Inmetro alerta sobre economia de energia elétrica no verão

No verão, conta de luz chega a ficar até 8,6% mais cara, segundo Aneel

Publicado em 31/01/2021 - 15:44 Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

As temperaturas altas, comuns do verão, levam consumidores a adquirir aparelhos de ar condicionado, ventiladores e geladeiras que possam refrescar um pouco o calor. Mas o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), vinculado ao Ministério da Economia, alerta para os cuidados que se deve ter para economizar energia elétrica nesta estação do ano.

Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que, no verão, a conta de luz chega a ficar até 8,6% mais cara. O fato de que mais pessoas estão trabalhando em home office (em casa) pode significar também uma maior utilização de eletrodomésticos e o consequente aumento dos gastos na conta de luz.

Para ajudar as famílias a terem um consumo racional de energia, o Inmetro criou o Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), que classifica os aparelhos de acordo com sua eficiência energética, auxiliando o consumidor a fazer uma compra mais consciente.

Os produtos classificados com a letra A são os mais eficientes. Dependendo do eletrodoméstico, essa classificação pode chegar a G para os menos eficientes, caso de refrigeradores.

A coordenadora dos PBE de ar-condicionado e de refrigeradores do Inmetro, Danielle Assafin, disse à Agência Brasil que a primeira dica aos consumidores é sempre comprar produtos que consomem menos energia. “Se houver dúvida entre dois modelos similares, orientamos que o consumidor opte pela compra do produto que consome menos energia, ainda que haja uma eventual diferença de preço entre os modelos”. Danielle explicou que, muitas vezes, um sobrepreço se paga em poucos meses e justifica a aquisição em relação a outro modelo de menor valor, mas que consome mais energia.

Geladeiras

Segundo a coordenadora, a informação sobre o consumo de energia em quilowatts hora (kWh) na etiqueta do Inmetro é relevante. “É justamente o consumo de energia que determina o quanto você vai gastar por mês com aquele produto”.

Danielle observou, entretanto, que não adianta optar por produtos mais eficientes se o consumidor não possui bons hábitos de uso do produto. No caso de geladeiras, Danielle recomendou que o consumidor deve preservar a distância entre as laterais do produto e a parede, porque “só com esse distanciamento correto é que a geladeira vai realizar adequadamente as trocas de calor com o ambiente. Essa é uma primeira orientação que a gente dá”.

O consumidor deve evitar também que o ar quente de fora entre na geladeira. Isso pode ser feito abrindo a porta pelo menor tempo possível, para evitar o desperdício de energia. Não se deve “jamais” colocar alimentos quentes na geladeira, só depois que eles cheguem à temperatura ambiente. É preciso também avaliar constantemente as borrachas de vedação.

Se estiverem sujas, é importante limpá-las; se estiverem ressecadas, pode-se pensar em uma troca, para garantir o isolamento do aparelho. “Essas coisas são bons hábitos que ajudam não só a diminuir o consumo, mas também o bom funcionamento do produto”, sugeriu Danielle Assafin.

Ainda no caso de geladeiras, a coordenadora do programa destacou que alguns modelos vêm com condensador ou serpentina preta, na parte de trás. Sob hipótese alguma se deve colocar roupas para secar ali porque isso impacta em maior consumo de energia e afeta o bom funcionamento do sistema de refrigeração. Se essa serpentina estiver com sujeiras ou gordura, o consumidor deve limpá-la.

Ventiladores

Danielle lembrou que, no caso de ventiladores, a etiqueta do Inmetro traz informação também sobre a vazão, ou seja, a quantidade de vento que o aparelho consegue produzir. O consumidor deve optar pelo aparelho que produza mais vento.

Da mesma forma que para as geladeiras, a limpeza e a manutenção são importantes para a conservação dos ventiladores. “Verificar se os parafusos estão sempre firmes. No caso de ventiladores de teto, é importante que as hélices fiquem balanceadas para garantir a eficiência desejada”.

Outra recomendação é não esquecer o ventilador ligado quando não se estiver por perto. “Tem que se policiar para sempre desligar o aparelho. A gente acaba por não desperdiçar energia”, destacou.

Ar condicionado

Danielle Assafin esclareceu que no caso de aparelhos de ar-condicionado, a recomendação é similar à das geladeiras, porque são dois sistemas de refrigeração. Em ambientes mais amplos, em que a temperatura chega no máximo a 17º, conforme a configuração do usuário não se deve deixar a porta aberta, mas fechá-la imediatamente, para evitar que o ar quente entre no ambiente que estiver sendo refrigerado.

Do mesmo modo, deve-se evitar frestas e janelas semi abertas. “Se elas forem isoladas, melhor ainda”. Evitar, eventualmente, que a luz do sol aumente a temperatura do ambiente que está sendo refrigerado é outra dica. Para isso pode-se usar cortinas ou colocar toldos nas janelas. “Isso ajuda o conforto térmico e acaba por exigir menos do ar-condicionado, que gasta menos energia também”.

Ao chegar em casa, o consumidor não deve configurar o aparelho em uma temperatura muito fria, pensando que assim o ambiente vai refrigerar mais rápido. Danielle explicou que o aparelho vai seguir trabalhando até atingir a temperatura marcada.

“A gente sugere que o usuário sete o aparelho para funcionar em torno de 23º porque, mais do que isso, o ar condicionado imprime uma velocidade de funcionamento que acaba por consumir mais energia. Essa situação é um desperdício”, apontou.

O consumidor deve se preocupar em comprar produtos mais eficientes e que consomem menos. Apesar de ainda estar em processo de transição na etiquetagem de aparelhos de ar-condicionado, o Inmetro informou que já existem no mercado produtos demonstrando que possuem tecnologia 'inverter', que consome menos energia.

A orientação geral do órgão é que esse tipo de aparelho 'inverter' é que tende a ter uma redução do consumo de energia muito grande. “Eles têm uma eficiência maior do que os demais”. No site do Inmetro é disponibilizada uma tabela com os produtos que já aderiram à nova etiqueta do órgão. Com isso, o consumidor consegue comparar os consumos entre os produtos que têm essa tecnologia.

Outra dica é que, antes de comprar, o consumidor calcule o efeito na economia de luz. Com esse objetivo, deve multiplicar a energia consumida pelo aparelho em kWh (quilowatts hora) pela tarifa de energia praticada em cada região do país. A média nacional da tarifa residencial atual está em R$ 0,57. Assim, se o ar-condicionado consome, por exemplo, 600 kWh por ano, o gasto anual será 600xR$ 0,57, o que dá R$ 342 por ano. Danielle Assafin lembrou que cada região tem uma tarifa diferenciada, de acordo com a operadora de energia.

Idec

Com base nas informações de eficiência energética do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) do Inmetro, o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) desenvolveu uma ferramenta que ajuda a escolher o eletrodoméstico considerando o consumo de energia.

Trata-se de uma calculadora que converte o consumo de energia dos modelos de refrigeradores, ventiladores, ar-condicionado, aparelhos de televisão e máquina de lavar em dinheiro. “Essa calculadora ajuda o consumidor a realizar essa conta. Ele vai dizer por qual produto tem interesse, quanto tempo usa por dia, qual é a capacidade desejada. A calculadora pergunta também qual é a região onde a pessoa mora porque cada concessionária de energia pratica uma tarifa.

Com base nesses dados, a calculadora do Idec faz as contas para os diferentes modelos. “Aí, você consegue perceber, em reais, quanto economiza com um produto mais eficiente”. Danielle completou que, muitas vezes a diferença do preço de compra é compensada pela economia de energia ao longo dos meses. “É muito relevante fazer a escolha certa”.

A calculadora pode ser acessada no seguinte endereço.

A coordenadora do PBE disse ainda que usar a energia elétrica de forma consciente significa também cuidar do meio ambiente. “Economizar para as nossas residências causa um somatório positivo para o nosso país enquanto nação, seja em termos econômicos, sociais e ambientais”, disse Danielle. Para ela, consumir menos energia é também uma questão de responsabilidade social e ambiental. 

Edição: Maria Claudia

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias