Mãe de Henry e Dr. Jairinho são indiciados por homicídio qualificado

Publicado em 04/05/2021 - 16:14 Por Tâmara Freire - Repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro

A Polícia Civil do Rio de Janeiro concluiu o inquérito sobre a morte do menino Henry Borel e indiciou a mãe dele Monique Medeiros, e o padrasto da criança, vereador Jairo Souza Santos Junior, mais conhecido como Dr. Jairinho. Ambos foram enquadrados no crime de homicídio duplamente qualificado por emprego de tortura e impossibilidade de defesa da vítima.

Além disso, Jairinho foi indiciado duas vezes por tortura e Monique uma vez, por causa de agressões anteriores contra Henry. Em um desses episódios, Monique foi avisada pela babá que ele estava apanhando do padrasto. O menino foi inclusive levado a um hospital no dia seguinte, onde a mãe alegou que Henry tinha sofrido uma queda. Por conta desse caso, mesmo sem ter participado da agressão, ela foi indiciada por omissão.

Já na noite em que Henry foi assassinado, o delegado Henrique Damasceno, responsável pelo inquérito, diz que é impossível determinar a dinâmica exata ou a participação de cada um. No entanto, não há dúvidas para a polícia de que ambos são culpados do crime. Henry morreu por causa de uma laceração no fígado, causada por ferimento contundente, incompatível com um acidente doméstico, como foi alegado pelo casal.

Damasceno afirmou ainda que não há indício de que Monique tenha sido dopada, e portanto não tenha percebido que Henry estava sendo torturado. O delegado também descartou a hipótese de que ela tenha ignorado as agressões que o menino sofria por medo ou coação, e acobertado o assassinato, apesar de admitir que há relatos de uma relação conturbada entre eles.

Jairo e Monique estão presos temporariamente desde o dia 8 de abril, e com a entrega do inquérito, a polícia também pediu a conversão para prisão preventiva, que não tem prazo para terminar.

A defesa do vereador declarou que o inquérito foi concluído com rapidez excessiva, e que a pressão da opinião pública não pode interferir sob pena de cometimento de erro grave.

Já os advogados de Monique afirmaram que o inquérito tem erros investigativos, porque considera versões dadas por Monique sob coação, sem dar a ela o direito de modificar seu relato. De acordo com a defesa, Monique também é uma vítima de Jairinho e não uma coautora.

Edição: Vitória Elizabeth/ Beatriz Arcoverde

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Educação

Enem 2021 não tem data definida, mas ocorrerá este ano, diz ministro

Após dúvida gerada por portaria publicada nesta semana, Milton Ribeiro garantiu que exame será aplicado, com expectativa de realização em outubro ou novembro deste ano. Inep comunicou que está concluindo cronograma das provas.

Baixar arquivo
Justiça

Campanha do TSE vai combater desinformação sobre urna eletrônica

Sistema digital fez 25 anos nesta semana. No período, segundo o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, nunca houve violação ou fraude comprovada. PEC em tramitação na Câmara quer a volta do voto em papel.

Baixar arquivo
Saúde

Identificada em Manaus a variante do coronavírus do Reino Unido

No Amazonas, a Secretaria de Saúde identificou a variante do coronavírus do Reino Unido em Manaus e agora investiga se houve transmissão comunitária da cepa britânica na região.

Baixar arquivo
Cultura

Painel em grafite homenageia os 100 anos da atriz Ruth de Souza

Primeira brasileira indicada a um prêmio internacional de cinema, a atriz Ruth de Souza, que morreu em 2019, completou 100 anos esta semana e tem recebido merecidas homenagens.

Baixar arquivo
Justiça

Brasil pede para incluir nomes de presos da PF em sistema da Interpol

O Ministério da Justiça quer nome de líderes do crime organizado na Interpol. O Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça pediu à Polícia Federal a inclusão dos presos do Sistema Penitenciário Federal no sistema Difusão Verde da Interpol, a Organização Internacional de Polícia Criminal.

Baixar arquivo
Pesquisa e Inovação

Iniciativa da UFF quer levar neurociência ao cotidiano dos brasileiros

O projeto “Descomplicando as neurociências nas redes” da Universidade Federal Fluminense (UFF) lançou um desafio: encontrar a ciência que existe no cotidiano, onde ela parece não existir. E, mais do que isso, encontrar o cientista que existe em cada um de nós.

Baixar arquivo