Países têm meta para emissão de gases do efeito estufa na navegação

Revisão foi feita em reunião da Organização Marítima Internacional

Publicado em 07/07/2023 - 10:47 Por Jonathan Saul - Repórter da Reuters* - Londres

Os países-membros da Organização Marítima Internacional (OMI) adotaram nesta sexta-feira (7) uma estratégia revisada para gases do efeito estufa no transporte marítimo. A nova meta tem o objetivo de zerar as emissões líquidas "até ou por volta de 2050", o que foi visto por grupos ambientalistas como aquém do necessário.

Após dias de discussão em Londres, na sede da agência marítima da Organização das Nações Unidas (ONU), os países concordaram em zerar as emissões líquidas "por volta de 2050, levando em consideração as diferentes circunstâncias nacionais".

Os países também concordaram com "pontos de verificação indicativos" para reduzir as emissões anuais totais dos gases no transporte marítimo internacional em pelo menos 20%, buscando 30% até 2030, em comparação com 2008. Outro objetivo é reduzir as emissões anuais totais em pelo menos 70%, esforçando-se para 80% até 2040, em comparação com 2008.

"O nível de ambição acordado está muito aquém do necessário para garantir a manutenção do aquecimento global abaixo de 1,5°C", disse John Maggs, presidente da Coalizão Ambiental de Transporte Limpo.

Os países concordaram no Acordo de Paris, em 2015, em tentar manter os aumentos médios de temperatura de longo prazo dentro de 1,5ºC, o que também requer que o transporte marítimo auxilie na descarbonização.

A navegação, que transporta cerca de 90% do comércio mundial e é responsável por quase 3% das emissões mundiais de dióxido de carbono, tem enfrentado apelos de ambientalistas e investidores para adotar ações mais concretas, incluindo uma taxa de carbono.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Últimas notícias
O presidente do TSE, Alexandre de Moraes, durante cerimônia de posse do diretor-geral da PF, na sede da corporação, em Brasília.
Justiça

AGU pede ao STF apuração de posts com divulgação de decisões de Moraes

O jornalista Michael Shellenberger divulgou na rede social X decisões sigilosas de Alexandre de Moraes. Para AGU, há suspeita de interferência no andamento dos processos e violação do sigilo dos documentos.