Últimas notícias Serviço Geológico do Brasil

Agência Brasil 30 Anos - Com a falta de chuva na nascente do Rio São Francisco, o reservatório de Sobradinho vive a maior seca de sua história
Geral

Água subterrânea pode ser alternativa para crise hídrica, diz SGB

Previsão é que o atual ano hidrológico fique entre os mais secos da série histórica em diversas localidades das regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Porto da Ceasa, no Rio Negro, em Manaus (Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Geral

Rios Negro e Solimões já atingiram cotas de inundação severa

Na altura de Itacoatiara, o Rio Negro já atingiu 14,61m. A cota de inundação severa na região é de 14,20m, e o nível mais alto já registrado ocorreu em 2009, quando chegou a 16,04m.

Geral

Serviço Geológico lança mapa online sobre áreas de risco no país

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) lançou uma plataforma interativa que reúne informações sobre áreas com alto risco e muito alto risco de deslizamentos de terra, inundações, enxurradas e quedas de rocha, em mais de 1.600 municípios brasileiros. O serviço é um mapa online e contém uma base de dados que pode ser usada por gestores nacionais, estaduais e municipais, como as defesas civis de cada região, além da comunidade acadêmica, empresas privadas e a sociedade.
A represa na mina do Córrego do Feijão, perto de Brumadinho, Brasil, é retratada após o colapso do dia 25 de janeiro de 2019 nesta foto de satélite de 26 de janeiro de 2019 obtida pela Reuters em 27 de janeiro de 2019.
Geral

Rejeitos de barragem não devem chegar a usina de Três Marias, diz CPRM

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) informou hoje (28), por meio do Boletim de Monitoramento Especial do Rio Paraopeba, que a previsão é que a chamada pluma, mistura de rejeitos e água, resultante do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho na última sexta-feira (25), dev

indígenas Pataxó Hã-hã-hãe vivem na aldeia Naõ Xohã, às margens do rio Paraopeba.
Geral

Água turva avança no Rio Paraopeba em direção à Usina de Três Marias

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM), estatal vinculada ao Ministério de Minas e Energia, está monitorando o avanço da turbidez da água no Rio Paraopeba, após o rompimento da barragem da mineradora Vale em Brumadinho (MG), ocorrido na última sexta-feira (25).