Enviado americano diz que Brasil é exemplo inspirador da causa gay

Publicado em 09/06/2015 - 19:03 Por Flávia Villela – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O enviado especial do Departamento de Estado dos Estados Unidos para os Direitos Humanos das Pessoas LGBTI, Randy Berry, trouxe bandeira arco-íris ao Consulado dos Estados Unidos no Rio (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Bandeira do arco-íris é hasteada junto à dos EUA na sede do Consulado Fernando Frazão/Agência Brasil

O Brasil tem vários exemplos positivos e inspiradores na garantia de direitos da população de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e indefinidos (LGBTI). Esta é a opinião do enviado especial do Departamento de Estado dos Estados Unidos para os Direitos Humanos das Pessoas LGBTI, Randy Berry.  Ele conversou com ativistas e autoridades brasileiras sobre o tema.

Após dois dias em São Paulo e um em Brasília, Berry foi ao Rio hoje (9), onde se reuniu de manhã com líderes comunitários da Cidade de Deus. “Fiquei muito bem impressionado com o alto nível do trabalho que estão desenvolvendo lá. Voltei muito inspirado com o que vi”, afirmou.

Berry também elogiou serviços prestados por entidades em São Paulo na área de educação e oportunidades de emprego a membros da comunidade que sofreram violência e discriminação.

Na parte da tarde, antes de conversar com autoridades locais e ativistas, ele hasteou a bandeira do arco-íris, símbolo da causa LGBTI, ao lado da bandeira americana, no Consulado dos Estados Unidos, no Rio de Janeiro.

Segundo Berry, os governos americano e brasileiro têm preocupações e interesses similares. “Estive em Brasília ontem (8) com representantes do Ministério das Relações Exteriores e percebi nas conversas que, nesse tema, Brasil e Estados Unidos estão muito próximos.”

Para ele, os desafios brasileiros também são muito parecidos com os dos Estados Unidos. “Todos os países ainda têm muito que evoluir nessa questão. O mesmo vale para os Estados Unidos. Lá, por exemplo, o número de casos de violência contra membros da comunidade transexual também é significativamente maior do que contra outros membros da comunidade”, disse Berry, que aposta na educação como solução para o problema.

A criminalização da homofobia não é, segundo ele, a melhor opção. “A experiência norte-americana em estratégias legais têm sido no sentido de criminalizar ações de ódio, discursos de apologia à violência. A liberdade de expressão também é um direito muito caro para nós. Então, achamos que educação é a chave para o problema. Ainda temos homofobia, mas acho que [combatê-la] é parte de um processo de melhoria em qualquer país.”

Em São Paulo, ele conheceu e ouviu relatos de organizações em prol da causa e dos direitos humanos, e participou da Parada Gay. “Nunca vivi nada igual. Foi provavelmente a maior multidão que já vi, e achei que tinha uma energia incrível”, lembrou Berry, ao informar que ainda ouve com dificuldade devido ao estrondo da festa.

O enviado especial do Departamento de Estado dos Estados Unidos para os Direitos Humanos das Pessoas LGBTI, Randy Berry, conversou com ativistas e autoridades brasileiras sobre o tema (Fernando Frazão/Agência Brasil)

"Foi provavelmente a maior multidão que já vi", disse  Randy  Berry  sobre  a  Parada  Gay, em

São  Paulo    Fernando  Frazão/Agência  Brasil

Berry não viu a performance da transexual seminua presa a um crucifixo durante a parada, que gerou polêmica nas redes sociais, mas disse que aqui, como em seu país, as pessoas têm direito de se expressar. “Contanto que não promovam a violência, e não prejudiquem ninguém”, acrescentou.

O enviado especial dos Estados Unidos disse ainda que as experiências que conheceu pelo continente foram verdadeiras aulas. Antes do Brasil, ele esteve na Argentina, no Uruguai e no Chile. “Fiquei surpreso com a originalidade e perspicácia de trabalhos desenvolvidos por aqui. E fiquei muito otimista com algumas áreas em que podemos traçar parcerias no futuro.”

“Meu interesse é ver como reunir essas lições e promover o tipo de mudança que realmente queremos no mundo, pois temos ainda muitos irmãos e irmãs LGBT vivendo em circunstâncias muito difíceis em vários países”, completou Berry. Ele informou que, na série de visitas que vem fazendo, parcerias já estão sendo delineadas. Amanhã (10) ele estará na República Dominicana, de onde retornará a Washington.

Edição: Maria Claudia

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias