É preciso seguir o dinheiro da corrupção, diz promotor italiano antimáfia

Publicado em 07/10/2015 - 00:25 Por Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Na luta contra a máfia e a corrupção, o mais importante é seguir o dinheiro dos criminosos e confiscar os seus patrimônios. Nisso se incluem também os políticos, que devem pagar para devolver o que tiraram do povo, segundo a receita do vice-coordenador nacional antidrogas do Ministério Público da Itália, Maurizio de Lucia, que ficou famoso em seu país pelo combate sem trégua aos mafiosos e corruptos.

“Não é que nós lutamos contra todo o poder político, porque não é toda política que é má, mas tem uma parte da política que convivia com a máfia. E aí tivemos que usar instrumentos jurídicos e, sobretudo, fomos procurar dinheiro e riquezas que não eram justificáveis. Para combater a máfia, para combater quem ajuda a máfia, para combater os políticos, tem que tirar o dinheiro e tirar o patrimônio que eles tiraram dos pobres”, declarou o promotor, que está no Brasil para participar do 21º Congresso Nacional do Ministério Público e da 5ª Conferência Regional da International Association of Prosecutors para a América Latina, que começou no Rio nesta terça-feira (6) e vai até sexta-feira (9).

Indagado sobre quais conselhos poderia dar aos colegas brasileiros que também lidam com casos de corrupção, como os da Operação Lava Jato, Maurizio de Lucia respondeu que o mais importante é aprender a trabalhar juntos.

“Na Itália, nós aprendemos a lutar contra a máfia colocando juntos os conhecimentos. Nós temos uma estrutura central que coordena todas as investigações sobre a máfia e contra a grande corrupção. Esta estrutura ajuda os procuradores, que depois passam [as informações] adiante. O princípio fundamental é que se o crime é organizado, a Justiça também tem que ser organizada. A estrutura central é a Direção Nacional contra a Máfia e Antiterrorismo, da qual eu faço parte, que foi desejada pelo [juiz] Giovanni Falcone, antes que ele fosse assassinado pela máfia, em 1992, e tem a obrigação de juntar todas as informações e investigações”, disse de Lucia.

Segundo o promotor, a larga experiência de luta contra os mafiosos em seu país pode ser aproveitada em outros lugares, inclusive o Brasil. “O sentido [de eu estar no Brasil] é explicar como é o fenômeno italiano, que é um pouco diferente de todos os outros, porque na Itália a máfia tem, pelo menos, 150 anos. Então nós conhecemos como trabalha e fizemos leis contra ela, que hoje podem ser exportadas e podem ajudar os outros países a combater a criminalidade organizada”.

Solicitado a fazer uma comparação entre a Operação Mãos Limpas italiana e a Operação Lava Jato brasileira, Maurizio de Lucia disse que nem tudo foi resolvido na Itália, mas que o maior ensinamento é seguir o caminho do dinheiro, para saber se ele tem origem criminosa.

“Nós também continuamos tendo problemas grandes de corrupção. É um problema de todos os países. A solução é ter maior transparência nas decisões públicas e a possibilidade de seguir o dinheiro, que foi o que o Falcone sempre disse. Porque é preciso explicar como as riquezas se criam e como elas são justificadas. Se são riquezas criminais, então têm que ser seguidas.” O promotor italiano também ressaltou que é preciso haver muita integração entre a polícia e os promotores de Justiça para que os resultados sejam alcançados.

A programação completa do encontro do Ministério Público pode ser acessada na página do evento na internet (www.congressomp2015.com.br).


 

Edição: Jorge Wamburg

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Comércio da cidade do Rio de Janeiro funciona com restrições
Saúde

Estado do Rio tem 168.064 casos de covid-19 desde início da pandemia

Desde ontem foram registrados 32 óbitos e 839 pessoas infectadas pelo novo coronavírus. O estado soma agora 13.604 mortes pela doença e 144.850 pacientes recuperados. 

Hospital de campanha do Maracanã no Rio de Janeiro
Justiça

Justiça do Rio impede fechamento de hospitais de campanha

Segundo secretaria, hospitais de São Gonçalo e do Maracanã estão abertos, mas sem pacientes por causa de vagas em unidades regulares da rede estadual.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, fala à imprensa , após reunião com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada
Justiça

Defesa de Onyx assina acordo de não persecução penal com a PGR

Apesar do acordo fechado com a PGR, é necessário que o caso seja analisado pelo Supremo Tribunal Federal. Ministro-relator vai decidir se homologa acordo.

Hospital de campanha para vítima de Covid-19 em Santo André, São Paulo
Saúde

Covid-19: Brasil registra mais 561 mortes; total chega a 94.665

Doença atingiu 2,75 milhões de brasileiros; 69,5% já se recuperaram. Atualmente, 743.334 pacientes estão em acompanhamento.

Painel Resolveu
Geral

EBC fica em primeiro no ranking de elogios entre instituições federais

De 1º de janeiro a 31 de julho, a administração federal recebeu 4.656 elogios de usuários de 333 instituições; EBC recebeu 417 elogios, e Ministério da Economia, 375.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES
Economia

BNDES seleciona fundos de crédito não bancário para pequenas empresas

Com isso, BNDES busca mitigar impactos da pandemia de covid-19 na economia e, por meio de canais não bancários, ampliar crédito para pequenos empreendedores.