Política de Segurança de Barragens é sancionada com vetos parciais

Foram criados padrões mais rígidos para mineradoras e multas

Publicado em 01/10/2020 - 13:21 Por Lucas Pordeus León - Brasília

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, com vetos, a nova Política Nacional de Segurança de Barragens. O texto cria padrões mais rígidos de segurança de barragens para serem seguidos pelas mineradoras e permite a aplicação de multas de até R$ 1 bilhão em caso de acidente.

O projeto começou a ser construído no Congresso Nacional após os rompimentos das barragens da Samarco em Mariana, e da Vale, em Brumadinho, ambas em Minas Gerais.

Bolsonaro vetou o trecho que revertia as multas aplicadas às mineradoras em melhorias para os órgãos fiscalizadores. Segundo o presidente, o Ministério da Economia se manifestou favorável ao veto argumentando que a medida reduz a flexibilidade orçamentária da União, dificultando políticas de ajuste fiscal, o que, segundo o presidente, contraria o interesse público.

A lei sancionada cria uma série de obrigações às empresas que administram barragens, como a exigência de notificar o Poder Público imediatamente sobre alteração nas condições de segurança da estrutura que possam implicar acidente ou desastre.

E, no caso de barragens de rejeitos de mineração, passa a ser obrigatória a elaboração do Plano de Ação Emergencial, que disciplina ações a serem tomadas em casos de acidentes.

Um segundo veto presidencial ao projeto foi em relação à obrigatoriedade de barragens de acumulação de água, classificadas como de alto risco ou de alto dano potencial, apresentarem seguro ou caução para casos de acidentes.

Como justificativa para o veto, a presidência afirma que a medida contraria o interesse público porque esse tipo de barragem, na sua maioria, é controlada pelo Poder Público, seja federal, estadual ou municipal, que sofrem, no atual contexto, uma forte pressão orçamentária que seria agravada com a exigência de garantias contra acidentes.

Ainda segundo a lei sancionada, as mineradoras terão até fevereiro de 2022 para concluir a desativação das chamadas barragens a montante, consideradas menos seguras, podendo esse prazo ser prorrogado pela ANM, a Agência Nacional de Mineração.

Desde fevereiro de 2019, um mês após o rompimento da barragem de Brumadinho, a agência reguladora do determinou a desativação desse tipo de barragem, que foi a mesma que rompeu tanto em Brumadinho quanto em Mariana.

 

Edição: Lana Cristina

Últimas notícias
Educação

Começa prazo para pedido de reaplicação do Enem

Estudantes prejudicados por operação policial realizada no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, podem remarcar a prova. Prazo termina na sexta-feira, 3 de dezembro.

Baixar arquivo
Economia

Tradicional festa de fim de ano em Copacabana está mantida

Nesta segunda-feira, equipes da prefeitura se reuniram com o Comitê Científico de Enfrentamento à Covid-19 para analisar a situação epidemiológica da capital e debater os critérios sanitários adotados para liberar as festas de fim de ano, como o Réveillon.

Baixar arquivo
Meio Ambiente

MPF realiza audiência para ouvir pescadores afetados por hidrelétrica

A ideia é apurar os impactos da construção da hidrelétrica de Belo Monte na atividade pesqueira no rio Xingu e verificar se as reparações aos atingidos estão acontecendo

Baixar arquivo
Justiça

Defesa de doutor Jairinho tenta reverter cassação do parlamentar

Jairinho e a namorada, mãe de Henry Borel, estão presos desde abril acusados de matar o menino de quatro anos em março deste ano.

Baixar arquivo
Geral

Chimpanzé Enos foi enviado ao espaço em 29 de novembro de 1961

Com cinco anos e meio, Enos embarcou na Mercury-Atlas 5 e se tornou o primeiro e único da espécie a fazer uma viagem na órbita terrestre. A missão funcionou como um teste antes do voo tripulado que levaria o primeiro astronauta norte-americano ao espaço.

Baixar arquivo
Economia

Inadimplência sobe em novembro e atinge o maior patamar do ano

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de novembro mostra que mais de 26% das famílias relatam ter dívidas ou contas em atraso. Em outubro, percentual de endividados estava em 25,6%.

Baixar arquivo