Yalorixá recebe condecoração no Rio e defende valorização da cultura iorubá

Publicado em 28/11/2016 - 23:05 Por Isabela Vieira - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Princesa da Nigéria

A princesa do reino de Oyo, Arewa Folashad, divulga cultura nigeriana no Rio Renan Olaz/CMRJ

Abrir no Rio de Janeiro um centro cultural para apresentar a cultura nigeriana aos brasileiros e estreitar laços com aquele país, berço de elementos que fazem parte das religiões de matriz africana é uma das propostas da Yalorisa (sacerdotisa do candomblé) Rosângela D'Yewa. Homenageada hoje (28), com a Medalha Pedro Ernesto – a mais alta horaria concedida pela Câmara de Vereadores da cidade –, ela pretende coletar apoio da sociedade e de governos para a proposta.

A ideia de Rosângela é que a Casa da Nigéria ofereça cursos de língua iorubá – utilizada, no Brasil, em cultos afros–, de culinária, ensine sobre a história do continente africano e sobre a Nigéria, além de manter um espaço onde religiões de matriz africana possam dialogar. Segundo Rosângela, o candomblé têm sua origem naquele país, para onde os religiosos viajam até hoje tentando resgatar tradições.

“Ainda não temos, no Rio de Janeiro, um local onde possamos discutir e avaliar nossas necessidades. Estamos restritas aos axés, como se esses fossem feudos”, disse a yalorisa, durante a homenagem, na Câmara. Além de comandar uma casa de candomblé, com projetos voltados a crianças, ela é embaixadora cultural de Oyo no Brasil. No século 19, da região, no sudeste da Nigéria, e do Benim, saíram boa parte dos africanos escravizados no Brasil, principalmente para a Bahia.

Yalorixá recebe condecoração no Rio de Janeiro

Yalorixá Rosângela D'Yewa recebe condecoração no Rio de JaneiroRenan Olaz/CMRJ

Ao receber a medalha, a Yalorijá também defendeu que a Casa da Nigéria ajude na educação, já que as escolas ainda não aplicam a lei federal que obriga o ensino da história e das culturas afro-brasileiras e africanas. “Podemos ser referência”.

A princesa nigeriana do reino de Oyo, Arewa Folashade, que tem se dedicado à promoção da cultura iorubá na diáspora (dispersão de um povo em consequência de preconceito ou perseguição política, religiosa ou étnica) é uma das apoiadoras da ideia. Ela veio ao Rio participar da homenagem à yalorisa brasileira – embaixadora da cultura do Império de Oyo no Brasil. No século 19, saíram da região de Oyo, no sudeste da Nigéria e do Benim, boa parte dos africanos escravizados no Brasil, principalmente para a Bahia.

Filha do Alaafin (rei) de Oyo (um dos vários reinos da Nigéria), o Oba Olayiwola Lamidi Adeyemi III Arewa Folashade, que está em sua segunda visita ao Brasil, também aproveitou para agradecer o papel dos terreiros de candomblé na manutenção da cultura iorubá, apesar da história. 

“Na Nigéria nós temos vários grupos culturais, de diferentes etnias, dentro os quais, o iorubá é a maior. A cultura iorubá é muito forte e atravessou o oceano por meio da tradição. E não estamos falando apenas de religião, mas de toda a cultura e práticas ancestrais. Toda a família iorubana tem seu orixá, não importa se você é muçulmano ou cristão”, disse a princesa, que é muçulmana.

A professora de história Ana Cristina da Luz Kehl, que apoia a ideia, diz que um centro cultural para difundir a cultura da Nigéria chegou a funcionar em Salvador, no Pelourinho, onde foram abertas também uma Casa de Angola e outra do Benin. Na época a intenção era ter diversas casas representando países africanos em um dos pontos mais simbólicos da escravidão.

Para destacar a contribuição da cultura iorubá no país, hoje, além da medalha Pedro Ernesto, foram também entregues pelo vereador professor Uóston (PMDB) mais 30 menções honrosas em referência ao trabalho de sacerdotisas e sacerdotes do candomblé para preservação da cultura herdada de África.

A princesa nigeriana Arewa Folashade fica no Brasil até quinta-feira (1º). Ela vai conhecer pontos turísticos da cidade e terreiros de religiões de matriz africana.

Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias