Covid-19: prevenção, fronteiras, comércios dominam buscas no Google

Levantamento também mostra muitas buscas sobre o que fazer em casa

Publicado em 22/03/2020 - 19:10 Por Jonas Valente Repórter da Agência Brasil - Brasília

Com a pandemia do novo coronavírus se desenvolvendo com rapidez, ganha velocidade também o interesse dos cidadãos por entender melhor esse fenômeno e acompanhar as respostas a ele. De acordo com dados repassados à Agência Brasil, os assuntos mais pesquisados no mecanismo Google nos últimos dias são informações sobre o novo coronavírus e formas de prevenção, as mudanças nos estabelecimentos comerciais e as alterações nas fronteiras do país e de divisas das unidades da federação.

As principais perguntas envolvendo o tema nesta sexta-feira (20), de acordo com levantamento interno do Google, foram: O que é coronavírus? De onde surgiu o coronavírus? Quando surgiu o coronavírus? O que é coriza? O que é pandemia?.

A Agência Brasil produziu uma matéria onde explica o que é o vírus, quando surgiu, quais são os sintomas, de que maneira ele é transmitido, quais as melhores formas de prevenção e tirando dúvidas comuns.

Outra matéria explicativa trouxe informações sobre o que é pandemia, após a Organização Mundial de Saúde decretar essa situação global com a disseminação do vírus por mais de uma centena de países. A Agência também discutiu as diferenças entre isolamento e quarentena, duas providências comuns em casos de infecção com o vírus.

Fronteiras

A busca por fronteiras atingiu seu maior ápice nos últimos cinco anos. Nesta semana o governo federal anunciou que fecharia as fronteiras terrestres em relação a todos os países da América do Sul, à exceção do Uruguai. Em relação a este último, os Executivos dos dois países ainda discutem uma solução comum.

Também foi anunciada a restrição da entrada de pessoas de países afetados pelo coronavírus por via aérea. Fica impedida a chegada de passageiros estrangeiros vindos da China, de países-membros da União Europeia, da Islândia, da Noruega, da Suíça, do Reino Unido e da Irlanda do Norte, da Austrália, do Japão, da Malásia e da Coreia do Sul. A decisão não incluiu os Estados Unidos, país com maior número de casos na América do Norte.

Governos estaduais anunciaram o fechamento de divisas e de aeroportos. Foi o caso do Rio de Janeiro, que suspendeu a entrada de passageiros de voos internacionais e vindos de estados com situação de emergência decretada.

Na sexta-feira (20) o Ministério da Infraestrutura divulgou nota afirmando que não há orientação para fechar portos e aeroportos, o que foi seguido por agências regulatórias, como a de aviação civil (ANAC) e a de transportes aquaviários (Antaq).  

Estabelecimentos abertos e fechados

Outro tema de bastante interesse entre os internautas é quais estabelecimentos foram obrigados a fechar e quais ficam abertos. Em parte das unidades da federação, governadores decidiram restringir lojas, centros de compra (como shoppings e feiras) e espaços de entretenimento, mantendo abertos supermercados, farmácias e restaurantes.

No Distrito Federal, por exemplo, o governo local determinou o fechamento do comércio, academias, bares e casas noturnas até o dia 5 de abril.  O governo do Rio de Janeiro determinou o fechamento de teatros e cinemas.

Outros governos estaduais também adotaram essa providência, como Paraná e Goiás. No primeiro caso, o decreto do governador Ratinho Júnior focou em shoppings, galerias, academias e congêneres. O governador goiano Ronaldo Caiado decretou limitação semelhante, abarcando comércios e espaços de lazer, como bares, boates, teatros e cinemas.

O governador de São Paulo, João Dória, anunciou o fechamento do que chamou de serviços públicos não essenciais do estado, como zoológico, unidades de conservação e parques. Diversas repartições funcionarão com atendimento virtual.

Dória recomendou a suspensão das atividades de shoppings e academias na região central do estado. O prefeito da capital paulista, Bruno Covas, também decidiu pelo fechamento de comércios. O governador do Ceará, Camilo Santana, determinou a suspensão de indústrias, comércios, bares, restaurantes e do transporte intermunicipal, além de colocar barreiras nas divisas do estado.

O que fazer em casa

O levantamento do Google também verificou uma grande procura por formas de passar o tempo em casa. Em cada cidade ou estado, atividades vêm sendo oferecidas, inclusive de graça. Instituições de ensino ofertaram cursos à distância, como a Fundação Getúlio Vargas ou a Universidade de São Paulo.

Profissionais liberais utilizam seus perfis nas redes sociais para disponibilizar cursos, orientações acerca de atividades, como exercícios ou brincadeiras para crianças. Artistas vêm promovendo shows a distância, como a cantora carioca Tereza Cristina e ou o cantor Leoni. Até mesmo um festival foi transmitido pela Internet,  o #tamojunto, organizado pelo jornal O Globo. O selo Biscoito Fino vai veicular shows diversos gravados em DVD.  

Serviços de audiovisuais também disponibilizaram acesso a conteúdos. Operadoras de TV paga abriram o sinal de diversos canais. O festival É tudo Verdade, cancelado em função da pandemia, vai veicular na web parte dos filmes.

Além disso, a Agência Brasil entrevistou especialistas que disseram que o isolamento pode ser uma forma de reforçar laços familiares.

Edição: Aline Leal

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
sala de aula
Educação

UFRJ transfere para o dia 24 o início do período letivo remoto

Período letivo da UFRJ está suspenso desde 16 de março por causa da pandemia. Com o adiamento do início do período letivo, o término passou de 31 de outubro para 14 de novembro.

Cúpula da bomba atômica durante cerimônia para marcar o 75º aniversário do bombardeio atômico em Hiroshima.
Geral

Hiroshima: primeiro ataque com bomba atômica completa 75 anos

Hiroshima foi destruída após o primeiro ataque nuclear da história durante a Segunda Guerra Mundial. Três dias depois os Estados Unidos bombardearam Nagazaki.

.facebook
Internacional

Facebook remove postagem de Trump por desinformação sobre covid-19

Porta-voz do Facebook diz que vídeo postado inclui afirmações falsas, o que é uma violação de sua política sobre desinformações prejudiciais.

Polícia Federal genérica
Geral

PF cumpre 6 mandados de prisão contra fraudes em contratações na saúde

Alvos são empresários e agentes públicos suspeitos de fazer contratações irregulares para serviços na área da saúde. Três pessoas já foram presas, segundo a Polícia Federal.

Teste rápido de COVID-19
Internacional

Coreia do Norte: 1º caso suspeito de covid-19 teve teste inconclusivo

Se confirmado, o caso seria o primeiro oficialmente reconhecido por autoridades norte-coreanas, embora a mídia reafirme que nenhuma infecção foi relatada no país até agora.

Incêndios florestais no DF
Geral

Defesa Civil reconhece situação de emergência em municípios de MS

Medida publicada hoje em portaria no Diário Oficial da União inclui os municípios de Corumbá e Ladário. Incêndios florestais atingem algumas regiões de Mato Grosso do Sul.