Sem autorização de Ortega, grupo da OEA está em compasso de espera

Brasil integra comissão com mais 11 países para investigar crise

Publicado em 15/08/2018 - 06:00 Por Renata Giraldi - Repórter da Agência Brasil - Brasília

Sem o reconhecimento do governo nicaraguense, o Grupo de Trabalho, criado pelo Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA), está em suspenso, pois aguarda para designar integrantes e definir as ações. Criado há 12 dias, o grupo tem a missão de levantar informações e analisar a situação na Nicarágua em crise há quase quatro meses.

Oficialmente, a OEA quer que o Grupo de Trabalho contribua para buscar soluções pacíficas e sustentáveis para o governo do presidente Daniel Ortega em comum acordo com as organizações não governamentais e a Igreja Católica, que iniciou a mediação do diálogo. Há os que defendem a realização de eleições e o fim do governo Ortega.

Participam do grupo 12 países: Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Estados Unidos, México, Guiana, México, Panamá e Peru. Ainda não há diplomatas designados.

A criação do Grupo de Trabalho durante sessão do Conselho Permanente da OEA gerou discussões acaloradas. A aprovação contou com 20 votos a favor, quatro contra (Bolívia, Nicarágua, San Vicente e Granadinas, além da Venezuela), oito abstenções (Barbados, Belize, El Salvador, Guatemala, Haiti, San Kitts e Nevis, Suriname, Trinidad e Tobago) e dois ausentes (Dominica e Grenada).

Na sessão, os representantes da Nicarágua e Bolívia acusaram de ingerência na política o Brasil e demais países que apoiaram a criação do Grupo de Trabalho.

Protesto contra o governo de Daniel Ortega, na Nicarágua
Protesto contra o governo de Daniel Ortega, em Manágua, capital nicaraguense - Oswaldo Rivas/Reuters/Direitos reservados

 

Reações

Ortega criticou a criação do Grupo de Trabalho. Segundo ele, é "uma política intervencionista" contra seu governo. "[Esses] governos deveriam primeiro checar suas casas, pois têm tantos problemas, tantos crimes cometidos diariamente nesses países", reagiu.

Para o presidente, os Estados Unidos pautam e estabelecem as diretrizes na OEA sobre a crise que ocorre na Nicarágua.

Crise

Os protestos contra Ortega começaram em 18 de abril. Segundo dados de distintas organizações, já morreram de 317 a 448 pessoas, incluindo crianças e mulheres. Os números são incertos. O governo confirma 198. A crise na Nicarágua é considerada a mais violenta desde a década de 1980.

Manifestantes iniciaram os protestos em reação à reforma da Previdência, em abril, logo depois o movimento cresceu em reação à repressão política e à violência policial. Ortega nega as acusações. Segundo ele, é vítima de ações terroristas.

Edição: Carolina Pimentel

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias