Justiça manda soltar almirante Othon, ex-presidente da Eletronuclear

Publicado em 11/10/2017 - 16:52 Por Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva

Justiça decidiu soltar o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da SilvaMarcello Casal Jr/Agência Brasil

O ex-presidente da Eletronuclear almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, condenado na Operação Lava Jato por corrupção, preso em julho de 2015, recebeu habeas corpus do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) e deve ganhar a liberdade. A informação foi confirmada nesta quarta-feira (11) pelo seu advogado, Fernando Fernandes.

Entre os motivos alegados pela defesa para a soltura de Othon está sua frágil condição de saúde, pois ele tem câncer de pele, além de idade avançada, 78 anos.

“O habeas corpus foi proferido pela Primeira Turma do TRF, entendendo que não estão mais presentes os pressupostos da prisão preventiva. Portanto, determinou a soltura do almirante. Ele passou por uma cirurgia de câncer e o tribunal entendeu que era caso de revogar por completo a prisão”, disse Fernandes.

O advogado ressaltou que Othon dedicou sua vida ao projeto científico nuclear do país e considerou que seu cliente é perseguido. Ele cumpria pena em uma unidade da Marinha.

“O almirante é um brasileiro que dedicou a vida ao projeto científico nuclear. É o mais importante cientista que temos nesta área. Ele é acusado pelo recebimento de R$ 3 milhões, o que não tem o menor sentido, pois se tratava de um estudo científico pelo qual recebeu. Ele não é acusado de receber porcentagem de obra da Eletronuclear. É um homem inocente, está condenado à pena mais alta da Lava Jato [menor que a de Sergio Cabral, de 45 anos]. Portanto, nós acreditamos que a condenação poderá ser revertida”, sustentou o advogado.

Segundo nota do TRF2, a medida foi decidida por maioria, nos termos do voto do relator do processo, desembargador federal Ivan Athié, acompanhado pela desembargadora federal Simone Schreiber. O desembargador federal Abel Gomes, que entendia pela manutenção da prisão preventiva, ficou vencido.

*Texto alterado às 18h32 do dia 12/10 para corrigir informação incorreta que havia sido divulgada pelo TRF2.

Edição: Lidia Neves

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias