A história de Pureza: da luta contra o trabalho escravo ao cinema

Trabalhadora rural é considerada um ícone do combate a esta exploração

Publicado em 29/01/2021 - 09:09 Por Kariane Costa* - Repórter da Rádio Nacional - Brasília
Atualizado em 01/02/2021 - 19:18

Pureza Lopes Loyola é uma trabalhadora rural que, depois de ficar sem notícias do filho, em 1993, vendeu tudo o que tinha no Maranhão e saiu em uma jornada de três anos à procura dele. No trajeto se deparou com trabalhadores vítimas de maus tratos e em situação semelhante à escravidão. O reencontro de mãe e filho aconteceu três anos depois, no Pará, quando ele conseguiu fugir de uma fazenda da região.

A saga dessa maranhense foi parar nos cinemas. O diretor Renato Barbieri diz que o filme levou 12 anos para ficar pronto. Ele, que trabalha há décadas com temas ligados à escravidão, conheceu os detalhes dessa busca por meio de um amigo fotógrafo, e se inspirou na coragem de dona Pureza para contar a história.

Do interior do Maranhão a Londres. Dona Pureza recebeu um prêmio internacional contra a escravidão da AntiSlavery International Award, a ONG mais antiga e respeitada do mundo nessa temática.

A trajetória dessa mulher a transformou em um ícone na luta contra a exploração e os maus-tratos a trabalhadores. Aqui no Brasil, ela teve um papel importante para que o país passasse a reconhecer, em 1995, a existência do trabalho escravo moderno. Foi quando começaram os resgates, como explica o diretor Renato Barbieri.

O que pode explicar também porque muitos trabalhadores brasileiros têm dificuldade em reconhecer o trabalho escravo moderno. Na avaliação de Renato, nascemos dentro de uma mentalidade escravagista, que acompanha o brasileiro há séculos e acaba normatizando a escravidão.

O chamado trabalho escravo contemporâneo é caracterizado em quatro situações diferentes: condições degradantes de trabalho, jornada exaustiva, trabalho forçado e também a servidão por dívida, como explica o procurador Italvar Medina, vice-coordenador nacional de Erradicação do Trabalho Escravo e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas.

O procurador explica ainda que, quando os trabalhadores são resgatados, o vínculo trabalhista é encerrado com direito a todas as verbas rescisórias. Se não houver acordo com o empregador, o caso vai pra Justiça, para que a vítima receba o que tem direito.

O empregador que explora o trabalho escravo fica sujeito à multa e responde à ação civil por danos morais e à ação criminal no Ministério Público Federal, além de entrar para lista suja do trabalho escravo.

Denúncia contra trabalho semelhante à escravidão pode ser feita por meio do Disque 100 ou pelo site mpt.mp.br ou ainda presencialmente nas procuradorias do Ministério Público ou nas superintendências.

*com sonoplastia de Messias Melo

 

Ouça as outras matérias da série especial sobre trabalho escravo

Trabalho escravo: 1,8 mil mulheres foram resgatadas em 15 anos

"Não nos calemos'', diz boliviana resgatada em situação degradante

 

Edição: Jéssica Gonçalves / Adrielen Alves

Últimas notícias
Segurança

Exército conclui investigação do furto de 21 metralhadoras

Militares e civis acusados pelo sumiço das armas foram indiciados. Eles foram responsabilizados por furto, peculato, receptação e extravio das armas.

Baixar arquivo
Segurança

Governo de São Paulo substitui mais de 30 coronéis da PM

Mudanças acontecem em meio a um cenário de questionamentos sobre a Operação Verão, que acontece na Baixada Santista. A operação já deixou 32 mortos, número que tem chamado a atenção de entidades de direitos humanos, como a Defensoria Pública de São Paulo

Baixar arquivo
Pesquisa e Inovação

Algoritmo pode agilizar distribuição de pacientes em leito hospitalar

O sistema ainda está em fase de testes e será aperfeiçoado para ser utilizado tanto na rede privada quanto pública. 

Baixar arquivo
Saúde

Rio de Janeiro deve receber vacinas contra dengue ainda hoje (22)

O público alvo desta remessa está na área que abrange a capital e municípios da Baixada Fluminense. As vacinas chegam logo após o governo decretar epidemia de dengue no estado

Baixar arquivo
Geral

Secretarias de Educação têm até domingo para aderir ao Pé-de-Meia

Os procedimentos devem ser feitos por meio do Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação, o Simec. 

Baixar arquivo
Geral

DPU recomenda câmeras corporais na captura dos 2 fugitivos em Mossoró

A defensora pública-chefe em Mossoró, Rogena Ximenes, argumentou, em ofício, que o Estado é responsável por garantir os direitos fundamentais daqueles que estão foragidos, independentemente das sentenças ou da repercussão criminal.

Baixar arquivo