Embaixada do México foi território dividido para ver jogo com Brasil

Brasileiros e mexicanos assistiram à partida em clima de amizade

Publicado em 02/07/2018 - 15:47 Por Letycia Bond - Repórter da Agência Brasil - Brasília

Um lugar onde um homem veste uma máscara de atleta de luta livre e se acomoda com um prato de comida em meio a dois bandos rivais, hipnotizado pelo que é transmitido em uma tela. Se nem mesmo o cinema consegue convencer o público a largar o celular por duas horas, o futebol segue mostrando que ainda consegue fazê-lo, como ocorreu hoje (2), em Brasília, na Embaixada do México, país que perdeu, por 2 a 0, para o Brasil. Cerca de 60 pessoas compareceram ao local, em número bastante equilibrado entre as torcidas.

Torcedores assistem ao jogo entre Brasil e México, na Embaixada do México.
O torcedor mexicano com máscara de atleta de luta livre divide seu espaço na Embaixada do México ao lado de brasileiros (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Ainda que não seja a primeira reunião organizada no local, a sensação de fraternidade tem perdurado com a mesma intensidade vivida nas edições anteriores da Copa do Mundo. "O sentimento é de permanente amizade", declarou, sorridente, o embaixador mexicano, Salvador Arriola, vestindo uma democrática camiseta verde, tom presente nas bandeiras de ambos os países.

Revelando que irá sempre torcer pelos irmãos latino-americanos, ele pontuou que Brasil e México mantêm sua irmandade também pela similaridade de mazelas que afligem os dois governos, incluindo, em breve, o de López Obrador, candidato de esquerda que venceu as eleições presidenciais mexicanas neste domingo (1º). "Nós temos os mesmos problemas, que vêm da desigualdade", resumiu Arriola.

Galhofeiros, alguns jovens mexicanos presentes bradavam gracejos a cada vez que o camisa 10 da seleção brasileira, Neymar Jr., aparecia na TV com um semblante de dor após sofrer uma queda no gramado. Desconfiado de que se tratava apenas de uma mera performance do craque, o grupo parecia não poupar nem a si mesmo das pilhérias. Depois de o Brasil marcar seu primeiro gol, aos 19 minutos de jogo, eles ainda brincavam, fingindo atender um telefonema, dizendo, com humor cáustico: "Alô. Si, si, tenemos un problema: fui extraditado!".

Tomar partido e assumir a preferência por um dos times não foi tão fácil para a secretária da embaixada, Berla Medrano, de 45 anos. Nascida no México e trazida ao solo brasileiro por seus pais, aos três anos de idade, ela comentou que a disputa entre as duas seleções a entristece. "Eu não queria que tivesse esse confronto, não é, mas a gente tem que aguentar. Eu tenho amor pelo Brasil, minha vida é aqui. Eu estudei aqui, eu me formei aqui", afirmou.

Torcedores assistem ao jogo entre Brasil e México, na Embaixada do México.
A festa na Embaixada do México terminou ficando para os brasileiros, presenteados com a vitória por 2 a 0 (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Berla disse que seus pais vieram para o Brasil para ficar quatro anos, mas o tempo passava e eles iam ficando. "Meus irmãos foram casando, criando raízes. Éramos cinco irmãos, agora somos quatro. Todos mexicanos. Só um que nasceu no Brasil, o caçula, que tá com 27 anos. Ele nasceu aqui, mas torce mais para o México do que eu", contou

Mesmo estando diante de uma bola que custou a correr de forma mais livre pelo campo, pelo grande número de passes interrompidos, os torcedores convidados pela embaixada pouco movimentavam suas cabeças, talvez menos até que o tripé da câmera dos cinegrafistas que cobriam o evento. A ausência de tensão, porém, era apenas aparente.

Agitador dos aplausos reservados ao time mexicano e sentado na ponta da cadeira durante toda a partida, Jesús Manuel, que cursa mestrado em Agronomia na Universidade de Brasília e que compareceu com amigos à confraternização, disse que custou a conter seu entusiasmo. "Não gosto muito de sair, mas hoje saí", disse. "Meu estado é, geralmente, mais alegre", acrescentou, rindo.

Confira a tabela de classificação da Copa do Mundo

 

Edição: Davi Oliveira

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Governo de São Paulo inicia testes com vacina contra o novo coronavírus.
Saúde

Hospital das Clínicas de Campinas começa testes de vacina contra covid

O Instituto Butantan deve concluir em outubro ou novembro os testes com cerca de 9 mil voluntários em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

Agente penitenciário
Geral

Agentes prisionais tiveram saúde mental abalada na pandemia

Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas coletou informações sobre a percepção dos profissionais sobre impactos da pandemia no trabalho, no bem-estar e nas relações com os presos.

Poupança
Economia

Captação da poupança bate recorde para meses de julho

Depósitos na caderneta superaram saques em R$ 27,14 bilhões no mês passado. Nos sete primeiros meses do ano, captação acumulada chega a R$ 111,58 bilhões.

Justiça

Órgãos assinam termo de cooperação sobre acordos de leniência

O TCU passa a participar das negociações conduzidas pela CGU, AGU e MPF na celebração de acordos de leniência com empresas acusadas de desviar recursos públicos.

Governo de São Paulo inicia testes com vacina contra o novo coronavírus.
Saúde

Diretor do Instituto Butantan defende confiabilidade de vacina chinesa

O contrato com a farmacêutica chinesa permite ao Butantã começar a produzir e envasar a Coronavac a partir de outubro deste ano, disse Dimas Covas.

João Menezes ganhou o ouro pan-americano em 2019
Esportes

Tenistas brasileiros embarcam domingo para se juntar à Missão Europa

Entre os convocados está João Menezes, ouro no Pan de Lima (Peru). Thomaz Bellucci, Beatriz Haddad Maia e Carolina Meligeni também estão de malas prontas rumo a Portugal.