Movimentos de ocupação do espaço público fizeram ressurgir blocos de rua de BH

Publicado em 11/02/2017 - 19:33 Por Léo Rodrigues – Correspondente da Agência Brasil - Belo Horizonte

Belo Horizonte Bloco Então Brilha tem como ponto de partida a Rua Guaicurus, reduto de prostíbulos no centro da capital mineira

Belo Horizonte – Bloco Então Brilha tem como ponto de partida a Rua Guaicurus, reduto de prostíbulos no centro da capital mineiraBloco Então Brilha/Divulgação

Para quem gosta de pular carnaval, ficar em Belo Horizonte não era das opções mais atraentes até alguns anos atrás. O desfile das escolas de samba e algumas poucas atrações mobilizavam um público pequeno. O cenário, no entanto, mudou, e o número de blocos de rua da capital mineira não para de crescer. Segundo a Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte (Belotur), os festejos deste ano, que começaram hoje (11), terão 416 desfiles de 350 blocos cadastrados, 30% a mais que 2016.

Além dos moradores locais, a cidade espera cerca de 500 mil turistas. Eles passarão a fazer parte de uma história que remete a janeiro de 2010, quando movimentos de ocupação do espaço público começaram a se manifestar de forma lúdica contra ações da gestão municipal. A principal queixa se relacionava com o Decreto Municipal 13.798/2009, assinado pelo então prefeito Márcio Lacerda, que proibia a realização de eventos de qualquer natureza na Praça da Estação, no centro da cidade.

A reação veio na forma do evento Praia da Estação, convocado pelas redes sociais. Centenas de pessoas, sobretudo artistas e universitários, se reuniram em um sábado para um piquenique na Praça da Estação. Os mais animados, vestidos de sungas e biquínis, se aventuraram a tomar banho nas fontes de água. A Praia da Estação começou a se repetir pelos fins de semana posteriores. O decreto foi revogado em maio de 2010, mas, até lá, a mobilização já tinha virado carnaval.

Foi deste movimento lúdico que diversos blocos surgiram de forma espontânea em 2010, com epicentro no bairro de Santa Tereza. Eles se juntaram aos pioneiros Tico Tico Serra Copo e Peixoto, que haviam desfilado em 2009. O objetivo era ocupar as vias públicas de forma festiva. Em 2011, os desfiles de aproximadamente 20 blocos chamaram a atenção dos moradores. De 2012 em diante, o número de blocos só cresceu.

Reivindicações

Os participantes levavam para os desfiles faixas, estandartes, cartazes e camisas com pautas de diversos movimentos que se propõem a repensar a cidade, tais como a tarifa zero nos ônibus, a regularização das ocupações de sem tetos e o combate ao preconceito racial, ao machismo e à homofobia. “Quando a luta pelo uso do espaço público ganhou a cidade, outros movimentos sociais perceberam que também podiam usar a folia para dar visibilidade para suas pautas”, avalia a cineasta Dandara Andrade, diretora do documentário BH no Ritmo da Luta, que aborda o ressurgimento dos blocos de rua em Belo Horizonte.

O debate político é combustível para blocos como o Então Brilha que, em 2011, organizou uma bateria para desfilar e escolheu como ponto de partida uma via marginalizada do centro da cidade, a Rua Guaicurus, reduto de prostíbulos. No último carnaval, ele arrasta cerca de 80 mil foliões. O ponto de referência do bloco é o Hotel Brilhante, uma das muitas casas de prostituição no local.

A escolha não é ao acaso. Os participantes do Então Brilha defendem a diversidade e a inclusão das minorias. Letras de músicas famosas são subvertidas. Em vez de cantar o amor de Romeu e Julieta, os integrantes exaltam o amor de Romeu e Romeu e de Julieta e Julieta. “As pessoas ocuparam as ruas, mas ainda há um questionamento sobre quem está na rua. Porque o carnaval é puxado e feito em sua maioria pela classe média. Então, hoje a gente precisa pensar outras questões: como enegrecer os blocos, como aproximar a periferia da festa, dar voz às minorias”, avalia Di Souza, maestro do Então Brilha.

Leia mais em: Blocos de rua ajudam a descentralizar a folia em Belo Horizonte 

Edição: Wellton Máximo

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
A cúpula  maior, voltada para cima, abriga o Plenário da Câmara dos Deputados.
Política

Câmara aprova MP amplia uso de assinatura eletrônica

Objetivo da MP é facilitar o uso de documento assinados digitalmente para ampliar o acesso a serviços públicos digitais. Texto segue para o Senado.

la bombonera, estádio do boca juniors
Esportes

Equipes do futebol argentino voltam a treinos presenciais

Após paralisação de cinco meses causada pela pandemia de coronavírus, 16 das 25 equipes da primeira divisão do país sul-americano retornaram às atividades presenciais.

Programa de Incentivo à Cabotagem, BR do Mar,
Geral

Programa de incentivo marítimo BR do Mar é entregue ao Congresso

O governo entregou hoje o projeto de lei BR do Mar - iniciativa que visa expandir o tráfego marítimo de mercadorias em todo o território nacional.

 

cruzeiro guarani
Esportes

Série B: Cruzeiro vence Guarani por 3 a 2 fora de casa

Segunda rodada também teve triunfos de Juventude, Paraná e Botafogo SP, além do empate entre Brasil de Pelotas e Ponte Preta.

Mega-Sena, loterias, lotéricas
Geral

Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 12,5 milhões

A quina teve 16 acertadores e cada um vai receber R$ 81.484,20. Os 1.545 ganhadores da quadra receberão o prêmio individual de R$ 1.205,49.

 Esculturas de musas na fachada do prédio da sede do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, zona norte da cidade
Geral

Alerj autoriza repasse de verbas para obras no Museu Nacional

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro autorizou o repasse de verbas complementares para a reconstrução do Museu Nacional, destruído por um incêndio em 2018.