Mãe de Henry e Dr. Jairinho são indiciados por homicídio qualificado

Publicado em 04/05/2021 - 16:14 Por Tâmara Freire - Repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro

A Polícia Civil do Rio de Janeiro concluiu o inquérito sobre a morte do menino Henry Borel e indiciou a mãe dele Monique Medeiros, e o padrasto da criança, vereador Jairo Souza Santos Junior, mais conhecido como Dr. Jairinho. Ambos foram enquadrados no crime de homicídio duplamente qualificado por emprego de tortura e impossibilidade de defesa da vítima.

Além disso, Jairinho foi indiciado duas vezes por tortura e Monique uma vez, por causa de agressões anteriores contra Henry. Em um desses episódios, Monique foi avisada pela babá que ele estava apanhando do padrasto. O menino foi inclusive levado a um hospital no dia seguinte, onde a mãe alegou que Henry tinha sofrido uma queda. Por conta desse caso, mesmo sem ter participado da agressão, ela foi indiciada por omissão.

Já na noite em que Henry foi assassinado, o delegado Henrique Damasceno, responsável pelo inquérito, diz que é impossível determinar a dinâmica exata ou a participação de cada um. No entanto, não há dúvidas para a polícia de que ambos são culpados do crime. Henry morreu por causa de uma laceração no fígado, causada por ferimento contundente, incompatível com um acidente doméstico, como foi alegado pelo casal.

Damasceno afirmou ainda que não há indício de que Monique tenha sido dopada, e portanto não tenha percebido que Henry estava sendo torturado. O delegado também descartou a hipótese de que ela tenha ignorado as agressões que o menino sofria por medo ou coação, e acobertado o assassinato, apesar de admitir que há relatos de uma relação conturbada entre eles.

Jairo e Monique estão presos temporariamente desde o dia 8 de abril, e com a entrega do inquérito, a polícia também pediu a conversão para prisão preventiva, que não tem prazo para terminar.

A defesa do vereador declarou que o inquérito foi concluído com rapidez excessiva, e que a pressão da opinião pública não pode interferir sob pena de cometimento de erro grave.

Já os advogados de Monique afirmaram que o inquérito tem erros investigativos, porque considera versões dadas por Monique sob coação, sem dar a ela o direito de modificar seu relato. De acordo com a defesa, Monique também é uma vítima de Jairinho e não uma coautora.

Edição: Vitória Elizabeth/ Beatriz Arcoverde

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Meio Ambiente

Aquecimento global pode gerar aumento de mortes por estresse térmico

Estudo inédito da Fiocruz mostra que é prejudicial para o corpo humano quando há um aumento duradouro de temperatura durante um tempo determinado, como durante ondas de calor. 

Baixar arquivo
Educação

Direito da UFRJ indica Nei Lopes para o título de doutor honoris causa

A concessão do título ao jurista negro havia sido rejeitada na primeira sessão da Congregação da Faculdade de Direito, responsável por avaliar as indicações.

Baixar arquivo
Economia

Guedes se reune para destravar reformas tributárias no Congresso

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fez reuniões, nesta quarta-feira, para tentar destravar as reformas tributárias que tramitam no Congresso Nacional. O assunto está entre as prioridades da equipe econômica.

Baixar arquivo
Saúde

Estudo aponta que 2ª dose da AstraZeneca não aumenta risco de trombose

A segunda dose da vacina da AstraZeneca não aumenta a chance de ter a forma rara de trombose identificada em alguns pacientes. O estudo foi feito pela própria AstraZeneca e publicado nessa quarta-feira, pela conceituada revista científica The Lancet.

Baixar arquivo
Saúde

Em rede nacional, Queiroga afirma que 100 milhões já tomaram a 1ª dose

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também reforçou para que todos que estejam atrasados em tomar a 2ª dose das vacinas que procurem imediatamente um posto de saúde.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Programa Sinal Vermelho contribui no combate a violência doméstica

A partir de agora, as vítimas de violência doméstica vão poder ir até uma repartição pública ou privada participante do programa Sinal Vermelho e mostrar um "X"  em vermelho na palma da mão, de forma silenciosa. Os funcionários da instituição vão encaminhar a vítima ao atendimento especializado.

Baixar arquivo