Especialistas pedem ao governo para ouvir sociedade sobre a Baía de Guanabara

Publicado em 10/11/2015 - 21:07 Por Da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Em meio a críticas sobre a qualidade da água, Baía de Guanabara sediará o primeiro evento-teste para as Olimpíadas de 2016(Tânia Rêgo/Arquivo Agência Brasil)

Segundo dados do Instituto Baía de Guanabara, a região tem mais de oito milhões de habitantes em seu entornoArquivo/Tânia Rêgo/ Agência Brasil

Um grupo de moradores e especialistas ambientais pediu hoje (10), durante debate sobre a Baía de Guanabara, que a sociedade seja ouvida sobre propostas para melhoria da qualidade da água e do tratamento de esgoto da área. 

Segundo dados do Instituto Baía de Guanabara, a região tem mais de oito milhões de habitantes em seu entorno. Um terço mora em favelas e a maioria vive em condições precárias de urbanização.

Mediador da conversa promovida pelo Viva Favela, o ambientalista Sérgio Ricardo afirmou que é preciso que os “povos” da Baía de Guanabara se unam para buscar uma identidade e reconhecer que há um problema comum.

“Há o abandono das políticas públicas, seja na área de saneamento, abastecimento de água ou coleta de lixo. Se as propostas que o governo apresentou nas duas últimas décadas fracassaram, isso se deve ao fato que a sociedade não foi ouvida”.

Segundo ele, as políticas públicas não incentivam a participação da cidadania. “Esse é um grande problema. Para despoluir, precisamos ouvir as universidades que estudam a Baía de Guanabara há décadas e também ouvir as populações que sofrem com os problemas e aí vamos caminhar para uma baía viva.”

O ambientalista disse ainda que há duas concepções em debate para a Baía de Guanabara: a da baía “viva” e a baía “industrial”. “A concepção do governo e do capital é que a baía é um corpo a diluir lixo, esgoto e poluição industrial. Existe uma outra concepção de uma baía viva, defendida pelos pesquisadores, ecologistas e pescadores. Ou a baía vira um estacionamento de rebocadores, local destinado a atividade industrial e petroleira, ou a sociedade quer uma outra baía que a gente possa ter o lazer, a pesca, o transporte hidroviário e a pesquisa científica.”

A atividade da pesca é uma das que mais perderam força nos últimos anos com o aumento da poluição da área. De acordo com o presidente da Associação dos Pescadores da Baía de Guanabara da colônia de pesca do Caju, Bruno Amaral, há 20 anos os pescadores chegavam a faturar mais de oito salários mínimos mensais. Hoje, o pescador “mal consegue arrumar um salário mínimo no mês”.

Amaral reclamou da pequena área disponível para a pesca em decorrência da presença de embarcações que impedem a atividade. “Tem uma regra na Capitania dos Portos que proíbe a pesca em torno de 200 metros de canais e boias. Na área destinada à pesca ficam muitos rebocadores, plataformas e barcos petrolíferos. Eles nos expulsaram da área.”

Amaral afirmou ainda que a qualidade da água da baía é “péssima”. “Há uma alta mortandade de peixe, além de manchas de óleo e de espuma na água. A água lá está muito ruim mesmo.” Segundo ele, nas conversas com associações de pescadores de outros locais do entorno da baía as reclamações e os problemas são os mesmos.

Edição: Armando Cardoso

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Justiça

Órgãos assinam termo de cooperação sobre acordos de leniência

O TCU passa a participar das negociações conduzidas pela CGU, AGU e MPF na celebração de acordos de leniência com empresas acusadas de desviar recursos públicos.

Governo de São Paulo inicia testes com vacina contra o novo coronavírus.
Saúde

Diretor do Instituto Butantan defende confiabilidade de vacina chinesa

O contrato com a farmacêutica chinesa permite ao Butantã começar a produzir e envasar a Coronavac a partir de outubro deste ano, disse Dimas Covas.

João Menezes ganhou o ouro pan-americano em 2019
Esportes

Tenistas brasileiros embarcam domingo para se juntar à Missão Europa

Entre os convocados está João Menezes, ouro no Pan de Lima (Peru). Thomaz Bellucci, Beatriz Haddad Maia e Carolina Meligeni também estão de malas prontas rumo a Portugal.

Fachada do Ministério da Saúde na Esplanada dos Ministérios
Saúde

Sistema interligará bancos de dados sobre educação em saúde

Governo também prepara Marco Regulatório da Residência em Saúde, que transfere, do Ministério da Educação para o da Saúde, responsabilidades sobre essa etapa de formação.

Atracação de navios no Caís do Porto do Rio de Janeiro, guindaste, container.
Internacional

Cepal diz que comércio internacional da América Latina cairá 23%

Cepal diz que valor das exportações regionais deve cair 23%. Nas importações, queda será de -25%, superior aos -24% da crise de 2008/2009. Comércio mundial acumula retração de 17% até maio de 2020.

Agência Nacional do Petróleo (ANP)
Economia

ANP: petroleira inicia perfuração do primeiro poço de oferta no MA

O poço está localizado no bloco exploratório PN-T-68, no município maranhense de Capinzal do Norte, no Maranhão, tendo sido arrematado em setembro do ano passado.