Ministro defende modernização de equipamentos das Forças Armadas

A declaração foi feita durante seminário na Escola Superior de Guerra

Publicado em 13/11/2020 - 12:04 Por Alex Rodrigues - Repórter da Agência Brasil - Brasília

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, falou hoje (13) sobre a necessidade de modernização dos equipamentos usados pela Aeronáutica, Exército e Marinha. “Estamos buscando a recuperação da capacidade operacional das Forças”, disse o ministro ao participar de um seminário realizado pela Escola Superior de Guerra, sobre a política e as estratégias nacionais de defesa.

“Nossos aparelhos, nossas principais máquinas e equipamentos, são de 50 anos de duração. Então, eles necessitam de uma modernização, uma atualização, de novos equipamentos. A capacidade operacional das Forças têm que ser revistas”, acrescentou Silva, lamentando que, por questões orçamentárias, alguns projetos considerados prioritários precisam ser repensados ao longo de sua execução.

“Não tem mágica. Ou a gente muda o escopo do projeto, muda a quantidade, ou o estica na linha do tempo. O projeto Guarani, por exemplo, as últimas unidades só serão entregues em 2041”, disse Silva, se referindo ao projeto iniciado em 2007, e que, entre outras coisas, visa a reequipar o Exército com novas viaturas blindadas.

Afirmando que o atual cenário mundial “apresenta novas apreensões”, o ministro citou, como exemplos, a existência de ameaças cibernéticas, tráfico de drogas e crises humanitárias. Além disso, mencionou o risco de crimes ambientais, citando o misterioso surgimento de óleo no litoral brasileiro, em 2019, e ainda não esclarecido. “Há ameaças ambientais. Que tivemos. O derramamento de óleo pegou o [litoral do] Nordeste todo e chegou até o Sudeste.”

Lembrando que, em julho, o Ministério encaminhou ao Congresso Nacional sua proposta de revisão da Política e da Estratégia Nacional de Defesa, além do chamado Livro Branco de Defesa Nacional (documento que torna público algumas das principais atividades e estrutura das Forças Armadas), Silva afirmou que, ao longo dos últimos dois anos, cumpriu dois de seus principais objetivos à frente da pasta. Um deles, a reestruturação da carreira militar.

“Muitos confundem com aumento [salarial]. Não é nada disso. Isto visa exatamente dar um incentivo à carreira militar, seja para os praças, seja para os oficiais”, comentou o ministro, citando também a proposta de atualização dos documentos que norteiam as atividades de defesa nacional. “São documentos ostensivos que mostram a transparência em relação aos assuntos de Defesa”, explicou Silva, referindo-se à Política Nacional; à Estratégia Nacional e ao Livro Branco de Defesa. Assuntos que, para o ministro, precisam ser discutidos com o conhecimento de toda a sociedade.

“A política de Defesa é revista a cada quatro anos. Por força de lei, [as propostas têm que ser] remetidas para apreciação do Congresso Nacional, para fomentar o debate com os representantes do povo. Tentamos envolver a sociedade civil, os mandatários do poder, os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário”, comentou Silva, garantindo que, na atual proposta, “pouca coisa mudou, pois os objetivos e as ações continuam as mesmas”.

Durante sua apresentação, Silva ainda enfatizou sua importância da sociedade tratar do tema em tempos de paz. “Somos um país pacífico, em busca da paz sempre, mas não existe país pacífico que não seja forte. Esta é uma condição que a História nos ensinou”, disse o ministro pouco antes de detalhar as ações sociais que as Forças Armadas realizam ou apoiam, incluindo a participação nas ações de combate ao novo coronavírus e para remediar os efeitos do apagão energético no Amapá, que, hoje, completa 11 dias. Só a Força Aérea Brasileira (FAB) já transportou 67 toneladas de equipamentos e suprimentos para o estado.

Comando do Exército

Ontem (12), ao participar de um evento digital realizado pelo Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa, o comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, também comentou a necessidade de reaparelhamento das Forças Armadas. “Estamos muito aquém do que o Brasil precisa para que suas Forças Armadas cumpram suas missões constitucionais”, disse Pujol.

“A quantidade de embarcações da nossa Marinha para patrulhar, preservar e defender todo o nosso litoral e nosso extenso mar territorial. A nossa Força Aérea? Pequenos países europeus têm um número de aeronaves maior que todo o Brasil”, comentou o comandante. 

No evento, Pujol comentou sobre a relação sobre militares e política. “Não queremos fazer parte da política governamental ou do Congresso Nacional. Muito menos queremos que a política entre em nossos quartéis”, afirmou o comandante do Exército. “A respeito da política e dos militares, o que tenho a dizer é que, nestes dois anos, o Ministério da Defesa e as três Forças se preocuparam, exclusivamente e exaustivamente, com assuntos militares.”

Defesa do país

O Ministro da Defesa, Fernando Azevedo, ressaltou, hoje (13), a importância do debate da Defesa no país. “Precisamos debater o assunto Defesa, por isso que as políticas e estratégias são revistas a cada quatro anos e são remetidas por força de lei ao Congresso Nacional para apreciação. Isso é para fomentar o debate entre os representantes do povo em relação aos assuntos de Defesa”.

O ministro falou no Seminário de Defesa Nacional ao lado dos Comandantes da Marinha, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior; do Exército, General Edson Leal Pujol; e da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez.

Ele ressaltou ainda que as Forças, além de garantirem a soberania do país, auxiliam no desenvolvimento de infraestruturas, de ações sociais e humanitárias e de projetos de ciência e tecnologia.

A realização do seminário teve a finalidade de ampliar o conhecimento e a participação da sociedade brasileira em assuntos relacionados as atividades da Pasta e das Forças Singulares. Além de destacar a importância do setor para o desenvolvimento social e econômico país. A Base Industrial de Defesa no Brasil representa 4 % do PIB nacional e gera cerca de 1,3 milhão de empregos diretos e indiretos.

Edição: Valéria Aguiar e Liliane Farias

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Fachada do TSE
Política

Candidaturas de nove prefeitos eleitos no Rio estão sub judice

Um deles é Wladimir Garotinho (PSD), o mais votado no segundo turno das eleições em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense. Ele teve 52,4% dos votos válidos.