Mais de 146 mil refugiados e migrantes chegaram à Europa desde o início do ano

Segundo a Organização Internacional para as Migrações, 455 morreram na

Publicado em 11/03/2016 - 11:19 Por Da Agência Lusa - Genebra

Mais de 146 mil refugiados e migrantes chegaram à Europa desde o início do ano pelo Mar Mediterrâneo e 455 morreram na travessia, anunciou hoje(11) a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Nos últimos dois meses e meio, mais de 137 mil migrantes e refugiados alcançaram a costa europeia pela rota do Mediterrâneo oriental, entre a Turquia e a Grécia. Durante a travessia, 354 pessoas morreram.

Mais 9.100 escolheram a rota do Mediterrâneo central, entre a Líbia e a Itália. Desde o início do ano, 97 pessoas perderam a vida nessa travessia.

No mesmo período, mais 400 migrantes fizeram o percurso entre a região do Magrebe e a Espanha. Quatro pessoas morreram no percurso.

Apesar da maioria das chegadas estar concentrada na rota do Mediterrâneo oriental, por causa do conflito na Síria, no Iraque e Afeganistão, o número de migrantes que está optando pela rota entre a Líbia, Malta e a Itália tem aumentado, informou o porta-voz da OIM, Joel Millman, em entrevistaem Genebra.

Os 9.100 migrantes registrados nessa rota até ontem (10) representam aumento significativo em relação ao mesmo período dos últimos dois anos. Em 2015, foram registradas 7.882 entradas no mesmo e, em 2014, cerca de 5.500.

“O tráfico de seres humanos no mar entre a Líbia e Itália aumentou 15% em comparação com o ano passado, e mais de 60% em relação a 2014”, disse Millman.

Na entrevista, o porta-voz da OIM informou que a média diária de chegadas ao território grego é de 2 mil pessoas.

De acordo com as autoridades gregas, os migrantes e refugiados que chegam à costa da Grécia são procedentes da Síria (47%), do Afeganistão (27%), Iraque (17%), Irã (3%) e do Paquistão (3%).

Entre os migrantes e refugiados que chegam à Grécia, 44% são homens adultos, 22% são mulheres adultas e 34% são crianças, segundo dados atualizados da OIM.

Edição: Carolina Pimentel

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Hospital de campanha do Maracanã no Rio de Janeiro
Justiça

Justiça diz que Saúde não pode desmobilizar hospitais de campanha

Segundo a SES, hospitais de São Gonçalo e do Maracanã estão abertos, mas sem pacientes por causa da disponibilidade de vagas em unidades regulares da rede estadual.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, fala à imprensa , após reunião com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada
Justiça

Defesa de Onyx assina acordo de não persecução penal com a PGR

Apesar do acordo fechado com a PGR, é necessário que o caso seja analisado pelo Supremo Tribunal Federal. Ministro-relator vai decidir se homologa acordo.

Hospital de campanha para vítima de Covid-19 em Santo André, São Paulo
Saúde

Covid-19: Brasil registra mais 561 mortes; total chega a 94.665

Doença atingiu 2,75 milhões de brasileiros; 69,5% já se recuperaram. Atualmente, 743.334 pacientes estão em acompanhamento.

Painel Resolveu
Geral

EBC fica em primeiro no ranking de elogios entre instituições federais

De 1º de janeiro a 31 de julho, a administração federal recebeu 4.656 elogios de usuários de 333 instituições; EBC recebeu 417 elogios, e Ministério da Economia, 375.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES
Economia

BNDES seleciona fundos de crédito não bancário para pequenas empresas

Com isso, BNDES busca mitigar impactos da pandemia de covid-19 na economia e, por meio de canais não bancários, ampliar crédito para pequenos empreendedores.

Dolar-Moeda estrangeira
Economia

Dólar ultrapassa R$ 5,30 e fecha no maior valor em duas semanas

Nos Estados Unidos, alta da indústria e impasse em negociações de novo pacote de estímulos pressionaram cotação. No Brasil, mercado aguarda reunião do Copom.