Desmatamento na Amazônia Legal registra queda em janeiro deste ano

A redução é de 60%, comparando janeiro de 2023 com janeiro de 2024

Publicado em 21/02/2024 - 17:21 Por Madson Euler* - repórter da Rádio Nacional - São Luís

A Amazônia Legal teve uma redução de desmatamento de 60%, quando comparado janeiro de 2023 com janeiro de 2024. A derrubada passou de 198 km² para 79 km² no período. A perda florestal equivale a 250 campos de futebol por dia. Este é o décimo mês consecutivo na redução do desmatamento. Os dados são do Imazon, Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, que são coletados através de imagens de satélite.

A Amazônia Legal é composta por todos os estados da Região Norte, além de Mato Grosso e de parte do estado do Maranhão.

Roraima foi o estado com a maior devastação nas primeiras quatro semanas de 2024, foram 32 km², o que representa 40% da área derrubada da região. Mato Grosso, com 19km², e Pará, com 18km², ocupam a segunda e terceira posição.

Segundo a pesquisadora do Imazon, Larissa Amorim, geralmente Amazonas, Pará e Mato Grosso ocupam os primeiros lugares no ranking de desmatamento. A liderança de Roraima neste janeiro provavelmente ocorreu pelo fato do regime de chuvas no estado funcionar de forma “inversa” ao dos outros oito estados que compõem a área monitorada.

“Enquanto a maioria dos Estados está passando por esse período mais chuvoso, com chuvas mais intensas, Roraima está passando por um período mais seco. Então, historicamente analisando os nossos dados de monitoramento, o estado de Roraima costuma dar um pico no seu desmatamento nesses meses que são mais chuvosos, que oscila entre os meses de novembro até maio do outro ano subsequente”, explica.

A pesquisadora reforçou também que os dados coletados dão um panorama do desmatamento, mas que não são um espelho 100% real, porque a interferência de nuvens neste janeiro chuvoso atrapalhou um pouco a detecção do desmatamento através das imagens de satélite.

Outra queda importante em janeiro deste ano se refere à degradação florestal. Depois de meses consecutivos, entre setembro e dezembro de 2023, com mais de mil km² degradados na Amazônia Legal, janeiro teve apenas 16 km². A degradação é a eliminação parcial e gradual da vegetação florestal para a extração de madeira e de outros recursos naturais. Ela pode ocorrer também por causa do fogo e alterações climáticas. E estes são pontos considerados pelo Imazon para explicar a queda vertiginosa da degradação florestal em janeiro, já que o segundo semestre de 2023 foi marcado pelo aumento de queimadas e uma seca histórica em grande parte da Região Norte. E as primeiras semanas de 2024 trouxeram um período mais chuvoso.

* Com produção de Renato Lima

Edição: Bianca Paiva / Fran de Paula

Últimas notícias
Educação

Brasil ganha Mundial de Robótica em Houston, nos Estados Unidos

O primeiro lugar na categoria de 9 a 16 anos foi conquistado pela equipe Los Atômicos, de Araras (SP). A segunda colocação ficou com outra equipe do interior paulista, de Santa Cruz do Rio Pardo.

Baixar arquivo
Saúde

Aumenta o número de casos de bronquiolite no Rio de Janeiro

A bronquiolite é uma condição clínica causada pela inflamação dos bronquíolos e das vias aéreas inferiores que levam oxigênio para os pulmões.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Acampamento Terra Livre completa 20 anos e exige demarcação de terras

O foco da programação deste ano é a reafirmação da luta indígena contra a lei do marco temporal. Além disso, há uma crítica quanto à demora na demarcação de novas terras. A expectativa era que o governo demarcasse 14 áreas, nos primeiros 100 dias de gestão. Mas, em um ano e quatro meses, foram apenas dez.

Baixar arquivo
Geral

Abono anual do INSS começa a ser pago a beneficiários

O INSS começa a pagar, nesta semana, o abono anual aos beneficiários da Previdência Social. 

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Brasil registra recorde de conflitos no campo, mas assassinatos caem

Relatório da Comissão Pastoral da Terra com os dados de 2023 foi divulgado hoje (22) e mostra que 60% dos conflitos são causados por empresários, fazendeiros e grileiros. A omissão do estado contribuiu com 22% das violências ocorridas.  

Baixar arquivo
Geral

Empresa eólica é condenada a pagar indenização a morador do RN

Empresa dona de parque eólico no interior do Rio Grande do Norte é condenada a pagar indenização de R$ 50 mil por danos morais para um morador da região de Serra de Santana, a cerca de 200 km da capital do Estado, Natal.

Baixar arquivo