Tribunal Misto ouve testemunhas no processo de impeachment de Witzel

No início da sessão, colegiado negou pedido de adiamento da defesa

Publicado em 17/12/2020 - 16:04 Por Lígia Souto - Rio de Janeiro

O Tribunal Especial Misto que julga o impeachment do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, ouviu nesta quinta-feira testemunhas de acusação e de defesa no processo. A Corte, formada por cinco desembargadores e cinco deputados estaduais, e conduzida pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado, desembargador Claudio de Mello Tavares, analisa denúncias de crime de responsabilidade contra Witzel e suspeitas de participação em fraudes na área da saúde.

A sessão, transmitida ao vivo pela internet, teve início por volta das 9h30. Logo após a fala de abertura do presidente, a defesa de Witzel pediu adiamento da oitiva, sob o argumento de que novas provas teriam sido anexadas ao processo, sem que houvesse tempo hábil para análise. A questão foi levada à votação e o colegiado decidiu, por maioria, pela continuidade da sessão.

O interrogatório começou com o ex-secretário de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais, Lucas Tristão do Carmo. Preso, Tristão disse que nunca participou de qualquer negócio ilegal e negou também ser interlocutor em esquemas criminosos.

Em seguida foi a vez de Luiz Roberto Martins, sócio da Organização Social de Saúde Unir. Luiz Martins permaneceu em silêncio durante a maioria das perguntas, assim como o Pastor Everaldo, terceiro a ser chamado a depor. Ele, que também está preso, alegou que não poderia se pronunciar já que responde a um inquérito no Superior Tribunal de Justiça. Everaldo chegou a se emocionar ao citar o filho, que está internado por causa do novo coronavírus.

Das 27 testemunhas, algumas não foram localizadas e, por esta razão, faltaram à audiência. A lista de convocados incluiu, ainda, Edmar Santos, ex-secretário de Saúde, apontado como uma das principais figuras do suposto esquema de corrupção na pasta; Mário Peixoto, empresário preso na Operação Tris In Idem e Helena Witzel, esposa do governador afastado.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Esportes

Confira os resultado de segunda-feira (27) no futebol

Na Série B, do Campeonato Brasileiro, o Vasco venceu o Goiás por 2 a 0. Na classificação, o time cruzmaltino subiu para a sétima colocação com 40 pontos.

Baixar arquivo
Política

Veto que permitia despejos na pandemia é derrubado pelo Congresso

Estão proibidos os despejos até 31 de dezembro deste ano. A proibição veio com a derrubada do veto presidencial nesta segunda-feira pelos deputados e senadores.

Baixar arquivo
Economia

Participação da Petrobras no preço da gasolina é de cerca de R$ 2

Empresa é responsável por 34% do valor final do preço da gasolina; já no litro do diesel, a parcela da estatal é de R$ 2,49, equivalente a 52%. No botijão de 13kg do gás de cozinha, a participação fica em R$ 46,90, correspondente a 48% do preço.

Baixar arquivo
Economia

Pedro Guimarães dá detalhes sobre linha de crédito Caixa Tem

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, foi o entrevistado dessa segunda-feira do programa “A Voz do Brasil”

Baixar arquivo
Política

Câmara aprova projeto que abre caminho para Auxílio Brasil

A reforma no IR já foi aprovada pela Câmara dos Deputados. Mas ainda precisa passar pelo Senado.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Há 150 anos, Lei do Ventre Livre era assinada

O texto foi assinado pela princesa Isabel em 28 de setembro de 1871. Até a nova lei, qualquer descendente nascido de uma mulher em regime de escravidão já nascia escravo. 

Baixar arquivo