Corpo de João Donato será velado no Theatro Municipal do Rio

Cerimônia está marcada para esta terça-feira (18), das 11h às 15h

Publicado em 17/07/2023 - 19:27 Por Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O corpo do multi-instrumentista, cantor e compositor João Donato, que morreu na madrugada desta segunda-feira (17), no Rio de Janeiro, será velado nesta terça-feira (18), das 11h às 15h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A cerimônia será aberta ao público. O artista será cremado no Memorial do Carmo, na zona portuária do Rio, em cerimônia restrita aos familiares e amigos.

O músico morreu aos 88 anos, vítima de complicações pulmonares. Muitos artistas e políticos enalteceram a trajetória de João Donato, um dos grandes músicos brasileiros, que passou pela bossa-nova, conviveu com artistas do jazz norte-americano e deixa um verdadeiro legado para a música brasileira.

O crítico de música brasileira Rubem Confete, comentarista da Rádio Nacional, lembrou que João Donato nasceu no Acre e chegou ao Rio de Janeiro aos 11 anos de idade junto com a família. O pai era piloto da Força Aérea Brasileira (FAB) e foi transferido para o Rio no final dos anos 1940. Começou tocando acordeon dado pelo pai ainda no Norte do país. Passou pelo piano e muito cedo se notabilizou. A maneira de ele compor antes da bossa-nova foi notada por cantores e compositores da MPB.

De acordo com Confete, Donato ouvia as harmonias de Johnny Alf e passava para João Gilberto. Ele formavam “um trio incrível”. Ele teve encontros com músicos do Caribe, principalmente da Jamaica e de Cuba, e se notabilizou com seus acordes ao piano em jazz, chegando a participar de muitas apresentações de jazz nos Estados Unidos.

Confete contou ainda que, ao voltar para o Rio de Janeiro, João Donato foi redescoberto por Caetano Veloso e Gilberto Gil.

"Em 1977, nós participamos de um trabalho com o João Donato. Letras minhas e músicas do João, mas o nosso produtor, por motivos particulares, abandonou o long-play, mas nós marcamos presença com uma música Xangô é D’bá", disse. “Com ele, não tinha tristeza. Para Donato, a vida era sempre uma festa”, enalteceu Confete.

O cantor, compositor e instrumentista Carlinhos Brown também destacou as habilidades do amigo. “João Donato é um gênio e fez com Gil uma paz invasora que inspira vários corações. Fez o não saber das bananeiras e com esse ritmo e melodia plantou nos pensamentos do Brasil um respeito maior ainda, as rítmicas que as canções promovem. Além de ser um dos maiores de todos os tempos, sempre oportunizou os novos e buscou uma forma de estar caminhando e dando rumo a tudo que o Brasil produz em música. Ele é meu parceiro e tivemos oportunidades de termos músicas nossas interpretadas por Emílio Santiago, Carlos Santana, Bebel Gilberto, Timbalada, entre outros", destacou Carlinhos Brown.

"Fica a falta e a saudade de um grande companheiro, mas fica principalmente um legado responsável que nos acordes do piano brasileiro ganhou mudanças com Johnny Alf, com Tom Jobim e com o imortal João Donato. Que seu espírito seja celebrado pelos céus, assim como é a sua música na Terra. João, um grande homem. Um pequeno adendo, sinto ele não ter escutado a música que fiz para ele e Tom em vida, mas vou fazer ecoar no universo, onde os espíritos escutam as verdades com mais clareza”, completou.

Já a cantora e compositora Marisa Monte escreveu em sua rede social: “Muito triste com a partida do meu amigo e parceiro João Donato. Um homem sensível e único, criador de um estilo próprio com um piano diferente de tudo que já vi. Doce, preciso e profundo. Fica o silêncio e a saudade”.

O jornalista, historiador, crítico, radialista e musicólogo brasileiro Ricardo Cravo Albin é considerado um dos maiores pesquisadores da música popular brasileira. Sua maior obra é o Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira, com cerca de 7 mil verbetes e referência na área musical. De acordo com Albin, João Donato deixa a MPB desolada e órfã, na medida em que foi um grande pioneiro da bossa-nova. “A bossa-nova internacionalizou a música popular do Brasil no mundo inteiro e fez com que o nosso ritmo pudesse ser muito aceito e reverenciado no mundo inteiro.”

João Donato é um dos pilares desse movimento. “Ele era um pianista muito sofisticado e um compositor igualmente na mesma linha. O Donato quando se exibia tinha muito sucesso”, ressaltou.

Albin disse que João Donato, quando tocava, fazia isso com prazer. "Um prazer que se realçava na sua face radiosa de acreano. Ele, do Norte do Brasil, tinha toda essa alegria carioca, que é muito típica aqui do povo do Rio de Janeiro. Então ele era uma acreano carioca. Ele sempre tinha muito apreço pelas suas raízes do Acre. Portanto, é uma grande falta a morte de João Donato."

Segundo o historiador, Donato deixa, sobretudo, uma mensagem de originalidade e de sofisticação. "Ele era contido, minimalista, era perfeccionista, isso tudo é uma grande originalidade”, descreveu.

O prefeito Eduardo Paes disse, pelas redes sociais, que Donato deixará saudades. Partiu João Donato, gigante da música brasileira. Nasceu em Rio Branco e veio ainda criança pro Rio de Janeiro, onde passou a vida. Eu sou de todos os rios, eu sou de igarapés, disse numa entrevista. Esse Rio vai sentir sua falta.”

Atrações especiais

Em homenagem ao multi-instrumentista João Donato, a Rádio Nacional e a Rádio MEC prepararam uma série de atrações especiais para reverenciar a obra do artista e celebrar o legado deste ícone da MPB.

 A Rádio Nacional resgata às 22h, no programa Roda de Samba, um papo de João Donato com o apresentador Gilberto Costa. Na conversa, o astro repassa com seu humor característico os 70 anos de carreira em que percorreu vários gêneros da música brasileira, do carimbó à bossa-nova e, em especial, o samba.

Na sequência, às 23h, o programa Memória Musical traz a participação de João Donato em uma edição especial em que o convidado seleciona dez obras marcantes que influenciaram sua produção musical. O consagrado pianista ainda conta divertidas histórias de sua trajetória para o apresentador Mario Sartorello.

Já a Rádio MEC apresenta, a partir das 21h, a edição inédita e ao vivo do programa Jazz Livre!, que leva ao ar as principais composições de João Donato. Além de tocar clássicos do repertório, o programa liderado por Sidney Ferreira ainda abre espaço para a interação dos ouvintes pelo WhatsApp para enviar mensagens sobre o saudoso músico. Já às 22h, a reapresentação do Cena Instrumental conta com uma performance exclusiva do veterano.

Serviço

Rádio Nacional na internet e nas redes sociais
Site: https://radios.ebc.com.br
Instagram: https://www.instagram.com/radionacionalbr
Spotify: https://open.spotify.com/user/vpj3k8ogjwf1nkv4nap3tlruv
YouTube: http://youtube.com/radionacionalbr
Facebook: https://www.facebook.com/radionacionalbr
Twitter: https://twitter.com/radionacionalbr

WhatsApp Nacional
- Rádio Nacional FM: (61) 99989-1201
- Rádio Nacional AM: (61) 99674-1536
- Rádio Nacional da Amazônia: (61) 99674-1568
- Rádio Nacional do Rio de Janeiro: (21) 97119-9966

Saiba como sintonizar a Rádio Nacional
Brasília: FM 96,1 MHz e AM 980 Khz
Rio de Janeiro: FM 87,1 MHz e AM 1130 kHz
São Paulo: FM 87,1 MHz
Recife: FM 87,1 MHz
São Luís: FM 93,7 MHz
Amazônia: 11.780KHz e 6.180KHz OC
Alto Solimões: FM 96,1 MHz
Celular - App Rádios EBC para Android e iOS

Rádio MEC na internet e nas redes sociais
Site: https://radios.ebc.com.br
Instagram: https://www.instagram.com/radiomec
Spotify: https://open.spotify.com/user/radiomec
YouTube: https://www.youtube.com/radiomec
Facebook: https://www.facebook.com/radiomec
Twitter: https://twitter.com/radiomec
WhatsApp: (21) 99710-0537 

Como sintonizar a Rádio MEC
Rio de Janeiro: FM 99,3 MHz e AM 800 kHz
Belo Horizonte: FM 87,1 MHz
Brasília: FM 87,1 MHz e AM 800 kHz
Parabólica - Star One C2 - 3748,00 MHz - Serviço 3
Celular - App Rádios EBC para Android e iOS

   

Edição: Juliana Andrade

Últimas notícias