FAO: mudanças climáticas desafiam políticas de combate à fome

Publicado em 08/05/2014 - 08:05 Por Leandra Felipe - Correspondente da Agência Brasil/EBC - Bogotá

A partir de agora, as políticas de segurança alimentar na América do Sul e no Caribe terão de considerar os efeitos na agricultura de prolongados períodos de escassez de chuvas e do aumento da temperatura. Nesse cenário de mudanças climáticas e de revisão das ações para a erradicação da fome na região até 2025, representantes de 33 países estão reunidos, até sexta-feira (9), em Santiago (Chile), para a 33ª Conferência Regional das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, a sigla em inglês).

Antes da abertura, nessa terça-feira (7), o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, conversou com jornalistas e disse que as alterações climáticas já causam impacto na agricultura e que a revisão das metas para 2025 deverá considerar tais mudanças.

“Não é um tema de futuro, senão do presente, e os impactos são muito maiores do que pensávamos”, acrescentou. Para ele, as mudanças climáticas afetarão a agricultura econômicamente e isso trará incertezas.

“Por um tempo, tivemos a ideia de que o mundo havia se transformado em um supermercado e que podíamos comprar tudo quanto queríamos. Nós havíamos alcançado a situação do pleno abastecimento, mas agora a mudança climática reintroduz o tema da incerteza e não sabemos o que vai acontecer”, ponderou.

Graziano destacou que essa incerteza afetará todo o comércio, determinará a volatilidade dos preços internacionais e poderá obrigar os países a assegurar o abastecimento interno com medidas protecionistas que  já haviam sido abandonadas. “Nesse contexto, não podemos perder de vista o horizonte de erradicar a fome na região”.

Depois de conversar com os jornalistas, Graziano participou da sessão inaugural, com a presença de representantes dos 32 países. O Brasil enviou o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto.

No discurso de abertura, o diretor-geral da FAO concentrou-se nos êxitos da América Latina e do Caribe – região que se converteu em exemplo mundial na luta contra a fome e que conseguiu reduzir a proporção de subalimentação de 15% para 8%. “Desde 1990, o número total de pessoas desnutridas caiu de 66 milhões para 47 milhões”, comentou.

Graziano fez um chamado para que os países continuem a priorizar políticas para cumprir a meta de uma América Latina e um Caribe sem fome até 2025. A meta foi estabelecida em 2006 pelos chefes de Estado e de governo da região, como iniciativa comum a ser alcançada. 

O primeiro objetivo - reduzir a proporção de desnutrição pela metade até 2015 - foi alcançado por 16 países, mas o desafio agora é erradicar a fome nos próximos 11 anos.

Durante a sessão, a presidenta do Chile, Michelle Bachelet, recebeu um reconhecimento da FAO pelo cumprimento da meta de reduzir a menos da metade o número de pessoas com fome no país. “Reduzimos a prevalência de desnutrição de 9%, nos anos 90, para menos de 5%, entre 2011 e 2013, estamos orgulhosos desse avanço e conscientes de que devemos nos aplicar para erradicar esse índice”, disse.

Entre os países que conseguiram reduzir a desnutrição em 50%, sete chegaram a índices inferiores a 5%. Desse modo, a FAO considera que a Argentina, Barbados, a Dominica, o Chile, Cuba, o México e a Venezuela erradicaram a fome.

O Brasil, a Guiana, Honduras, a Nicarágua, o Panamá, Peru e San Vicente e Granadinas reduziram o índice de subalimentação à metade.

Edição: Graça Adjuto

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live Jair Bolsonaro 13.08.2020
Política

Bolsonaro: não existe tentativa de furar o teto de gastos

Bolsonaro defendeu a realização de investimentos públicos em áreas sociais e obras de infraestrutura, mas disse que não existe tentativa de "golpe" para "furar o teto".

A partir de hoje (17) estão liberadas as práticas de esportes coletivos como vôlei, futevôlei, beach tennis e futebol nas praias do Rio de Janeiro.
Geral

Senado aprova auxílio de R$ 600 para trabalhadores do esporte

O Senado aprovou hoje um projeto de lei que regulariza o recebimento do auxílio emergencial por funcionários e atletas do setor de esportes.

Edifício sede do Superior Tribunal de Justiça STJ
Justiça

Ministro do STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e esposa

 Fabrício Queiroz é investigado em um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. 

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Geral

Rio: 1,4 mil mortes por covid-19 foram em favelas, mostra painel

Número se referem às favelas da capital. O estado do Rio de Janeiro registrou 14.080 óbitos desde a chegada do novo coronavírus no Brasil, dos quais 8.612  na capital.

O TSE aumentou o esquema de segurança para acessar o prédio do tribunal neste domingo
Justiça

TSE adia decisão a respeito de tese sobre abuso de poder religioso

Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes e Tarcísio de Carvalho Neto votaram contra a medida. Somente o relator, Edson Fachin, defendeu a tese para punição. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

TJRJ determina que escolas se preparem para retorno, mesmo em greve

Decisão diz que 70% dos funcionários do administrativo devem retornar ao trabalho presencial, mesmo durante a greve, para prepararem a volta às aulas.