Clima se aproxima de ponto sem retorno, dizem especialistas

Médias ultrapassaram limite de 1,5% acima dos níveis pré-industriais

Publicado em 30/06/2023 - 10:47 Por David Stanway - Repórter da Reuters* - Singapura

A meta de manter o aquecimento global de longo prazo dentro de 1,5ºC está ficando fora de alcance, dizem especialistas climáticos, com os países falhando em estabelecer metas mais ambiciosas, apesar de meses de calor recorde na terra e no mar.

Enquanto enviados se reuniam em Bonn, no início de junho, para se preparar para as negociações climáticas anuais em novembro, as temperaturas médias do ar na superfície global estiveram em mais de 1,5°C acima dos níveis pré-industriais por vários dias, informou o Copernicus Climate Change Service (C3S), financiado pela União Europeia.

Embora as temperaturas médias tenham ultrapassado temporariamente o limite de 1,5°C antes, esta foi a primeira vez que ocorreu no verão do hemisfério norte, que começa em 1º de junho. As temperaturas do mar também quebraram os recordes de abril e maio.

"Ficamos sem tempo porque a mudança leva tempo", disse Sarah Perkins-Kirkpatrick, climatologista da Universidade de New South Wales, na Austrália.

À medida que os enviados climáticos dos dois maiores emissores de gases do efeito estufa se preparam para se reunir no próximo mês, as temperaturas quebraram recordes em junho na capital chinesa, Pequim, e ondas de calor extremas atingiram os Estados Unidos.

Em partes da América do Norte, as temperaturas estiveram cerca de 10°C acima da média sazonal neste mês. A fumaça dos incêndios florestais cobriu o Canadá e a costa leste dos EUA com névoa perigosa, com emissões de carbono estimadas em um recorde de 160 milhões de toneladas métricas.

Na Índia, uma das regiões mais vulneráveis ao clima, foi relatado aumento de mortes como resultado de altas temperaturas constantes. Calor extremo também foi registrado na Espanha, no Irã e no Vietnã, elevando os temores de que o verão mortal do ano passado possa se tornar rotina.

Os países concordaram em Paris, em 2015, em tentar manter os aumentos médios de temperatura de longo prazo dentro de 1,5°C, mas agora há 66% de probabilidade de que a média anual ultrapasse o limite de 1,5°C por pelo menos um ano inteiro, de agora a 2027, previu a Organização Meteorológica Mundial em maio.

As altas temperaturas terrestres foram acompanhadas pelas do mar, com o aquecimento intensificado do El Niño e outros fatores.

As temperaturas médias globais da superfície do mar atingiram 21°C no fim de março e permaneceram em níveis recordes para a época do ano durante abril e maio. A agência meteorológica da Austrália alertou que as temperaturas dos oceanos Pacífico e Índico podem ser 3°C mais altas do que o normal em outubro.

O aquecimento global é o principal fator, disse Piers Forster, professor de física climática da Universidade de Leeds, mas o El Niño, o declínio da poeira do Saara soprando sobre o oceano e o uso de combustíveis com baixo teor de enxofre são culpados.

"Então, ao todo, os oceanos estão sendo atingidos por um golpe quádruplo", disse ele. "É um sinal do que está por vir."

Mares mais quentes também podem significar menos vento e chuva, criando um círculo vicioso que leva a ainda mais calor, disse Annalisa Bracco, climatologista do Instituto de Tecnologia da Geórgia.

Embora as altas temperaturas do mar neste ano sejam causadas por uma "combinação perfeita" de circunstâncias, o impacto ecológico pode perdurar, acrescentou.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Últimas notícias