Um mês após ataque do Hamas, ato no Rio homenageia vítimas de Israel

Manifestação também pede libertação de reféns israelenses

Publicado em 07/11/2023 - 13:24 Por Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Para marcar um mês do ataque do Hamas ao território de Israel, que causou a morte de 1,4 mil pessoas, a organização não governamental (ONG) Rio de Paz realizou ato, nesta terça-feira (7), para homenagear as vítimas israelenses e pedir a libertação dos reféns levados para a Faixa de Gaza.

Fotografias de cerca de 30 crianças sequestradas e 1.400 bandeiras israelenses foram fincadas nas areias da Praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro.

“Esse ato tem três objetivos: expressar solidariedade aos parentes das vítimas, repudiar o terrorismo e pedir a soltura dos reféns, entre os quais as crianças aqui representadas por essas fotos. Não dá para chamar o que o Hamas fez de luta do oprimido contra o opressor”, afirma Antônio Carlos Costa, presidente da ONG que é conhecida por seus atos contra a violência.

Ataques de Israel

Em resposta à ação do grupo palestino, as Forças Armadas israelenses iniciaram um bombardeio e, posteriormente, uma ofensiva terrestre a Gaza, que duram até hoje e já deixaram cerca de 10 mil mortos, entre eles quase 4 mil crianças, de acordo com o Ministério da Saúde do território palestino.

De acordo com a Agência das Nações Unidas para Refugiados Palestinos (UNRWA), mais de 24 mil ficaram feridos e 2,2 mil estão desaparecidos em Gaza, possivelmente sob os escombros dos bombardeios de Israel.

Os ataques israelenses deixaram 1,5 milhão de deslocados - 700 mil buscaram refúgio em abrigos da própria organização.

Rio de Janeiro (RJ), 07/11/2023 - A ONG Rio de Paz faz manifestação, na praia de Copacabana, em memória das vítimas em Israel, contra o terrorismo e pela soltura dos civis sequestrados. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
A ONG Rio de Paz faz manifestação na Praia de Copacabana em memória das vítimas em Israel - Foto Tânia Rêgo/Agência Brasil

Na semana passada, a Rio de Paz havia feito um ato protestando contra as mortes provocadas por Israel em Gaza. 

“Se você silencia diante do que o Hamas fez contra o povo israelense, com que autoridade você vai denunciar as demais violações de direitos que ocorrem no mundo, em especial a morte dessas crianças na Faixa de Gaza? Portanto, nessa guerra, não dá para apoiar incondicionalmente nenhum dos lados”, afirmou Antônio Carlos Costa.

Edição: Graça Adjuto

Últimas notícias