América Latina tem menos de 25% dos lares aptos para dupla inclusão

Condição indica acesso a serviços sociais e ao mercado de trabalho

Publicado em 15/01/2019 - 15:54 Por Jonas Valente - Repórter da Agência Brasil * - Brasília

Menos de 1/4 dos lares na América Latina têm condições básicas de acesso a serviços sociais e de inclusão no mercado de trabalho. Esta é uma das conclusões do relatório Panorama Social de América Latina 2018, elaborado pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). Divulgado nesta terça-feira (15), o levantamento analisou dados de políticas sociais e mercado de trabalho de 16 países da região.

Pobreza e desemprego na América Latina  dificultam efetivação da Agenda 2030
Dupla inclusão significa acesso a serviços como água, saneamento e energia, saúde, educação e assistência social e uma inserção no mercado de trabalho com renda que permita ficar acima da linha da pobreza - Arquivo/Agência Brasil

As condições básicas de serviços sociais e inclusão laboral configuram o que os autores do documento chamaram de “dupla inclusão”. Esta abrange o acesso a infraestruturas como água, saneamento e energia, direitos como saúde, educação e assistência social e uma inserção no mercado de trabalho com renda que permita ficar acima da linha da pobreza.

Na América Latina, somente 23,5% dos lares estavam nessa condição e cumpriam esses requisitos, em dados relativos a 2016. Já quase metade das casas (44,5%) podia ser classificada como “duplamente excluída”, uma vez que não dispunha dessas condições. Na zona rural, o índice sobe significativamente, atingindo 69,8%.

O relatório destaca, porém, que a relação entre esse tipo de inclusão e exclusão vem melhorando nos últimos 15 anos. Os lares com dupla inclusão saíram de 14,7% em 2002 para 23,5%, em 2016. Já as residêcias marcadas por dupla exclusão caíram de 57,8% para 44,5%, no mesmo período.

Pobreza e desigualdade

Um dos aspectos centrais do modelo de dupla inclusão apresentado no relatório da Cepal é o da pobreza. A taxa caiu de 44,5% em 2002 para 30,2% em 2017. Já a da extrema pobreza caiu de 11,2 em 2002 para 10,2, em 2017. A população em situação de pobreza saiu de 226 milhões de pessoas em 2002 para 184 milhões em 2017.

Já o contingente em situação de pobreza extrema aumentou no mesmo período, de 57 milhões para 62 milhões, depois de uma queda no período de 2000 a 2010. Entre 2015 e 2017, o número de pessoas em tal condição voltou a subir, indo de 46 milhões em 2014 para 62 milhões, em 2017.

A pobreza é mais presente nas áreas rurais (46,4%) do que nas urbanas (26,3%); entre crianças e adolescentes (46%) do que entre os mais velhos (15%); e entre indígenas (51%) do que entre não indígenas ou afrodecendentes (27,8%). A diferença também se manifesta mais entre desempregados (41,9%) do que entre os inseridos no mercado de trabalho (20,9%).

Já a desigualdade na região caiu nos últimos 15 anos. O índice Gini, indicador mais usado para medir essa situação, caiu de 0,53 para 0,47 entre 2002 e 2017. Segundo o estudo, de 2014 a 2017, o ritmo de redução tornou-se mais lento. No caso brasileiro, o índice saiu de 0,57 em 2002, teve um movimento de queda até 2014 e subiu um pouco, fechando o ano de 2017 em 0,54.

A velocidade de redução da desigualdade nos 18 países da América Latina e do Caribe, no entanto, caiu nesta década. De 2002 a 2008, a diminuição média do índice estava em 1,3% por ano, reduzindo-se para 0,8% ao ano de 2008 a 2014 e para 0,3% ao ano de 2014 a 2017.

A Cepal recomendou a intensificação de políticas públicas complementares de proteção social e de inclusão no mercado de trabalho, para redistribuir renda e diminuir a extrema pobreza no continente.

“Para reduzir pobreza e desigualdade, é importante a renda dos lares, este é o conceito central. Ele se relaciona com políticas públicas complementares. Em alguns países, há predomínio das receitas laborais e, em outros, os repasses de pensões e programas sociais. As duas coisas são importantes, por isso se requerem políticas nas duas áreas”, afirmou a secretária executiva da Cepal, Alicia Bárcena.

Para 2018, cujos dados só serão conhecidos em 2020, a Cepal projeta queda na taxa de pobreza para 29,6% da população na América Latina, equivalente a 182 milhões de pessoas, 2 milhões de pobres a menos que em 2017.

No entanto, a taxa de extrema pobreza para 2018 se manteria em 10,2%, com 63 milhões de latino-americanos nessa situação. Apesar de o percentual não variar, a Cepal projeta que o número absoluto de pessoas em pobreza absoluta no continente tenha aumentado em 1 milhão no ano passado.

Inclusão laboral

O estudo averiguou a situação do trabalho decente e do grau de inclusão dos mercados de trabalho nos países analisados. A participação da renda dos trabalhadores na riqueza dos países (no Produto Interno Bruto [PIB], que é a soma dos bens e serviços produzidos em um país) é um dos indicadores sobre a situação das receitas obtidas por meio do emprego. Após uma queda dos anos 1970 aos anos 1990, a proporção aumentou entre 2002 e 2016, indo de 35% para mais de 40%. Contudo, Alicia Bárcena ponderou que a distância para os países desenvolvidos ainda é grande.

A inserção no mercado esbarra em uma desigualdade grande de renda. O índice de jovens de 20 a 24 nos que concluíram o ensino médio nas parcelas mais ricas da sociedade foi de 83% em 2016, enquanto no segmento mais pobre ficou em 35,4%. Embora nos últimos a diferença tenha caído levemente, meninos e moças de famílias com menos recursos concluem a educação básica em proporção de menos da metade do que os de parcelas mais abastadas.

No caso da conclusão do ensino superior, a diferença amplia-se. A taxa entre os jovens de grupos mais ricos foi de 41,7% em 2016, contra 3,6% nas parcelas mais pobres. Nos últimos 15 anos, o aumento maior da taxa de graduados em universidades e instituições semelhantes deu-se na classe média alta, saindo de 10,6% em 2002 para 19,5% em 2016.

O documento destaca “a necessidade de responder às desigualdades que padecem nos diversos grupos quanto aos seus acessos a mecanismos de inclusão social e laboral, o que demanda a implementação de políticas que, além de garantir direitos universais em seus âmbitos, sejam também sensíveis às diferenças”.

Gasto social

Outro aspecto analisado no relatório da Cepal foi o gasto social. As despesas públicas totais desse tipo foram em 2016 de 11,2% do PIB em média. No ano 2000, esse índice era de 8,5%. Isso representa 51,4% do gasto público total. Há esforço dos países de dedicar gasto público total.

No recorte por sub-regiões, emergiram padrões distintos. Na América do Sul, a taxa de gasto social em relação ao PIB foi de 12,8%, enquanto nos países da América Central e México o índice foi menor, de 9,3%. “Os países que mais requerem do gasto social são os que menos capacidade têm para garantir despesas desse tipo”, disse a secretária executiva da Cepal.

Conforme o relatório, houve um esforço considerável para incrementar o gasto social por pessoa. No conjunto da América Latina, a média foi de US$ 475 (R$ 1,76 mil) para US$ 894 (3,32 mil). Na América do Sul, entre 2000 e 2016, este índice saiu de US$ 648 (R$ 2,410 mil) para US$ 1,17 mil (R$ 4,37 mil per capita). Na América Central, o gasto per capita foi de US$ 297 (R$1,10 mil) em 2000 para US$ 579 (R$ 2,22 mil). Ou seja, a média per capita da América do Sul é o dobro da América Central e México.

Na divisão por área registrada em 2016, as que receberam mais investimentos públicos foram proteção social (4,1% do PIB), educação (3,9%) e saúde (2,2%). Com menos repasses, estavam habitação (0,7%) e atividades recreativas e culturais (0,1%). Na avaliação no período 2000 a 2016, a distribuição manteve-se mais ou menos constante entre esses setores.

O gasto público em políticas laborais foi analisado em seis países. Em geral, predomina nos países a capacitação, à exceção de México e Uruguai. Apesar desse traço comum, foram encontrados perfis diversos. Enquanto no Uruguai há uma parcela maior de proteção na situação de desemprego, na Colômbia predomina a capacitação.

“O preocupar-se com a situação de desemprego [como nas políticas no Uruguai] tem importância porque permite não perder capacidades laborais. Quando a pessoa fica sem trabalho vai perdendo interesse, e se protege ela é mais provável que vá reingressar”, afirmou Alicia Bárcena.

Matéria atualizada às 17h57 para acréscimo de informações

* Colaborou o repórter Wellton Máximo da Agência Brasil

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
 Incêndio no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Divulgação/Parnaso)
Geral

Prossegue combate a incêndio florestal na Serra dos Órgãos

Hoje é o quarto dia consecutivo que o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro atua no combate ao incêndio florestal de grandes proporções no Parnaso.

medicina, hospital, centro cirúrgico, pacientes, tratamento, internação, equipamento hospitalar
Educação

Governo de SP autoriza retomada dos cursos na área da Saúde

Segundo o secretário de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, o objetivo da volta das atividades em cursos da área de saúde é "garantir a formação médica”.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, durante aula magna sobre o tema Educação e Democracia: Perspectiva 2018, na abertura do curso da pós-graduação Lato Sensu em Democracia, Direito Eleitoral e Poder Legislativo.
Justiça

Fux convoca audiência sobre horário de funcionamento de tribunais

A reunião está prevista para 2 de outubro e será mais uma tentativa de resolver o conflito que envolve advogados e os tribunais.

Saúde

Pesquisadores desenvolvem tecido capaz de matar o vírus da covid-19

O tecido está sendo produzido no Laboratório de Engenharia de Superfícies da Coppe/UFRJ e tem por objetivo oferecer maior proteção aos profissionais da área de saúde.

70th Anniversary Grand Prix
Esportes

Mercedes é a mais rápida em treinos para GP dos 70 anos da F1

Em Silverstone, equipe alemã faz dobradinha, com Hamilton em primeiro e Bottas em segundo. Australiano Daniel Ricciardo surpreende e fica com terceira melhor marca.

Internacional

Avião sofre acidente na Índia e ao menos 2 pessoas podem estar mortas

A fuselagem do avião se partiu quando a aeronave caiu em um barranco após ultrapassar a pista de pouso. Entre tripulantes e passageiros, o avião tinha 191 pessoas a bordo.