Mapa Social do Corona indica acesso desigual à saúde na pandemia

Boletim relata dificuldades enfrentadas por profissionais e pacientes

Publicado em 15/07/2020 - 13:18 Por Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro
Atualizado em 15/07/2020 - 15:35

A quinta edição do Mapa Social do Corona, lançado na noite de terça-feira (14) pela organização Observatório de Favelas, traz como tema o Acesso Desigual à Saúde no Rio de Janeiro: Dversidades Sanitárias Históricas e Direitos Urgentes à Vida Saudável.

A publicação quinzenal tem como objetivo dar visibilidade aos impactos desiguais da pandemia de covid-19 na cidade e identificar ações urgentes que precisam ser colocadas em prática para enfrentar a crise sanitária. Nesta edição, foram ouvidos profissionais de saúde que atuam nas favelas da Rocinha, Maré e Manguinhos, que falaram sobre as dificuldades enfrentadas pela população destas comunidaders para ter acesso a um direito básico.

“Buscamos revelar, por meio da voz dos profissionais que atuam em áreas de favelas e da análise espacial da distribuição de equipamentos de saúde, a histórica conformação socioespacial desigual do território carioca. Este quadro é aprofundado no momento atual pela pandemia da covid-19 e pelas erráticas políticas públicas na área de saúde postas em prática nos últimos anos pelas várias instâncias de governo”, diz o boletim.

De acordo com o mapa, um dos problemas é o fato de as unidades de atenção básica não terem recebido testes no início da crise – atualmente, apenas as pessoas com sintomas aparentes ou dos grupos de maior risco para a covid-19 conseguem ter acesso a eles.

O boletim ressalta que o acesso aos equipamentos de saúde também é difíicil para as populações residente na zona oeste e no extremo da zona norte. “Estas áreas têm cerceado o acesso tanto aos equipamentos para  atendimento primário a casos de covid-19 quanto a hospitais com disponibilidade de leitos, com respiradores, que atendem pelo SUS [Sistema Único de Saúde]. Somadas, as zona norte e soeste concentram mais de 80% da população carioca, e, paradoxalmente, apresentam as maiores barreiras para o acesso ao tratamento ao novo coronavírus.”

O Observatório de Favelas destaca ainda o atendimento a pacientes com sintomas da doença na parte externa das unidades de saúde, sem janelas, nem ventilação adequada, “requisito básico para espaços de recuperação de doenças respiratórias e contagiosas”. Também há relatos dos profissionais que precisam escolher apenas os casos mais graves para tratar, devido à falta de estrutura para acolher todos os pacientes.

O boletim ressalta que os moradores de localidades como Inhaúma, Vicente de Carvalho, Acari, Costa Barros e Anchieta estão há mais de 5 quilômetros (km) de um leito com respirador e precisam andar mais de 30 minutos a pé para chegar a uma unidade e receber o primeiro atendimento de covid-29. Segundo a publicação, os problemas se agravaram desde 2016.

“Observamos o congelamento de gastos públicos impactando sobremaneira os investimentos em saúde, assim como a desestruturação da Política Nacional de Atenção Básica, desestimulando a Estratégia de Saúde da Família e reduzindo o número mínimo de agentes comunitários de saúde por equipe”, diz o Mapa Social do Corona.

Demissões

De acordo com a publicação, na cidade do Rio de Janeiro, 700 mil pessoas tiveram o atendimento em saúde prejudicado por demissões ocorridas no setor entre outubro de 2018 e fevereiro de 2019. Foram desligados nesse período 465 agentes comunitários de saúde, 30 técnicos de enfermagem e 20 enfermeiros, “além de médicos e equipes inteiras de apoio à saúde da família”, diz o levantamento.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a informação não procede, e 13 clínicas da família foram inauguradas nos últimos três anos. “Para adequar a rede à necessidade da população, a Estratégia Saúde da Família passou por reestruturação em 2018, com a distribuição das equipes conforme o número de pessoas atendidas no território, o que permitiu que a Atenção Primária continuasse atendendo a mesma quantidade de pessoas, ofertando os mesmos serviços, mas com mais qualidade para o paciente”, diz a secretaria.

A desigualdade reflete-se nos dados sobre a pandemia: pelos números do Ministério da Saúde, no Brasil, a taxa de letalidade da doença está em 3,8%, enquanto no estado do Rio de Janeiro a proporção de mortes causadas pela doença sobe para 8,75%, conforme dados da Secretaria de Estado de Saúde.

Na capital, são 65.121 casos confirmados e 7.432 óbitos, o que representa taxa de letalidade de 11,4%. Considerados só os números da covid-19 nas favelas cariocas, a taxa de letalidade vai para 15,8%, com 3.891 casos e 607 óbitos, segundo o painel do Voz das Comunidades.

Texto ampliado às 13h35 para incluir posição da Secretaria Municipal de Saúde

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Rio de Janeiro - O ex-secretário municipal de Obras Alexandre Pinto é preso preventivamente pela Polícia Federal na Operação Rio 40 Graus (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Justiça

Rio: ex-secretário municipal de obras é condenado a 23 anos de prisão

Alexandre Pinto foi condenado a 23 anos de prisão por fraudes na licitação da obra da Transcarioca, via construída para Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016.

Fiocruz inaugura Unidade de Apoio ao Diagnóstico da Covid-19 no Rio
Saúde

Anvisa autoriza mudanças em teste da vacina de Oxford

Alteração permite a aplicação de uma dose de reforço, totalizando duas doses em vez de uma, como originalmente proposto. Medida é devida a estudos que mostram mais eficácia.

Higienização da bola antes do retorno do da Copa do Nordeste, após paralisação por conta da covid-19
Esportes

CBF anuncia novo protocolo de testes para coronavírus

Mudança acontece após primeira rodada do Brasileiro, na qual a partida entre São Paulo e Goiás foi adiada um pouco antes do início por conta de casos de coronavírus no elenco do Esmeraldino.

Fiocruz inaugura Unidade de Apoio ao Diagnóstico da Covid-19 no Rio
Saúde

Rio registra 28 mortes e 1.166 novos casos de covid-19 em um dia

Estado acumula mais de 180 mil casos da doença e mais de 14.108 mil mortes. São 28.909 pessoas pessoas internadas por covid-19, sendo que 11.494 em UTI.

coronavirus, Sao Paulo
Saúde

Estudo mostra que 18% dos adultos da cidade de SP já foram infectados

Uma pesquisa mostrou que o número de pessoas infectadas na cidade de São Paulo pode ter chegado a 18% da população adulta - próximo ao número necessário para a imunidade de rebanho.

Geral

Gás de pimenta causa intoxicação de três pessoas em SP

Gás foi introduzido no apartamento, por debaixo da porta, por um morador vizinho, descontente com reforma que estava sendo realizada. Vítimas foram levadas ao hospital.