Ataque aéreo israelense atinge tenda em Gaza e mata 11, diz ministério

Um dos mortos é médico de hospital próximo ao ataque

Publicado em 02/03/2024 - 13:58 Por Nidal al-Mughrabi - Repórter da Reuters* - Cairo

Pelo menos 11 palestinos foram mortos quando um ataque aéreo israelense atingiu uma tenda em Rafah, na Faixa de Gaza, neste sábado (2), informou o Ministério da Saúde de Gaza, em uma área onde as pessoas estão buscando refúgio dos ataques devastadores de Israel.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que outras 50 pessoas ficaram feridas no ataque próximo a um hospital na área de Tel Al-Sultan, em Rafah. Um dos mortos é um médico do hospital. Os militares israelenses não comentaram o assunto.

"O ataque atingiu uma tenda, onde as pessoas se abrigavam, diretamente, e estilhaços entraram no hospital onde eu e meus amigos estávamos sentados, sobrevivemos por um milagre", disse uma testemunha à Reuters, recusando-se a ser identificada.

O exército israelense disse que suas forças mataram oito militantes em Khan Younis, cerca de 20 militantes na região central da Faixa de Gaza e mais três em Rimal, perto da Cidade de Gaza.

As hostilidades ocorreram em meio à incerteza sobre se as negociações para um cessar-fogo em Gaza serão retomadas no domingo.

Mais de 1 milhão de palestinos têm buscado refúgio na área de Rafah, fugindo dos ataques israelenses que devastaram grande parte da Faixa de Gaza, matando mais de 30 mil pessoas, de acordo com as autoridades de saúde do território administrado pelo Hamas.

Israel lançou a ofensiva em resposta ao ataque de 7 de outubro do grupo militante palestino, no qual 1.200 pessoas foram mortas em Israel e outras 253 foram sequestradas, de acordo com registros israelenses.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que espera que um cessar-fogo esteja em vigor na época do mês de jejum muçulmano do Ramadã, que começa em 10 de março. Falando a  jornalistas na sexta-feira, Biden disse: "Ainda não chegamos lá."

A pressão internacional por um cessar-fogo aumentou, com as Nações Unidas alertando que um quarto da população de 2,3 milhões de pessoas da Faixa de Gaza está a um passo da fome no território massacrado por Israel.

Três pessoas que buscavam alimentos em terras agrícolas na área de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, no sábado, foram mortas por ataques israelenses, disseram moradores e médicos.

Treze crianças morreram no hospital Kamal Adwan, no norte da Faixa de Gaza, nos últimos três dias, de desidratação e desnutrição, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza.

Os médicos do hospital disseram que mais crianças correm o risco de morrer. "Quando uma criança deveria comer três refeições por dia e come apenas uma, ela obviamente sofre de desnutrição e todas as doenças que surgem por causa disso", disse o médico Imad Dardonah.

Biden anunciou na sexta-feira planos para realizar o primeiro lançamento aéreo militar de alimentos e suprimentos em Gaza, um dia depois que as mortes de palestinos que faziam fila para receber ajuda chamaram novamente a atenção para a catástrofe humanitária causada pelos ataques de Israel.

As autoridades de saúde em Gaza disseram que 115 pessoas foram mortas no ataque de quinta-feira e chamaram o episódio de massacre. Israel contestou esses números e disse que a maioria das vítimas foi pisoteada ou atropelada.

Negociações e cessar-fogo 

Israel e o Hamas estão negociando por meio de mediadores, incluindo Egito e Catar. Duas fontes de segurança egípcias disseram que as delegações israelenses e do Hamas deveriam chegar ao Cairo no domingo para retomarem as negociações indiretas.

Mas uma reportagem da mídia israelense lançou dúvidas sobre isso. Não houve nenhum comentário imediato de Israel ou do Hamas.

As fontes egípcias disseram que as partes haviam concordado com a duração de uma trégua em Gaza, bem como com a libertação de reféns e prisioneiros, acrescentando que a conclusão das discussões ainda requer um acordo sobre a retirada das forças israelenses do norte de Gaza e o retorno de seus residentes.

No entanto, o noticiário israelense Ynet, citando uma autoridade sênior não identificada, informou que Israel não enviará uma delegação para as negociações no Cairo até receber uma lista completa dos reféns mantidos em Gaza que estão vivos.

De acordo com a reportagem, a questão central que estava sendo trabalhada era quantos reféns seriam libertados de Gaza e, por sua vez, quantos palestinos seriam libertados por Israel em troca de cada um deles.

"Até que sejam dadas respostas claras, uma delegação não partirá para o Cairo", disse o funcionário, segundo a Ynet.

Um funcionário palestino familiarizado com os esforços de mediação não confirmou imediatamente as negociações no Cairo. "Quando se trata de acabar com a guerra e retirar as forças de Gaza, as lacunas permanecem intactas", disse o funcionário.

Durante a guerra, Israel também intensificou os ataques na Cisjordânia ocupada, onde os registros da ONU mostram que pelo menos 358 pessoas foram mortas desde 7 de outubro, um quarto delas crianças.

A agência de notícias oficial palestina WAFA informou no sábado que as forças israelenses  mataram um jovem de 16 anos perto da cidade central de Ramallah com um tiro na cabeça.

O exército israelense disse que suas forças estavam realizando "atividades de rotina" na cidade de Kafr Ni'ma, perto de Ramallah, quando dezenas de pessoas começaram a atirar pedras e explosivos contra as forças, que responderam com fogo real, atingindo uma pessoa.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

Últimas notícias