MPF cobra respostas sobre impactos de empreendimento da Anglo American

Publicado em 06/09/2019 - 15:57 Por Léo Rodrigues - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O Ministério Público Federal (MPF) cobra que a mineradora  Anglo American apresente resposta na Justiça para questões apresentadas em uma ação civil pública que discute violações de direitos de população afetadas pelo empreendimento de mineração Minas-Rio. Em nota, o MPF diz que tanto a mineradora como os órgãos ambientais procuram encerrar a ação alegando questões de ordem processual, sem responderem sobre as irregularidades apontadas.

"As violações a direitos humanos relatadas/representadas/denunciadas não têm merecido a atenção dos órgãos públicos responsáveis pelo licenciamento ambiental, muito menos pela empresa, que insiste em ignorar e invisibilizar essa parcela da população moradora das comunidades rurais do entorno da mina", diz a nota.

O Minas-Rio envolve a extração de minério nas serras do Sapo e Ferrugem, o beneficiamento nos municípios de Conceição do Mato Dentro (MG) e Alvorada de Minas (MG) e um mineroduto que percorre 525 quilômetros até o porto em Barra de Açu, no município de São João da Barra (RJ). Conforme informações da Anglo American, trata-se do maior investimento mundial da mineradora. Atualmente, a instalação do empreendimento está na etapa 3, que envolve a ampliação da Mina do Sapo, situada em Conceição do Mato Dentro.

A ação tramita desde 2017. Na ocasião, o MPF pediu uma liminar para impedir a concessão das licenças prévia e de instalação da etapa 3. O pedido não foi apreciado devido a um conflito de competência entre diferentes varas da Justiça Federal e a mineradora obteve as licenças dos órgãos ambientais. Em julho de 2018, o MPF solicitou a cassação das licenças.

Na semana passada, o MPF entregou a Justiça suas discordâncias em relação às defesas apresentadas pela Anglo American e por órgãos ambientais de Minas Gerais e da União. O documento sustenta, entre outras questões, que não há comprovação do cumprimento de condicionantes impostas no processo do licenciamento das etapas 1 e 2 do empreendimento.

Procurada pela Agência Brasil, a mineradora preferiu não comentar a nota divulgada pelo MPF. "O processo judicial está tramitando regularmente e a empresa vai se manifestar nos autos", informou a Anglo American.

Fornecimento de água

Para o MPF, há indiferença e a omissão do Estado e as licenças foram concedidas sem levar em conta a violação dos direitos de diversas populações, entre os quais estão comunidades quilombolas. Um dos problemas apontados é o impacto no fornecimento de água, que estaria causando prejuízos para o consumo humano, para a agricultura e para atividade pesqueira. Segundo o órgão, o mineroduto do empreendimento atravessa grande número de córregos, ribeirões e rios, interceptando aproximadamente 600 cursos d'água.

"Inúmeras famílias vêm sofrendo com o fato de que a água simplesmente secou em várias fontes ou nascentes ou está imprópria para o consumo e para o atendimento a necessidades básicas, como higiene e na preparação de alimentos, o que tem sido tratado de forma paliativa pela Anglo por meio do fornecimento de caminhões pipa ou galões de água mineral. Atividades produtivas, como criação de animais, produção de farinha e plantio, estão paralisadas devido à falta d'água", diz o MPF.


 

Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Teste da vacina contra a doença de coronavírus (COVID-19) na Tailândia
AO VIVO Saúde

Ao vivo: Bolsonaro assina MP para viabilizar vacina contra covid-19

Vacina contra a covid-19 foi desenvolvida pela Universidade de Oxford (Inglaterra) e está sendo testada no Brasil por meio de uma parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Homem produz máscaras caseiras durante a pandemia do novo coronavírus no distrito de Kreuzberg, Berlin, Alemanha
Saúde

Nova Friburgo vai ganhar Centro de Pesquisa e Inovação em EPIs

Objetivo é garantir qualidade aos produtos feitos no Brasil e dar suporte à indústria para adaptação de linhas de produção, uso de tecnologia e capacitação.

Guilherme Arana revela saudade dos jogos
Esportes

Arana projeta boa estreia do Atlético-MG contra o Fla no Brasileirão

Lateral-esquerdo confia nas qualidades do time para um bom campeonato: juventude e velocidade. O primeiro duelo será no domingo, às 16h, no Maracanã. 

Incêndio no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Divulgação/Parnaso)
Geral

Bombeiros combatem fogo na Serra dos Órgãos pelo terceiro dia seguido

Criado em 1939, o Parnaso é o terceiro parque mais antigo do país e costuma ser procurado para prática de esportes de montanha, como escalada, caminhada e rapel.

Fachada do edifício sede do Supremo Tribunal Federal - STF
Geral

STF: teto constitucional incide sobre soma de pensão e aposentadoria

Com a decisão, o valor dos ganhos não pode ultrapassar R$ 39,2 mil, valor do salário dos ministros da Corte, que foi definido pela Constituição como teto.

Supermercado na zona sul do Rio de Janeiro
Economia

Custo da cesta básica caiu em 13 capitais no mês de julho, diz Dieese

Por conta da pandemia, o Dieese suspendeu a coleta presencial de preços e começou a coletar os preços por meio de telefone, aplicativos de entrega, e-mail e consultas na internet.