Fábricas veterinárias já podem produzir vacinas contra covid-19

Publicado em 16/07/2021 - 14:12 Por Sayonara Moreno - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

A partir de agora, as indústrias de vacinas para animais poderão fabricar insumos e vacinas contra a covid-19 no Brasil. A autorização está prevista em lei, que estabelece algumas regras e adaptações para os imunizantes humanos.

Segundo o texto, as indústrias veterinárias interessadas na produção devem cumprir “todas as normas sanitárias e as exigências de biossegurança” já utilizadas na produção de vacinas para uso humano.

Em março deste ano, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga chegou a visitar uma fábrica de vacinas contra a febre aftosa em Cravinhos, interior de São Paulo. A empresa Ourofino já era candidata a fabricar imunizantes contra covid-19. Agora, é preciso que a ANVISA e o Ministério da Saúde avaliem a possibilidade desse estabelecimento produzir as vacinas contra covid-19 para humanos.

A lei ainda prevê que o envasamento, etiquetagem, embalagem e armazenamento das vacinas para uso humano devem ser feitos em locais separados das vacinas para animais. Caso não seja possível, uma autoridade sanitária federal deve avaliar se a separação de cada vacina está adequada no mesmo ambiente.

Mesmo com a autorização para fabricação de vacinas humanas contra covid-19, a lei determina que a autoridade sanitária federal deve avaliar a capacidade de produção de cada fábrica. Caso a produção de vacinas animais seja reduzida, há risco de desabastecimento e isso pode fazer com que doenças animais percam o controle e criem instabilidades sanitárias no país.

Em abril deste ano, enquanto o projeto de lei ainda tramitava no congresso nacional, o Sindicato Nacional das Indústrias de Produtos para a Saúde Animal (SINDAN) informou, em nota, que o processo depende de fatores externos, como avaliação das fábricas pelas autoridades e concessão das tecnologias aprovadas para a produção dos imunizantes. Além disso, o sindicato destaca a importância da produção local do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para garantir a imunização dos brasileiros e se coloca à disposição para buscar alternativas no combate à pandemia no Brasil.

Edição: Paula de Castro / GT Passos

Últimas notícias
Saúde

RJ: Casos de dengue aumentam 177% nos cinco primeiros meses deste ano

A capital fluminense concentra a maioria dos registros da doença, mas as regiões Noroeste e Norte apresentam alta transmissão, de acordo a Secretaria de Estado de Saúde.

Baixar arquivo
Economia

Ministério de Minas e Energia diz que estoque de diesel dura 38 dias

Se a importação desse combustível fosse suspensa, seria possível atender à demanda durante 38 dias, com esses estoques e a produção nacional.

Baixar arquivo
Economia

Eletrobras lança oferta de ações em mais um passo para privatização

A Eletrobras apresentou os documentos necessários para realizar a operação, com a qual a estatal espera movimentar mais de R$ 30 bilhões.

Baixar arquivo
Cultura

Começa o São João no Maranhão, a previsão é de 60 dias de festa

Os últimos meses foram de ensaios, muito trabalho nos ateliês dos grupos de Bumba Meu Boi e outras manifestações culturais do Maranhão.

Baixar arquivo
Economia

Pesquisa: mais de 20 milhões de pessoas poderiam trabalhar remotamente

Pesquisa do Ipea, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, divulgada nesta sexta-feira, estima que mais de 20 milhões de trabalhadores no Brasil estão em ocupações que poderiam ser realizadas remotamente.

Baixar arquivo
Geral

Brasil já registra 17 mil divórcios em cartórios neste ano

No ano passado, foram concluídas mais de 80 mil separações consensuais. Este é o maior número desde 2007, quando uma lei federal permitiu a formalização do divórcio diretamente em cartórios.

Baixar arquivo