Covid-19: mundo deve chegar hoje a 150 milhões de doses aplicadas

Dados são do painel Our World in Data, ligado à Universidade de Oxford

Publicado em 10/02/2021 - 14:55 Por Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Com quase 147,2 milhões de doses aplicadas até ontem (9), o mundo avança na imunização contra a covid-19, ainda com uma oferta limitada de vacinas disponíveis, porém aplicando mais de 4 milhões de doses de imunizantes por dia desde o fim de janeiro. Os dados são do painel Our World in Data, ligado à Universidade de Oxford, no Reino Unido. 

Se o ritmo de vacinação for mantido, a marca de 150 milhões de doses deve ser superada hoje (10). Nesse cálculo, é preciso considerar que o número de doses aplicadas é diferente do número de pessoas que receberam ao menos uma dose, já que considera também a segunda dose das vacinas que exigem tal esquema de vacinação.  

O total de aplicações desde dezembro do ano passado até ontem (9) representa apenas 1,89 dose para cada 100 pessoas no planeta e indica que 0,9% da população mundial recebeu ao menos uma dose.  

No ranking do site, o Brasil ocupa a quinta posição entre os que mais aplicam vacinas diariamente e a 34ª, quando considerado o percentual da população que recebeu ao menos uma dose. Segundo dados do Our World in Data, 1,78% dos brasileiros receberam ao menos uma dose de vacina contra a covid-19 até ontem (9), e o país aplicou, ao todo, 3,82 milhões de doses.

Os dados sobre o Brasil no site são menos atualizados que os mostrados no painel Monitora Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz. Segundo a plataforma da Fiocruz, o Brasil superou ontem a marca de 4 milhões de pessoas vacinadas e já aplicou ao menos uma dose em 1,93% da população.

China e EUA lideram aplicação

O total de 147,2 milhões de vacinas alcançado até então tem uma participação expressiva de Estados Unidos (43,2 milhões até 9 de fevereiro) e China (40,5 milhões até 9 de fevereiro). O último dado disponível no portal informa que os americanos aplicaram 1,49 milhão de doses em 9 de janeiro, o maior número desde o início da vacinação nos Estados Unidos. Já a China aplicou 1,67 milhão de doses em 9 de fevereiro, uma queda em relação aos 1,92 milhão que foram aplicadas em 7 de fevereiro.

Os americanos estão aplicando doses das vacinas Pfizer/Biontech e Moderna, enquanto os chineses vem utilizando a CoronaVac, da Sinovac, e os dois imunizantes desenvolvidos pela Sinopharm com laboratórios de Wuhan e Pequim.

Reino Unido (431 mil doses em 8 de fevereiro), Índia (353 mil doses em 9 de fevereiro) e Brasil (218 mil doses em 9 de fevereiro) completam a lista dos países que mais aplicavam vacinas por dia, segundo os últimos dados disponíveis no Our World in Data. Já segundo o Monitora Covid-19, da Fiocruz, o Brasil aplicou 267,5 mil doses em 9 de fevereiro.

Os três países estão aplicando dois tipos de vacina, sendo um deles a Oxford/AstraZeneca. No caso do Brasil, também está em uso a CoronaVac, enquanto os britânicos adotam a Pfizer/Biontech, e os indianos, a Covaxin. 

Israel tem maior cobertura

Quanto à cobertura vacinal, no entanto, nenhum país chegou tão longe quanto Israel, que já completou o esquema de doses em 25,69% de sua população, de cerca de 8,7 milhões de pessoas. A campanha de vacinação israelense conta com duas vacinas de RNA mensageiro, Moderna e Pfizer/BioNTech, e já aplicou 5,8 milhões de doses desde dezembro. Com isso, 41,6% da população já recebeu ao menos uma dose.

Com mais de 60 milhões de habitantes, o Reino Unido já administrou ao menos uma dose em 18,6% da população, percentual quase duas vezes maior que o dos Estados Unidos (9,83%), cuja população é mais que cinco vezes superior à britânica. 

As doses aplicadas no mundo, até o momento, fora da fase de testes são de dez desenvolvedores diferentes: Oxford/AstraZeneca (Reino Unido e Suécia), Sinovac (China), Pfizer/Biontech (Estados Unidos e Alemanha), Moderna (Estados Unidos), Instituto Gamaleya (Rússia), Bharat Biotech (Índia), CanSino/Instituto de Biotecnologia de Pequim (China), Instituto Vector (Rússia), Sinopharm/Instituto de Produtos Biológicos de Pequim (China),  Sinopharm/Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan (China).

Edição: Denise Griesinger

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias