Do sonho de Dom Bosco à interiorização da capital, o nascimento de Brasília há 60 anos

Há 60 anos

Publicado em 03/02/2020 - 15:02 Por Victor Ribeiro - Brasília

No dia 21 de abril Brasília comemora 60 anos de inauguração. Por isso, a partir de hoje você vai ouvir uma série de reportagens especiais que vão falar sobre a história da capital de todos os brasileiros, a organização geográfica e administrativa da cidade, a formação da identidade cultural, a vida em Brasília e seus problemas.

 

Nesta primeira reportagem, vamos falar sobre as ideias de tirar do litoral a capital do país.

 

Documentos históricos dão pistas de que o primeiro estudo para trazer a capital para o centro do Brasil foi produzido na década de 1750, quando o então secretário de Estado de Portugal, Marquês de Pombal, encomendou um levantamento. Os especialistas apontaram que a região mais estratégica para instalar a capital da colônia era o Planalto Central.

 

É o que destaca o publicitário João Carlos Amador, autor da série de livros “Histórias de Brasília”.

 

Mesmo assim, em 1763, a capital mudou de Salvador para o Rio de Janeiro. Ainda no século 18, a transferência da sede do poder para o interior foi uma das reivindicações de movimentos que lutavam pela independência do Brasil, como a Inconfidência Mineira.

 

A partir de 1813, Hipólito da Costa publicou no Correio Braziliense artigos que pediam a interiorização da capital. O jornal era editado em Londres.

 

Também no século 19 o historiador Francisco Adolfo de Varnhagen sugeriu a mudança e José Bonifácio defendeu a ideia no Parlamento. Inclusive o nome da cidade, como lembra João Carlos Amador.

 

Em agosto de 1883, o santo italiano e fundador da Congregação dos Salesianos João Bosco – conhecido como Dom Bosco - sonhou que fazia uma viagem à América do Sul. Mesmo sem nunca ter estado no continente imaginou um lugar entre os paralelos 15 e 20, onde havia “uma enseada bastante longa e bastante larga, que partia de um ponto onde se formava um lago”. Era “a terra prometida, de onde jorrará leite e mel. Será uma riqueza inconcebível”.

 

Às margens do Lago Paranoá, temos hoje uma ermida, capelinha construída num local isolado, em homenagem a Dom Bosco. É uma pirâmide de vidro construída em 1957.

 

Em volta da Ermida Dom Bosco existe uma arena para espetáculos, locais para se banhar no lago e fazer piquenique, e a pista de skate mais badalada do Distrito Federal. Junto com Nossa Senhora Aparecida, Dom Bosco é padroeiro da capital.

 

Com produção de Graziele Bezerra, da Rádio Nacional, em Brasília, Victor Ribeiro.

 

Últimas notícias
Geral

Estudo indica que exercícios regulares não são afetados pela poluição

Manter a forma praticando exercícios regularmente, mesmo nos ambientes poluídos das grandes metrópoles, pode gerar mais benefícios do que malefícios, é o que diz um estudo da USP.

Baixar arquivo
Economia

Congresso Mercado Global de Carbono fala da COP-27 em 2º dia de evento

O Congresso vai até esta sexta-feira (20), no Rio de Janeiro, debatendo e apresentando projetos e estratégias com foco na sustentabilidade.

Baixar arquivo
Geral

Duas pessoas morreram nas ruas de São Paulo após recorde de frio

Nesta madrugada os termômetros chegaram a marcar 6,6ºC, a menor dos últimos 32 anos. A sensação térmica, de acordo com informações do Centro de Gerenciamento de Emergências, era de 2ºC.

Baixar arquivo
Geral

DF tem a menor temperatura registrada de sua história com 1,4ºC

Até então, a temperatura mais baixa havia sido registrada em julho de 1975, quando a capital federal registrou 1,6ºC, recorde que foi igualado nesta quinta-feira às 5h.

Baixar arquivo
Saúde

Campus da Fiocruz reabre ao público com exposição sobre a vida e saúde

O tema da exposição se divide em 14 módulos, convidando o público a conhecer o conceito de saúde, desde a microbiologia à saúde como fenômeno social.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

97% de indígenas da área urbana de Manaus vivem com menos de R$600/mês

É o que aponta o projeto MANAÓS, da Fiocruz Amazônia, que quis entender como vivem os indígenas chamados “não aldeiados”, na cidade de Manaus.

Baixar arquivo