Ação judicial busca preservação de sítio arqueológico quilombola em SP

Obras do metrô colocam em risco vestígios do Quilombo Saracura

Publicado em 09/02/2023 - 11:30 Por Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil - São Paulo
Atualizado em 09/02/2023 - 16:33

O movimento Mobiliza Saracura Vai-Vai entrou, nesta semana, com uma ação judicial pedindo a garantia de preservação do sítio arqueológico encontrado nas obras da Estação 14 Bis, na região central paulistana, que vai integrar a futura Linha 6 Laranja do Metrô. Segundo a articulação, que reúne cerca de 150 coletivos e organizações da sociedade civil, as obras colocam em risco possíveis vestígios do Quilombo Saracura, uma comunidade formada por pessoas que foram escravizadas onde está atualmente o bairro do Bixiga. 

Os riscos ficaram ainda mais evidentes, segundo o movimento, depois das chuvas da última terça-feira (7), quando uma enxurrada rompeu as barreiras de contenção e invadiu o canteiro de obras. “O temor é que as águas do rio Saracura, tamponado sob a Avenida 9 de Julho e o canteiro de obras, leve peças de interesse arqueológico”, enfatiza a nota do movimento.

O relatório da Lasca Arqueologia, empresa contratada pela concessionária Linha Uni para fazer avaliação do local, diz que foram encontrados vestígios de ocupação da primeira metade do século 20. No início do século passado, a região era conhecida por nomes como “Pequena África” ou “Quadrilátero Negro”, devido a ocupação de pessoas descendentes do antigo quilombo. Os registros em jornais da época relatam que as casas acompanhavam o trajeto do riacho, que posteriormente foi canalizado, e que animais eram criados soltos.

Foi essa comunidade que fundou, em 1930, uma das mais importantes e tradicionais escolas de samba da cidade de São Paulo, a Vai-Vai, com origem em um cordão carnavalesco que saía pelas ruas do bairro. Em 2021, a escola de samba deixou a sede na região, que foi demolida para dar lugar às obras da futura estação de metrô.

De acordo com o relatório arqueológico, apesar de ainda não terem sido localizadas peças da época do quilombo, os trabalhos de resgate continuam em paralelo com as escavações e obras para construção da estação. “Foi delimitado um polígono dentro da área do sítio Saracura, onde se concentrarão as atividades de resgate arqueológico, seguindo os protocolos de segurança da construtora e de forma alinhada ao cronograma da obra, garantindo assim a salvaguarda do contexto arqueológico sem prejudicar a instalação da estação”, ressalta o documento.

Resistência negra

A coordenadora de Direito a Cidades Antirracistas do Instituto de Referência Negra Peregum, Gisele Brito, aponta, no entanto, que o local tem um importante valor histórico por ser um ponto de resistência negra na capital paulista e que parte disso está sendo apagado. “Esses vestígios vão falar mais sobre essa história negra no Bixiga e na cidade. A gente não tem dúvidas de que o que for encontrado ali são vestígios dessa permanência negra, dessa resistência, mesmo que não sejam artefatos quilombolas”, enfatiza.

Falta ainda, na avaliação dela, que os trabalhos sejam conduzidos levando em consideração as especificidades da cultura afrobrasileira. Como exemplo, Brito menciona algumas conchas que foram encontradas nas escavações arqueológicas. “Essas conchas em um primeiro momento foram pensadas só como um material descarte do aterro. Só vai pensar assim uma pessoa que não pensar no papel de um búzio nos rituais de matriz africana. A Vai-Vai estava assentada em um tridente, não estava ali por acaso”, acrescenta.

A especialista pondera que o movimento em defesa do sítio arqueológico não é contra a ampliação do transporte público na região. “A gente não é contra o metrô, apesar que ele não precisava ter removido a Vai-Vai. Isso é uma estratégia de embranquecimento do território”, diz sobre o fato da obra ter sobreposto a sede que era ocupada há décadas pela agremiação. “A gente quer que seja feito dentro da lei e dentro de metodologias e pensamentos que levem em consideração a presença negra ali”, acrescenta.

Outro lado

Em nota, a concessionária Linha Uni afirma que as chuvas desta semana não causaram danos às obras da estação ou às escavações no local e os trabalhos já foram retomados.

A concessionária diz ainda que “tem dialogado com as partes interessadas para, após a identificação da origem dos achados, apoiar a comunidade em futuros projetos educativos e de preservação do patrimônio”. Segundo a empresa, o Movimento Saracura Vai-Vai tem acompanhado os trabalhos com reuniões e visitas ao canteiro.

 

Matéria atualizada às 16h33 para incluir posicionamento da concessionária Linha Uni.

Edição: Maria Claudia

Últimas notícias