Maracanazo: 70 anos do sonho interrompido

Gol de Ghiggia marcou história das Copas do Mundo

Publicado em 16/07/2020 - 14:54 Por Rafael Monteiro - Repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro

Há exatos 70 anos o Brasil disputava sua primeira final de Copa do Mundo e sediava a competição mais importante do futebol envolvendo seleções. Na decisão, o Maracanã registrava um público de 199.854 espectadores, que acompanhava Brasil e Uruguai.

O primeiro tempo terminou empatado de 0 a 0. Logo no início da segunda etapa, Friaça marcou aos 2 minutos, deixando a seleção brasileira na frente no placar. Tudo parecia encaminhado para a taça ficar eternizada no Brasil. Contudo, os uruguaios reagiram e empataram com Schiaffiino aos 21. Brasil 1 x 1 Uruguai.

A massa de torcedores brasileiros no estádio mantinha a confiança em um final feliz, afinal o empate era o suficiente para levantar o caneco. Além disso, a campanha da equipe formada pelo técnico Flávio Costa, sem dúvida, inspirava otimismo. O Brasil chegou à final invicto, com o retrospecto de quatro vitórias e um empate. Sendo que deste total de jogos, três foram goleadas: Brasil 4 x 0 México, Brasil 7 x 1 Suécia e Brasil 6 x 1 Espanha.

Contudo, aos 34 minutos do segundo tempo Ghiggia surgiu para ser o protagonista em um dos capítulos mais doloridos da história do futebol brasileiro. O ex-ponta-direita chutou rasteiro, sem tanta força, no canto esquerdo do goleiro Barbosa, que não alcançou. A multidão no Maracanã se calou e o gol que decretou o bicampeonato do Uruguai, selando a vitória por 2 a 1, ficou eternizado como Maracanazo.

No Maracanazo dois personagens foram antagonistas: Ghiggia, o herói, e Barbosa, o vilão. A Agência Brasil convidou os comentaristas da Rádio Nacional Mário Silva e Waldir Luiz para falarem sobre o lance emblemático.

“Foi realmente um fato muito importante, porque o Brasil se preparou para aquela Copa do Mundo, mesmo com alguns problemas administrativos. Partiu para ganhar, poderia ter vencido, até porque fez uma partida admirável contra a Espanha [no jogo anterior]. Mas, isso são coisas do futebol. No final das contas, crucificaram o goleiro”, opina Mário Silva.

“O Maracanã estava superlotado. Ele tinha sido inaugurado há um mês. Era a primeira Copa do Mundo no Brasil. Então, o país parou para ver aquela competição. Mas esse Maracanazo, na minha opinião, terminou em 1970. Porque 20 anos depois o Brasil voltou a enfrentar a seleção do Uruguai em uma Copa do Mundo e venceu. Depois disso, a pressão contra os uruguaios diminuiu”, relembra Waldir Luiz, que aproveitou para revelar uma conversa que teve com o atacante Ademir de Menezes, participante daquela Copa: “Uma vez perguntei ao Ademir o que representou aquilo, e ele me disse que foi gerado um grande trauma”.

Após 64 anos, em 2014, o Brasil voltou a sediar uma edição da Copa do Mundo. A expectativa era por um desfecho diferente. O torcedor brasileiro vivia a possibilidade de conquistar o troféu mais cobiçado do mundo em casa. A seleção brasileira chegou às semifinais, mas foi terrivelmente goleada pela Alemanha por 7 a 1, no Mineirão, em Belo Horizonte. O goleiro era Júlio César.

Brasil joga contra a Alemanha no Mineirão em Belo Horizonte (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Jogadores do Brasil desolados após derrota para a Alemanha na Copa de 2014 - Marcello Casal jr/Agência Brasil

Agora, após estas duas traumáticas derrotas, Mário Silva traça um paralelo em relação aos dois defensores: “Vamos comparar os dois goleiros. Um tomou sete da Alemanha, e o outro ficou marcado por ter tomado o gol do Ghiggia. Para mim, é mais pesado tomar sete, mas não era na final. Uma diferença de um tempo para o outro é que a imprensa trabalhou em favor de desconstruir o fato de 2014. Já em 50 a situação foi alimentada durante anos. Barbosa foi um grande goleiro, e só lhe procuravam para falar do gol do Ghiggia. Ele mesmo fez um comparativo antes de morrer, que no Brasil a maior pena era de 35 anos e ele estava condenado por mais tempo. Do ponto de vista de ser um mico, as duas situações se equivalem. Em 1950 o Brasil perdeu a Copa para o Uruguai, e em 2014 perdeu mais uma vez a chance de ser campeão em casa”.

Waldir Luiz faz um comparativo e afirma que, pelo fato de Júlio César não ter sido o responsável direto pelos gol sofridos, a culpa pelo vexame não recaiu sobre ele: “Realmente, Barbosa, que foi um grande goleiro do Vasco e terminou a carreira no Campo Grande na década de 60, sofreu muito com este gol. O Ghiggia virou herói no Uruguai e o Barbosa o vilão aqui. No lance do gol, o Ghiggia ameaçou cruzar, mas ele chutou, daí o Barbosa deu um passo para frente para tentar interceptar e a bola acabou passando. Ele foi muito criticado covardemente. Diferente do Júlio César, talvez porque não tenha falhando em nenhum dos sete gols. O Barbosa não falhou feio, mas falhou. Outra coisa, não era uma final. Em 2014 as críticas foram mais em cima do treinador [Felipão]”.

Edição: Fábio Lisboa

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Comércio da cidade do Rio de Janeiro funciona com restrições
Saúde

Estado do Rio tem 168.064 casos de covid-19 desde início da pandemia

Desde ontem foram registrados 32 óbitos e 839 pessoas infectadas pelo novo coronavírus. O estado soma agora 13.604 mortes pela doença e 144.850 pacientes recuperados. 

Hospital de campanha do Maracanã no Rio de Janeiro
Justiça

Justiça do Rio impede fechamento de hospitais de campanha

Segundo secretaria, hospitais de São Gonçalo e do Maracanã estão abertos, mas sem pacientes por causa de vagas em unidades regulares da rede estadual.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, fala à imprensa , após reunião com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada
Justiça

Defesa de Onyx assina acordo de não persecução penal com a PGR

Apesar do acordo fechado com a PGR, é necessário que o caso seja analisado pelo Supremo Tribunal Federal. Ministro-relator vai decidir se homologa acordo.

Hospital de campanha para vítima de Covid-19 em Santo André, São Paulo
Saúde

Covid-19: Brasil registra mais 561 mortes; total chega a 94.665

Doença atingiu 2,75 milhões de brasileiros; 69,5% já se recuperaram. Atualmente, 743.334 pacientes estão em acompanhamento.

Painel Resolveu
Geral

EBC fica em primeiro no ranking de elogios entre instituições federais

De 1º de janeiro a 31 de julho, a administração federal recebeu 4.656 elogios de usuários de 333 instituições; EBC recebeu 417 elogios, e Ministério da Economia, 375.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES
Economia

BNDES seleciona fundos de crédito não bancário para pequenas empresas

Com isso, BNDES busca mitigar impactos da pandemia de covid-19 na economia e, por meio de canais não bancários, ampliar crédito para pequenos empreendedores.