Cresce demanda por vagas na educação infantil da rede pública de SP

Proporção pulou de 30% registrados em 2019 para 90% no mês passado

Publicado em 29/10/2020 - 11:25 Por Eliane Gonçalves - São Paulo

Cresceu a proporção de crianças da rede particular que buscam vagas em escolas públicas em São Paulo.

Até setembro, 90% das matrículas nas escolas públicas de educação infantil de São Paulo eram de crianças que saíram da rede particular de ensino.

Segundo a Secretaria Municipal de Educação, das 2.926 matrículas feitas em 2020, 2.648, ou seja, 9 a cada 10 matrículas, são de crianças que estavam matriculadas em creches ou escolas particulares.

O número total de matrículas caiu pela metade para esse período do ano, mas o aumento da demanda de estudantes que saíram da rede particular pode criar um gargalo em uma área que já enfrenta problemas de vagas.

Até o ano passado, a proporção de crianças que deixavam escolas privadas para buscar vagas em escolas públicas ficava na casa dos 30%.

A educação infantil atende crianças entre 0 a 5 anos e, em setembro desse ano, quase 7 mil crianças aguardavam na fila por uma vaga em creches públicas.

A migração de estudantes da rede privada para a pública é resultado da crise gerada pela pandemia. A prefeitura diz que está preparada para o aumento da demanda.

Segundo a Secretaria de Educação do município, foram criadas 6 mil novas vagas em escolas de educação infantil., A partir do ano que vem, vai ser implementando o transporte público escolar para bebês para preencher vagas em creches que estão ociosas e ficam a mais de 2 quilômetros da residência das crianças. E a prefeitura também aposta na compra de vagas em escolas conveniadas.

Esse último ponto é o mais polêmico. Segundo dados da prefeitura, das quase 342 mil crianças matriculadas em creches em junho de 2020, mais de 80%, cerca de 288 mil, estavam em escolas particulares que firmaram convênios com a rede pública e a prefeitura quer ampliar ainda mais esse número. Um projeto de lei foi encaminhado para Câmara de Vereadores para autorizar a compra de mais vagas em escolas particulares.

Segundo o presidente do Sindicato das Escolas de Educação Infantil de São Paulo, Eliomar Rodrigues Pereira, a Secretaria de Educação já indicou a disposição em comprar 35 mil vagas em escolas particulares, mas, com a crise, cerca de um terço das escolas fecharam as portas e foram fechadas mais de 72 mil vagas.

Outro ponto polêmico é que a compra de vagas em escolas particulares é alvo de investigação pela Polícia Civil do estado, na chamada máfia das creches.

Para o professor da Faculdade de Educação da USP, Daniel Cara, a compra de vagas na rede particular responde a interesses econômicos e não educacionais.

A assessoria de imprensa do vereador Ricardo Nunes nega as acusações de que empresas vinculados a ele estejam se beneficiando dos contratos firmados pela prefeitura para a compra de vagas em creches.

Últimas notícias
Cultura

No Dia do Samba, conheça a história e ícones do samba da Bahia

Resultado de influências de povos africanos de diferentes regiões que vieram para o Brasil, o samba adquiriu várias vertentes: saiba mais sobre o chamado "samba da Bahia".

Baixar arquivo
Economia

Varejo paulista estima faturar R$ 91 bilhões em vendas em dezembro

São quatro bilhões a mais do que foi registrado em 2020; aumento deve vir por causa do pagamento do 13º salário e por conta da maior circulação de consumidores.

Baixar arquivo
Saúde

TCU recomenda que governo exija cartão de vacinação para estrangeiros

A decisão do TCU sobre o passaporte da vacina é semelhante à da Anvisa, que também pediu cobrança de prova de vacinação para estrangeiros em visita ao Brasil.

Baixar arquivo
Saúde

Rio amplia exigência de certificado de vacinação contra a covid-19

Lanchonetes, bares, restaurantes, salões de beleza, shoppings centers e centros comerciais terão que exigir dos consumidores a apresentação do comprovante da vacina.

Baixar arquivo