Embrapa lança máquina para auxiliar quebradeiras de coco de babaçu

Publicado em 04/07/2022 - 13:13 Por Márcia Fernandes - Repórter da TV Brasil - Brasília

Fruto de palmeiras que crescem na Mata dos Cocais, na área de transição entre a Caatinga, o Cerrado e a Amazônia, o coco de babaçu é considerado um tesouro para as famílias que vivem no Maranhão e outros estados da região. O coco pode ser transformado em óleo, usado na fabricação de cosméticos e sabonetes. Também é possível fabricar bolos, doces e outros alimentos. A casca pode ser usava na fabricação de carvão e a palha das palmeiras pode ser trabalhada em cestos e outros artesanatos

Antônia Vieira vive no povoado de Pedrinhas, numa comunidade quilombola em Itapecuru Mirim, no Maranhão. Junto de outras mulheres, ela trabalha com a produção de sorvetes, biscoitos e pães, a partir do coco de babaçu. Ela conta que antes, apenas com extrativismo, o produto era moeda de troca e sobrevivência. Mas, agora, gera renda para as famílias.

O trabalho das quebradeiras de coco é antigo e passa de geração em geração. O costume era se sentar no chão e usar facões, porretes ou machados, para separar cada parte do coco e retirar a amêndoa. Mas a tarefa não é fácil por que a posição é incomoda e gera lesões e dores nas trabalhadoras. Isso sem falar do risco de cortes e acidentes. Para reduzir o desconforto e melhorar a segurança dessas mulheres, a Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, desenvolveu uma máquina para quebrar o coco. A ferramenta é simples, mecanizada e ergométrica. A trabalhadora permanece sentada em uma cadeira adaptada e com o uso de uma alavanca e um pouco de força, consegue quebrar o coco de babaçu. O pesquisador José Mário Frazão trabalhou na criação da ferramenta. Ele conta que a máquina custa pouco mais de R$ 1.000 e o objetivo agora é tornar o produto mais barato e acessível.

Desde criança, a Antônia, que conhecemos no início desta reportagem, via a mãe quebrar o coco de babaçu da forma tradicional, com o uso de machado. Na comunidade onde ela vive, agora existem duas máquinas. Para ela, a nova ferramenta vai ajudar muito as mulheres que tiram o sustento do fruto.

A tecnologia recebeu no ano passado o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social. Os recursos para o desenvolvimento da ferramenta vieram da Fundação de Amparo e Desenvolvimento Científico do Maranhão e do Fundo Mundial para o Meio Ambiente, por meio de um projeto feito entre a Embrapa e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Edição: Guilherme Strozi

Últimas notícias
Direitos Humanos

Mulheres e negros refugiados venezuelanos têm menos acesso a emprego

Apesar de o número de imigrantes venezuelanos ser quase o mesmo entre homens e mulheres, 17% das mulheres venezuelanas estão sem ocupação, já os homens sem trabalho correspondem a 6,4%.

Baixar arquivo
Justiça

Judiciário promove a semana "Justiça pela Paz em Casa”

 A iniciativa pretende dar andamento aos processos de violência doméstica e sensibilizar a sociedade com práticas educativas.

Baixar arquivo
Segurança

PM morto em abordagem de veículo no RJ é enterrado hoje

Nelcir de Paula Jacobino foi baleado na cabeça por homens que estavam no carro abordado por sua equipe na manhã deste domingo (14), em Irajá. Ele estava na Polícia Militar desde 1999.

Baixar arquivo
Segurança

Continuam buscas por desaparecidos em Nova Iguaçu

Quatro amigos e um motorista de app sumiram a caminho de um shopping da cidade, na Baixada Fluminense, na sexta-feira. Veículo teria sido interceptado por encapuzados quando passava pelo bairro Valverde.

Baixar arquivo
Esportes

Lauro Chaman conquista prata no Mundial de paraciclismo

Ele percorreu 82,9km, ficando atrás apenas do francês Kevin Le Cunff, que conquistou o ouro.

Baixar arquivo
Cultura

História Hoje: há 55 anos morria o pintor surrealista René Magritte

Ele morreu aos 68 anos, em 15 de agosto de 1967, em casa, em Bruxelas, na Bélgica. Magritte havia passado três semanas no hospital para tratamento de um câncer no pâncreas.

Baixar arquivo