Estudo revela que Nordeste teve mais casos de microcefalia por zika vírus devido a água contaminada

Zika vírus

Publicado em 30/03/2020 - 16:50 Por Lígia Souto - Rio de Janeiro

Enquanto o mundo busca respostas para a pandemia de Covid-19, pesquisadores do Rio de Janeiro e de Pernambuco divulgam algumas conclusões sobre os casos de zika vírus que assustaram o país, principalmente entre 2015 e 2016.

 

Pesquisas apontaram que a presença de toxinas na água consumida pela população nordestina contribuiu para aumentar o número de casos de microcefalia associados à epidemia do vírus zika na Região Nordeste. O trabalho foi desenvolvido em conjunto pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, a Fundação Oswaldo Cruz, a Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Universidade Federal Rural de Pernambuco.

 

Os resultados mostram que é necessária uma nova discussão sobre o que é considerado seguro em relação à água disponibilizada para o consumo humano. Essa é a opinião do professor titular da UFRJ e cientista do Instituto D’Or, Stevens Rehen, em entrevista concedida à Agência Brasil.

 

A equipe foi uma das primeiras no mundo a provar a relação do vírus zika e dos casos de bebês recém-nascidos com microcefalia, malformação congênita em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Após a comprovação, os pesquisadores começaram a investigar por que os casos eram mais frequentes no Nordeste do que em outras regiões do país, como revela Stevens, que é autor correspondente do trabalho.

 

O professor explicou que a relação da toxina com o agravamento da microcefalia foi feita a partir de experimento simples, que combinou células de tecido humano à saxitoxina e ao vírus zika. Já para confirmar a hipótese, foram feitas experiências utilizando camundongos. Stevens Rehen destaca que a partir dessas combinações foi possível chegar a conclusão do estudo, que foi encaminhada ao Ministério da Saúde.

 

A partir das conclusões, foi criado, pela Fiocruz, no ano passado, um grupo de trabalho para rever as situações de risco em relação à água para consumo humano.

 

Dados do Ministério da Saúde revelam que entre 2015 e 2019, mais de dois mil casos de microcefalia e outras malformações congênitas pelo vírus zika foram registrados na Região Nordeste, o que corresponde a 62,5% do total de números do Brasil nesse período.

Últimas notícias
Geral

RS: 180 municípios não cadastraram famílias para receber R$ 5,1 mil

Inscrição de atingidos por enchentes para acessar o Auxílio Reconstrução deve ser feita pelas prefeituras. Prazo termina na próxima terça-feira (25).

Baixar arquivo
Justiça

STF pode cassar mandatos de 7 deputados federais

A Corte formou maioria para mudar o alcance das chamadas sobras eleitorais. As regras são usadas na distribuição das vagas não preenchidas nas eleições proporcionais.

Baixar arquivo
Geral

Aeroporto de Porto Alegre retoma embarque e desembarque em julho

Na operação, será usado parte do terminal que não foi atingido pela enchente. Mas, até que a pista de pouso e decolagem seja liberada, os voos continuarão a ser feitos na Base Aérea de Canoas.

Baixar arquivo
Geral

Apostas para a Quina de São João podem ser feitas até 19h

A estimativa do prêmio é de R$ 220 milhões. E este sábado também tem sorteio da Mega-Sena com prêmio acumulado em R$ 86 milhões.

Baixar arquivo
Saúde

Ampliada faixa etária para vacinas contra dengue prestes a vencer

Podem ser vacinadas pessoas de 6 a 16 anos e de 4 a 59 anos, a depender do estoque de cada município em relação as doses com vencimento em 30 de junho e em 31 de junho..

Baixar arquivo
Cultura

Roupas dos bailes europeus influenciaram trajes juninos do Brasil

As roupas de baile foram adaptadas para a realidade rural brasileira, com as mulheres usando vestidos estampados, rodados ou godê. Já os homens, trajando camisas em tecido xadrez.

Baixar arquivo