Tacacá, prato típico da culinária amazônica, ganha versão em pó

Feito é de pesquisadores da Bionorte, rede de pesquisa da Amazônia

Publicado em 08/03/2021 - 17:18 Por Beatriz Evaristo - Brasília

De origem indígena, o tacacá é uma comida típica da região amazônica. O caldo amarelado à base de mandioca, chamado de tucupi, preparado com goma, camarão e jambu é servido bem quente em cuias. O pesquisador, Daniel Alves Filho, da Bionorte - Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal, conseguiu transformar essa iguaria em uma versão em pó, de preparo rápido e fácil.

Sonora: “Ele pode ser preparado em um tempo de um minuto. O nosso produto contém 30% de proteínas, vitaminas, sais minerais; é rico em fibras e também ele possui um ‘efeito viagra’. É um produto muito bom para ser consumido em climas frios.”

Pra chegar ao tacacá em pó, foram sete anos de pesquisa no programa de pós-graduação em Biodiversidade e Biotecnologia, da Universidade Federal do Acre. A maior dificuldade foi encontrar ingredientes que pudessem deixar o produto com sabor bem próximo do original. O coordenador da Rede Bionorte, Anselmo Rodriguez, destaca a importância da pesquisa.

Sonora: “A herança dessa cultura alimentar na população ribeirinha, remanescente, e como símbolo da cultura regional, por isso, a importância do caso. Eu também sou testemunha porque eu também provei essa sopa em pó do tacacá e é muito gostosa, muito parecida. Inclusive, tem camarão, tem todos os ingredientes necessários.”

A fórmula do tacacá em pó já está definida. O próximo passo agora é fazer parcerias com empresas e tornar o produto acessível para comercialização, levando o sabor da Amazônia até para outros países.

 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Segurança

Operação prende 15 milicianos que atuavam com imóveis no Rio

Entre os investigados da milícia estão envolvidos na construção e venda de imóveis que desabaram em abril de 2019, na Muzema, na cidade do Rio de Janeiro, matando 24 pessoas.

Baixar arquivo
Saúde

Setembro é mês de campanha de conscientização sobre dermatite atópica

A doença genética não tem cura, mas tem tratamento. Pode afetar até 25% das crianças e 7% dos adultos. Seus efeitos são visíveis na pele: vermelhidão, bolhas ou até feridas. E é justamente por ter cara, que a dermatite atópica desperta medo e preconceito

Baixar arquivo
Saúde

Rio aplicou 1.206 doses de lote recolhido pela Anvisa da CoronaVac

Outras 211 mil doses pertencentes a esse lote foram reservadas pela Secretaria Municipal de Saúde. A pasta aguardava a liberação da Agência para o uso desses frascos; mas, ao invés disso, o órgão federal determinou o recolhimento deles nesta quinta-feira (23).

Baixar arquivo
Política

Diretor da Precisa nega na CPI encontro com deputado Roberto Barros

Em depoimento na CPI da Pandemia nesta quinta-feira (23), o diretor institucional da Precisa Medicamentos, Danilo Trento, afirmou que não participou das negociações para a compra da vacina indiana Covaxin. Os senadores aprovaram também a convocação de Luciano Hang, dono das lojas Havan para depor na comissão na próxima semana.

Baixar arquivo
Meio Ambiente

Incêndio na Chapada dos Veadeiros, em Goiás, chega ao 12º dia

Mais de 23 mil hectares de vegetação já foram consumidos pelo fogo, o que equivale a 23 mil campos de futebol. Cerca de 200 pessoas, entre agentes do Corpo de Bombeiros de Goiás, do Ibama e do ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, e voluntários combatem as chamas.

Baixar arquivo
Segurança

PF identifica acusado de exploração sexual de menores por aplicativo

O usuário de um aplicativo canadense de mensagens foi identificado, na cidade de Carutapera, no Maranhão. Segundo a polícia, a investigação começou depois que a empresa que administra o aplicativo de mensagens detectou a troca de arquivos contendo as imagens de exploração sexual de adolescentes.

Baixar arquivo