MPRJ apura fraude em contrato para sistema prisional do estado

Foram expedidos 3 mandatos de prisão e 71 de busca e apreensão

Publicado em quarta-feira, 14 Outubro, 2020 - 14:25 Por Tâmara Freire - Rio de Janeiro

O Ministério Público do Rio de Janeiro deflagrou uma operação para desarticular uma quadrilha acusada de fraudar contratos de fornecimento de alimentos para o sistema prisional do estado.

Ao todo, três mandados de prisão e 71 mandados de busca e apreensão foram emitidos para cumprimento no Rio, em São Paulo e no Espírito Santo. As investigações foram iniciadas quando antigos gestores da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária denunciaram que contratos emergenciais feitos enquanto o Rio estava sob intervenção federal, em 2018, foram realizados de forma ilegal.

De acordo com eles, as empresas contratadas pagaram propina a agentes públicos para que os contratos fossem direcionados a elas. O Ministério Público já obteve indícios de fraude em pelo menos um pregão, que contratou a empresa responsável por fornecer alimentos para o complexo presidiário de Gericinó, na capital.

Diálogos interceptados mostram que a pregoeira orientou um dos empresários a substituir documentos e elaborar novas peças para ter vantagem no processo. Enquanto isso, a mesma pregoeira e um ex-subsecretário da pasta atuaram para desclassificar empresas concorrentes, que não faziam parte do cartel que pagava propina aos agentes. 

O ex-gestor, a pregoeira e o empresário são os alvos dos mandados de prisão preventiva. Outros 13 empresários são citados na denúncia como integrantes do mesmo cartel. O MP espera obter provas da participação deles nos materiais apreendidos.

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária declarou em nota que os servidores citados na denúncia já haviam sido exonerados antes desta operação. Disse ainda que a investigação teve início após uma apuração da própria corregedoria da Seap, que colabora para que seja feita a devida apuração dos fatos.

Edição: Joana Lima

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Economia

Governo Federal abre linha de crédito para pequenas e médias empresas

Para comemorar os 20 anos de criação do Funttel, Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações, o governo federal anunciou nesta terça-feira (24) a abertura de duas linhas de crédito para pequenas e médias empresas do setor.

Baixar arquivo
Saúde

Principal meio de socorro de ribeirinhos, ambulanchas são doadas no AM

Embarcações levam pacientes de áreas de difícil acesso para o hospital. Cinco delas foram doadas para as Reservas de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro e de Puranga Conquista e da Área de Proteção Ambiental do Rio Negro, no Amazonas, pela Fundação Amazonas Sustentável em parceria com a Embaixada da França.

Baixar arquivo
Saúde

Brasil supera 170 mil mortes por Covid-19

O Brasil superou nessa terça-feira as 170 mil mortes causadas pela Covid-19. De acordo com o Ministério da Saúde, foram 630 mortes registradas nessa terça, o que aumentou para 170.115 o número de vidas perdidas no país.

Baixar arquivo
Economia

Aneel pretende reduzir tarifa de energia dos consumidores do Amapá

A diretoria da Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica - indicou nesta terça-feira (24) que pretende reduzir o valor da tarifa dos consumidores do Amapá. O prazo final para a decisão sobre o reajuste anual no estado é na próxima segunda-feira, dia 30.

Baixar arquivo
Justiça

SP:seguranças que chicotearam jovem são condenados a 10 anos de prisão

O adolescente negro de 17 anos foi despido, amarrado e açoitado com fios elétricos por furtar dois chocolates. Agressores filmaram e publicaram o vídeo nas redes sociais. Caso ocorreu em unidade do Ricoy, em 2019, e decisão é da 2ª instância. A condenação é por crime de tortura, cárcere privado e divulgação de nudez de vulnerável.

Baixar arquivo