Vereadores do Rio adiam votação sobre transporte por aplicativos

Agressões verbais em plenário e tumulto fora do prédio marcaram sessão

Publicado em 10/10/2019 - 20:29 Por Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Terminou em violência nesta quinta-feira (10) a tentativa de votação de um projeto que visa regulamentar o transporte por aplicativos na Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Enquanto no Plenário galerias divididas entre taxistas e motoristas por aplicativos se enfrentavam verbalmente, do lado de fora, houve xingamentos, agressões e a intervenção da Polícia Militar (PM), com uso de balas de borracha e de gás lacrimogêneo, na tentativa de acabar com a briga.

Desde o início, o clima já era tenso na Cinelândia. A área foi tomada por dezenas de táxis, estacionados em frente à Câmara. Os motoristas de aplicativos se concentraram ao lado do prédio, separados a uma distância segura por poucos PMs.

 Motoristas particulares protestam no plenário da Câmara de Vereadores, durante debates do projeto de lei que estabelece regras para o transporte de passageiros por meio de aplicativos.
Motoristas particulares protestam no plenário da Câmara de Vereadores, durante debates do projeto de lei que estabelece regras para o transporte de passageiros por meio de aplicativos. - Fernando Frazão/Agência Brasil
 Taxistas protestam no plenário da Câmara de Vereadores, durante debates do projeto de lei que estabelece regras para o transporte de passageiros por meio de aplicativos.
Taxistas protestam no plenário da Câmara de Vereadores, durante debates do projeto de lei que estabelece regras para o transporte de passageiros por meio de aplicativos. - Fernando Frazão/Agência Brasil

Quando a sessão na qual seria votado o Projeto de Lei Complementar 78 de 2018 (PLC 78/2018) chegou ao final, sem o quórum mínimo para a votação, os representantes de aplicativos, como Uber e 99, comemoraram do lado de fora, atraindo a ira dos taxistas, que em número bem superior queriam a aprovação do projeto, que limita, na prática, o número de carros de aplicativos autorizados a trabalharem na cidade do Rio.

Pedras e garrafas foram arremessadas, forçando a PM a intervir para dispersar os dois grupos, evitando um confronto de maiores proporções. Quem resistiu a deixar o local, foi empurrado aos gritos pelos policiais, que também lançaram spray de pimenta diretamente no rosto de alguns.

Projeto

O projeto, que tem entre seus autores o próprio presidente da Câmara, vereador Jorge Felippe (PMDB), voltará a discussão na próxima terça-feira (15). Porém, como se viu na sessão, o assunto está longe de encontrar consenso entre os vereadores. Os que defendem o projeto, dizem que é preciso limitar o número de motoristas de aplicativos, estimados por eles hoje em 105 mil no estado, a fim de se evitar uma concorrência predatória com taxistas e entre eles próprios.

Já os que se manifestaram contra a matéria, disseram que limitar o número de motoristas de aplicativo irá prejudicar o cidadão carioca, que ficará com menos disponibilidade de carros. Embora o Supremo Tribunal Federal (STF) tenha julgado que os municípios não podem reduzir o número de motoristas de aplicativos, o PLC 78 torna mais rigorosa a concessão de licenças para motoristas de aplicativos, exigindo, por exemplo, que usem placas vermelhas e os proibindo de fazer pontos em aeroportos e na estação rodoviária.

Os motoristas de aplicativos alegam que precisam trabalhar, pois a maioria perdeu o emprego e não consegue recolocação no mercado. Mas os taxistas dizem que seus ganhos caíram em 50% com o surgimento e crescimento da frota de carros por aplicativo.

Edição: Aline Leal

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
O Dia do Índio, celebrado no Brasil em 19 de abril
Direitos Humanos

Violência contra povo indígenas aumentou de 2018 para 2019, diz Cimi

Segundo relatório do Conselho Indigenista Missionário, houve aumento de ocorrências em 16 das 19 categorias de agressões, que incluem racismo, expropriação de terras e omissão do poder público.