Seca no Semiárido, crise hídrica e mau uso da água: uma realidade que assola o Brasil

Especial

Publicado em 12/01/2019 - 08:33 Por Anna Luisa Praser - Brasília

O histórico de sucessivas secas ao longo dos últimos 60 anos estigmatizou o Nordeste.

 

A escassez de água imprimiu na região um retrato difícil de esquecer: mulheres andando a pé por longas distâncias sobre o solo rachado, com latas de água na cabeça, crianças desnutridas, sentadas em frente a casas de pau a pique, barrigas proeminentes e desproporcionais aos corpos franzinos, vestidas com roupas simples, surradas e encardidas, em contraste com a pele muito queimada de sol; uma população resignada à fome, animais mortos à míngua, de sede, pelo sertão do país.

 

A seca que aflige o Nordeste há anos, ao mesmo tempo que se repete, se espalha pelo país. Em parte, pela situação climática em que o Brasil em se encontra e em parte, pelo mau gerenciamento dos recursos hídricos disponíveis.

 

O relatório Conjuntura Recursos Hídricos Brasil, desenvolvido pela Agência Nacional das Águas desde 2012, faz um panorama da disponibilidade e escassez da água no país. A última publicação, com dados de 2017, foi editada em dezembro de 2018, e mostra que o Semiárido brasileiro, que abrange estados do Nordeste e Sudeste, é a região mais crítica do país, quando se fala em demanda por recursos hídricos.

 

O resultado disso é que, dos 38 milhões de brasileiros assolados com a seca em 2017, 80% vivem na região Nordeste. Também foi a seca a responsável pelo decreto de estado de emergência ou de calamidade pública em mais da metade dos municípios brasileiros, como aponta o estudo.

 

O produtor rural, Robério Mota, conhece essa realidade de perto. Dono de uma propriedade em Monte Santo, na Bahia, ele relata que viveu um longo período de estiagem:

 

Sonora: “Agora em janeiro iria completar 3 anos de secd. Ou seja, 3 anos sem captação de água. Chovia de forma esporádica, mas fina, e não tínhamos água.”

 

Para não deixar a criação morrer de fome, Robério recorreu à vegetação típica do sertão, como a palma forrageira:

 

Sonora: “Minha criação sobrevive de palma, temos também a macambira, típica da região e temos também o mandacaru. Que a gente dá ração aos animais. É assim que a gente sobrevive.”

 

O Brasil lidera o ranking mundial de países com maior quantidade de recursos hídricos renováveis. Mas apesar da abundância de água, esses recursos são distribuídos de maneira desproporcional.

 

Além disso, não é toda água disponível que pode ser consumida, como explica o coordenador de Conjuntura e Gestão de Informação substituto, da Agência Nacional das Águas, Marcos Suckner.

 

Sonora: “Muitos dos nossos corpos hídricos estão poluídos, principalmente em função da principal fonte poluidora do país, que é o esgoto doméstico e urbano, pela indústria etc. O lançamento do esgoto urbano impacta na disponibilidade de água e fazendo com que muitos dos rios que poderiam atender à  demanda de muitas cidades ou para muitos usos, não apresentem uma qualidade de água compatível para o uso.”

 

E foi justamente a má utilização dos recursos naturais, associada à redução dos índices de chuva, que levou algumas unidades da Federação, como o Distrito Federal, a mudar os hábitos de consumo e utilização da água para superar crise hídrica. Ouça o relato dos moradores:

 

Morador 1: “Nós optamos por lavar a roupa apenas uma vez por semana. Não se lava mais carro, não se lava mais calçada.”

 

Moradora 2: “Tomar banho, enquanto ensaboa, daí desliga o chuveiro. Enquanto ensaboa a louça, desliga a torneira e enxágua tudo de uma vez com uma vasilha.”

 

Atualmente, a irrigação de lavouras consome 52% da água retirada no Brasil, 23% são destinados ao abastecimento humano e 9% ao suprimento da indústria. Os 15% restantes são distribuídos para outras atividades.

 

A estimativa da Agência Nacional das Águas (ANA) é que o consumo de água aumente à medida que haja um crescimento populacional - a retirada de água pode chegar, até 2030, a um volume 24% maior do que o atual.

 

Esse aumento, associado a fatores como falta de investimento em infraestrutura hídrica, má utilização dos recursos disponíveis e a redução do volume de chuvas, podem levar o Brasil a enfrentar novas crises hídricas.

 

E, segundo especialistas, enquanto não houver ações efetivas e investimentos adequados para o uso consciente de recursos hídricos, a seca e a escassez de água serão problemas recorrentes, e cada vez mais graves. 

 

 

*Produção: Deogracia Pinto
** Sonoplastia: José Maria Pardal

Últimas notícias
Geral

Mega Sena acumula e deve chegar a R$ 43 milhões

Os números sorteados foram: 07 - 26 - 31 - 38 - 46 - 58.

Baixar arquivo
Saúde

Covid: DF vai aplicar segunda dose de reforço em maiores de 35 anos

O governo do Distrito Federal anunciou que a quarta dose da vacina contra a covid-19 estará disponível nesta sexta-feira para a população maior de 35 anos.

Baixar arquivo
Segurança

Nova fase da Operação Luz na Infância cumpre mandados em 13 estados

Desde quarta-feira, estão sendo cumpridos 163 mandados de busca e apreensão autorizados pela Justiça em 13 estados brasileiros e no exterior. Fora do país, a operação ocorre com o auxílio das polícias dos Estados Unidos, da Argentina, do Paraguai, da Costa Rica, do Panamá e do Equador. 

Baixar arquivo
Geral

MP diz que agressor de procuradora tinha histórico de agressões

Demetrius Macedo foi denunciado por tentativa de feminicídio

Baixar arquivo
Geral

Senado aprova estado de emergência até o fim do ano

A proposta prevê a destinação de mais de R$ 41 bilhões, fora do teto de gastos e da lei de responsabilidade fiscal.

Baixar arquivo
Justiça

Ações de despejo estão suspensas até final de outubro, decide ministro

Luís Roberto Barroso justificou que, após um período de queda, no mês de junho a pandemia voltou a registrar subida nos números de novos casos e de mortes

Baixar arquivo