Israel: cerco em Gaza continuará enquanto o Hamas mantiver reféns

Já são 1,3 mil mortos israelenses e 1,2 mil palestinos desde sábado

Publicado em 12/10/2023 - 10:33 Por Maayan Lubell, Emily Rose, Nidal al-Mughrabi, Emma Farge, Jeff Mason e Peter Graff - da Reuters* - Jerusalém - Gaza - Genebra e Washington

Israel disse nesta quinta-feira (12) que não haverá exceções humanitárias ao seu cerco à Faixa de Gaza até que todos os seus reféns sejam libertados, após a Cruz Vermelha ter pedido que fosse permitida a entrada de combustível para evitar que hospitais sobrecarregados "se transformem em necrotérios".

Israel prometeu aniquilar o movimento Hamas, que governa a Faixa de Gaza, em retribuição ao ataque mais mortal contra civis judeus desde o Holocausto. No sábado passado (7), centenas de homens armados atravessaram a barreira e invadiram cidades israelenses.

A emissora pública  Kan disse que o número de mortos israelenses havia aumentado para mais de 1,3 mil desde sábado. A maioria era de civis mortos a tiros em casa, nas ruas ou em uma festa eletrônica. Muitos reféns israelenses e estrangeiros foram levados de volta para Gaza; Israel diz ter identificado 97 deles.

A escala total dos assassinatos veio à tona nos últimos dias, depois que as forças israelenses retomaram o controle das cidades atacadas pelo Hamas e encontraram casas repletas de corpos. Eles dizem ter encontrado mulheres que foram estupradas e mortas, e crianças que foram baleadas e queimadas.

Até agora, Israel respondeu colocando Gaza, onde vivem 2,3 milhões de pessoas, sob cerco total e lançando, de longe, a mais poderosa campanha de bombardeio nos 75 anos de história do conflito israelense-palestino, destruindo bairros inteiros.

As autoridades de Gaza afirmam que mais de 1,2 mil pessoas foram mortas e mais de 5 mil ficaram feridas nos bombardeios. A única estação de energia elétrica foi desligada e os hospitais estão ficando sem combustível para os geradores de emergência.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse que o combustível que alimenta os geradores de emergência nos hospitais pode acabar em poucas horas.

"A miséria humana causada por essa escalada é abominável, e eu imploro às partes que reduzam o sofrimento dos civis", disse o diretor regional do CICV, Fabrizio Carboni, em um comunicado hoje.

"À medida que Gaza perde energia, os hospitais perdem energia, colocando em risco os recém-nascidos em incubadoras e os pacientes idosos que precisam de oxigênio. A diálise renal é interrompida e os raios X não podem ser feitos. Sem eletricidade, os hospitais correm o risco de se transformar em necrotérios."

O ministro israelense da Energia, Israel Katz, disse que não haverá exceções ao cerco sem a liberdade dos reféns israelenses.

"Ajuda humanitária para Gaza? Nenhum interruptor elétrico será levantado, nenhum hidrante será aberto e nenhum caminhão de combustível entrará até que os reféns israelenses voltem para casa. Humanitário por humanitário. E ninguém deve nos dar lições de moral", publicou Katz na plataforma de rede social X.

*É proibida a reprodução deste conteúdo

Últimas notícias