Investigado, ex-secretário de Saúde do RJ fica em silêncio durante audiência na Alerj

Convocado por deputados

Publicado em 06/07/2020 - 15:54 Por Tâmara Freire - Rio de Janeiro

Depois de faltar à primeira convocação feita no mês passado, nesta segunda-feira o ex-secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Edmar Santos, depôs à Assembleia Legislativa. No entanto, nada falou à comissão especial que apura as ações emergenciais de combate à Covid-19.


Santos é investigado por causa dos contratos firmados, com dispensa de licitação, para a construção, gestão de hospitais de campanha e compra de equipamentos para atender aos pacientes infectados pelo coronavírus. Ao todo, R$ 1 bilhão foram empenhados nas ações emergenciais do governo do Rio de Janeiro.


O ex-subsecretário estadual de Saúde Gabriel Neves chegou a ser preso em maio, assim como o superintendente de Orçamento, Carlos Frederico Duboc, detido em junho, suspeitos de superfaturarem ao menos em um contrato para a compra de respiradores.


Além dos indícios de sobrepreço, apenas dois dos sete hospitais anunciados foram entregues, e com atraso.


A sessão desta segunda na Alerj foi mantida, apesar de Edmar Santos ter reivindicado o direito de permanecer em silêncio. Mesmo assim, ele foi questionado por diversos parlamentares, a começar pela presidente da comissão, a deputada Martha rocha.


E a cada pergunta, o ex-secretário reforçava a decisão de permanecer calado.


O que suscitou diversas críticas, a exemplo da que foi feita pelo relator da comissão, o deputado Renan Ferreirinha.


Edmar Santos foi empossado no início da gestão de Wilson Witzel, e exonerado da Secretaria de Saúde após as primeiras denúncias virem à tona. Logo depois se tornou secretário extraordinário, justamente para cuidar das ações de combate à Covid-19, cargo do qual logo se afastou por determinação da Justiça.


Santos foi substituído na Saúde por Fernando Ferry, que pediu exoneração um mês depois, afirmando ter medo de ser responsabilizado pelos problemas de gestão encontrados. Atualmente, a pasta está sob comando do tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Alex Bousquet.


O escândalo na saúde fluminense também respingou no próprio governador Wilson Witzel, que foi incluído no inquérito sobre o superfaturamento de respiradores, que corre no Superior Tribunal de Justiça, e também responde a um processo de impeachment por causa das denúncias de desvios de recursos que deveriam ter sido aplicados no enfrentamento à pandemia.

Últimas notícias
Educação

Começa prazo para pedido de reaplicação do Enem

Estudantes prejudicados por operação policial realizada no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, podem remarcar a prova. Prazo termina na sexta-feira, 3 de dezembro.

Baixar arquivo
Economia

Tradicional festa de fim de ano em Copacabana está mantida

Nesta segunda-feira, equipes da prefeitura se reuniram com o Comitê Científico de Enfrentamento à Covid-19 para analisar a situação epidemiológica da capital e debater os critérios sanitários adotados para liberar as festas de fim de ano, como o Réveillon.

Baixar arquivo
Meio Ambiente

MPF realiza audiência para ouvir pescadores afetados por hidrelétrica

A ideia é apurar os impactos da construção da hidrelétrica de Belo Monte na atividade pesqueira no rio Xingu e verificar se as reparações aos atingidos estão acontecendo

Baixar arquivo
Justiça

Defesa de doutor Jairinho tenta reverter cassação do parlamentar

Jairinho e a namorada, mãe de Henry Borel, estão presos desde abril acusados de matar o menino de quatro anos em março deste ano.

Baixar arquivo
Geral

Chimpanzé Enos foi enviado ao espaço em 29 de novembro de 1961

Com cinco anos e meio, Enos embarcou na Mercury-Atlas 5 e se tornou o primeiro e único da espécie a fazer uma viagem na órbita terrestre. A missão funcionou como um teste antes do voo tripulado que levaria o primeiro astronauta norte-americano ao espaço.

Baixar arquivo
Economia

Inadimplência sobe em novembro e atinge o maior patamar do ano

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de novembro mostra que mais de 26% das famílias relatam ter dívidas ou contas em atraso. Em outubro, percentual de endividados estava em 25,6%.

Baixar arquivo