Estudo da UFRN transforma glicerina em combustível

Pesquisa e Inovação

Publicado em 08/02/2020 - 10:43 Por Lucas Pordeus León - Brasília

O diesel é um dos motores da economia. Não à toa, o aumento no preço do litro causou a greve dos caminhoneiros em maio de 2018.


Ainda hoje o temor de novas altas assombra a economia brasileira. Reduzir a dependência da importação do produto pode ser uma maneira de evitar altas expressivas no preço.


Tendo isso em vista, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte desenvolveu uma pesquisa inédita, que transforma a glicerina, um resíduo da produção do biodiesel em combustível que pode ser utilizado no próprio diesel aumentando a quantidade produzida.


Confira os detalhes com Lucas Pordeus León.

Últimas notícias
Saúde

Paciente do RJ testa negativo para variante Ômicron

Paciente de 29 anos, que chegou ao Rio vinda recentemente de uma viagem à África do Sul, estava sob suspeita de infecção pela Ômicron, nova variante do coronavírus.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Prêmio de Acessibilidade reconhece iniciativas de inclusão de PCDs

Programa de instituto da Baixada Fluminense que oferece livros com linguagem inclusiva, como em Libras, e ação da prefeitura de João Pessoa que proporciona banho de mar acessível, passeio de caiaque e vôlei sentado foram algumas iniciativas premiadas.

Baixar arquivo
Economia

Produção industrial brasileira recua 0,6% em outubro, diz IBGE

 Esta é a quinta queda consecutiva do indicador, que acumula perda de 3,7%. Os dados estão na Pesquisa Industrial Mensal, divulgada nesta sexta-feira (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Baixar arquivo
Esportes

Em 2000, Gustavo Kuerten chegava ao topo do ranking mundial de tênis

Neste dia, há 21 anos, Gustavo Kuerten vencia a final do Masters de Lisboa, em Portugal, contra um dos favoritos, o norte-americano Andre Agassi. A vitória fez de Guga o primeiro sul-americano a terminar uma temporada como o número 1 do mundo.

Baixar arquivo
Cultura

Merval Pereira é eleito presidente da Academia Brasileira de Letras

O jornalista e escritor de 72 anos, que se tornou acadêmico em 2011, vai presidir a ABL no ano de 2022. Recentemente, a Academia adicionou quatro integrantes: Fernanda Montenegro, Gilberto Gil, Paulo Niemeyer Filho e José Paulo Cavalcanti.

Baixar arquivo
Geral

Pesquisa do IBGE evidencia agravamento da desigualdade social

A crise sanitária provocada pelo coronavírus em todo o mundo tem mostrado o agravamento da disparidade pelas diferenças sociais, refletindo também na economia dos países.

Baixar arquivo