Universidades públicas lideram ranking brasileiro de patentes

Inovação é um dos critérios para obter patente

Publicado em 12/07/2021 - 08:05 Por Larissa Lousrhania* - Estagiária da Rádio Nacional - Brasília

O ranking brasileiro de patentes é liderado por universidades públicas. Entre 2014 e 2019, dos 25 maiores depositantes de produtos ou serviços, 19 são instituições de educação superior públicas. Os dados são do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), responsável por esses registros.

Entre os destaques estão as Universidades Federais da Paraíba, de Minas Gerais, de Campina Grande e a Universidade de São Paulo.

A patente garante exclusividade a algum produto ou serviço por um determinado tempo a uma empresa, instituição de ensino ou pessoa física. Os critérios para ter esse direito são a inovação e que a invenção possa ser industrializada.

Felipe Augusto Oliveira, coordenador geral de disseminação para inovação do INPI, destaca que além de proteger as pesquisas e produtos, é importante enxergar esses pesquisadores como empreendedores tecnológicos.

“As universidades ao longo do tempo, principalmente após a promulgação da Lei de Inovação, em 2004, vêm adquirindo conhecimento e enxergando a importância estratégica de não apenas publicar seus artigos, mas também proteger essas invenções através de direitos de propriedade intelectual”, afirmou.

Segundo Felipe Augusto Oliveira, as empresas brasileiras também precisam investir nesses depósitos de patentes.

“Então esse é o grande desafio brasileiro, que não apenas as universidades apareçam bem nesse ranking, mas também a gente comece a ter uma participação mais efetiva das empresas brasileiras, principalmente as nacionais, com relação a enxergar o valor do uso da propriedade intelectual para a alavancagem de negócio, de melhoria na competitividade não só no mercado brasileiro, mas em mercados internacionais”, concluiu.

Diferente do Brasil, em países como Estados Unidos, China, Coreia do Sul, e Dinamarca, os líderes do ranking de patentes são as empresas privadas.

* Com supervisão de Sheily Noleto.

Edição: Sheily Noleto/ Renata Batista

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Saúde

Capitais têm nível alto de transmissão comunitária do coronavírus

Mas, Fiocruz informa que casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave caíram no Brasil. Uma das justificativas é o aumento da população vacinada contra a covid-19.

Baixar arquivo
Meio Ambiente

ONU: Brasil participa do Diálogo de Alto Nível sobre Energia

Presidente Jair Bolsonaro participou do Diálogo de Alto Nível sobre Energia, por meio de vídeo. Convocado pelo Secretário Geral das Nações Unidas, António Guterres, o encontro é o primeiro, em 40 anos, que trata exclusivamente do tema “geração de energia”.

Baixar arquivo
Saúde

Estados e DF recebem cinco milhões de doses da Pfizer até este sábado

A informação é do Ministério da Saúde, que iniciou o envio das doses, para os adolescentes e, também, como reforço para idosos acima de 70 anos e pessoas imunossuprimidas. Parte dos imunizantes vai garantir a segunda dose da população brasileira.

Baixar arquivo
Economia

IPCA-15 ficou em 1,14 em setembro e acumula alta de 10,05 em 12 meses

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial no país, chegou a 1,14% em setembro deste ano. A taxa é a maior taxa para setembro desde 1994 de 1,42%.

Baixar arquivo
Economia

Transações com PIX vão ter valor limitado entre as 20h e as 06h

Os bancos têm até dia 4 de outubro para limitarem em até R$1.000,00 as transações por meio do PIX de pessoas físicas, que ocorrerem entre as 20h e as 06h da manhã do dia seguinte.

Baixar arquivo
Segurança

Rio registra queda no número de assassinatos em agosto deste ano

Duas mil 240 pessoas foram assassinadas no estado do Rio de Janeiro entre janeiro e agosto deste ano. O número representa uma queda de 7% em relação ao mesmo período do ano passado e é também o menor para os meses desde 1991, quando começou a série histórica do ISP, o Instituto de Segurança Pública. 

Baixar arquivo