência de nuvens neste janeiro chuvoso atrapalhou um pouco a detecção do desmatamento através das imagens de satélite.

Outra queda importante em janeiro deste ano se refere à degradação florestal. Depois de meses consecutivos, entre setembro e dezembro de 2023, com mais de mil km² degradados na Amazônia Legal, janeiro teve apenas 16 km². A degradação é a eliminação parcial e gradual da vegetação florestal para a extração de madeira e de outros recursos naturais. Ela pode ocorrer também por causa do fogo e alterações climáticas. E estes são pontos considerados pelo Imazon para explicar a queda vertiginosa da degradação florestal em janeiro, já que o segundo semestre de 2023 foi marcado pelo aumento de queimadas e uma seca histórica em grande parte da Região Norte. E as primeiras semanas de 2024 trouxeram um período mais chuvoso.

* Com produção de Renato Lima

Edição: Bianca Paiva / Fran de Paula

Últimas notícias
Cultura

RJ: exposição marca a Década Internacional das Línguas Indígenas

Uma imersão na língua dos povos indígenas, com sua história, memória e realidade atual. Essa é a temática da exposição “Nhe’ẽ Porã: memória e transformação”, no Museu de Arte do Rio. 

Baixar arquivo
Internacional

Irã não acusa Israel por ataque e minimiza ação

Líderes mundiais voltaram a fazer apelos para conter a tensão no Oriente Médio. Em Teerã, milhares foram às ruas depois das orações de sexta-feira em resposta ao aparente ataque. Um comandante iraniano, falando à multidão, confirmou que objetos suspeitos foram abatidos, sem responsabilizar Israel.

Baixar arquivo
Geral

Polícia investiga morte de adolescente agredido em escola de São Paulo

Secretaria de Segurança Pública de São Paulo diz que o caso está sendo investigado como morte suspeita, e que o corpo da vítima passará por necropsia. 

Baixar arquivo
Geral

Entenda sobre a PEC das drogas que tramita no Congresso Nacional

O Senado Federal já aprovou o texto da Proposta de Emenda Constitucional que criminaliza o porte e a posse de drogas. Agora a Câmara dos Deputados vai analisar.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia completa 35 anos

Organização está presente nos nove estados da Amazônia Legal, junto a 800 mil indígenas e 180 povos. E atua na articulação dos direitos indígenas, inclusive os povos de recente contato, além de buscar o fortalecimento das políticas púbicas para os territórios.  

Baixar arquivo
Geral

Nove corpos retirados de embarcação à deriva no Pará serão sepultados

Os corpos serão sepultados temporariamente em Belém até que as identidades sejam estabelecidas e as família formalmente comunicadas.

Baixar arquivo