Reforma da Previdência foi o assunto da abertura das atividades na Câmara; quórum foi de apenas 1/5

Ano Legislativo

Publicado em 06/02/2018 - 09:02 Por Victor Ribeiro - Brasília

Na tarde que marcou a abertura do ano Legislativo, o principal assunto no Salão Verde, por onde os parlamentares circulam quando não estão no plenário da Câmara dos Deputados, foi a reforma da Previdência.

 

Mas o quórum foi baixo. Dos 513 deputados federais, somente 103 estiveram na Câmara. E só 37 deles compareceram ao plenário. A falta de parlamentares em Brasília dificulta as articulações do governo, que ainda precisa de, pelo menos, 35 votos.

 

O relator da proposta de emenda à Constituição, deputado Arthur Maia, do PPS, pretendia apresentar nessa segunda-feira (5), ao Palácio do Planalto, o texto final da reforma. Mas isso não ocorreu porque algumas bancadas estão trocando seus líderes – o que, segundo Arthur Maia, prejudica ainda mais a negociação.

 

A articulação em torno da proposta funciona assim: quem quiser sugerir alguma alteração no texto de Arthur Maia precisa, ao mesmo tempo, garantir votos para aprovar a reforma.

 

O governo, no entanto, não abre mão de dois pontos: a fixação da idade mínima de aposentadoria e a unificação dos regimes de Previdência, para evitar distorções. Para a oposição, manter essas duas exigências vai fazer com que muitos trabalhadores só se aposentem bem perto de morrer, enquanto outros não vão conseguir ter direito à aposentadoria integral.

 

Por isso, o líder da Minoria, José Guimarães, do PT, afirmou que mexer somente em outros pontos da proposta não vai mudar a opinião pública.

 

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, rebateu. É ele quem tem feito a contabilidade. Até agora, segundo Marun, o governo tem entre 270 e 275, dos 308 votos necessários. Se o texto final for divulgado antes do carnaval, a expectativa do ministro é que o apoio aumente.

 

Governo e oposição discordam em quase tudo o que diz respeito à reforma da Previdência, mas existe um consenso: se a proposta não for à votação até o fim do mês, provavelmente não sairá neste ano. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do Democratas, reforça esse pensamento.

 

De acordo com o cronograma apresentado por Rodrigo Maia, a reforma da Previdência começará a ser debatida em plenário no dia 19, uma segunda-feira. O ministro Carlos Marun acredita que já pode ir à votação no dia seguinte, mas o relator, Arthur Maia, prevê que os debates se estendam durante toda a semana, e a votação, de fato, só ocorra a partir do dia 26. No lado da oposição, José Guimarães acredita que o assunto será retirado da pauta por não conseguir a quantidade de votos necessária.

Últimas notícias
Economia

Setor de serviços cresce 0,7% na passagem de maio para junho, diz IBGE

Com isso, se encontra 7,5% acima do nível pré-pandemia, de fevereiro de 2020, mas ainda 3,2% abaixo do ponto mais alto, conquistado em novembro de 2014.

Baixar arquivo
Saúde

Ingerir álcool durante a gravidez pode causar síndrome alcoólica fetal

Mesmo que seja baixa a quantidade de álcool ingerida pela futura mãe, ainda existe o risco da doença,  que pode trazer consequências gravíssimas para o feto e recém-nascidos.

Baixar arquivo
Economia

Quase metade dos brasileiros fazem "bicos" para ampliar renda

Pesquisa aponta que quase q metade dos brasileiros com 16 anos de idade ou mais precisaram fazer atividades extras nos últimos 12 meses para complementar sua renda.

Baixar arquivo
Saúde

Maranhão registra primeiro caso de varíola dos macacos

O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável.

Baixar arquivo
Economia

IBGE prevê safra recorde de 263,4 milhões de toneladas em 2022

O Brasil deve produzir, em julho, 263 milhões e 400 mil toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas. Um recorde! A estimativa está no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgado nesta quinta-feira pelo IBGE.

Baixar arquivo