Coronavírus no Brasil ainda não é situação de epidemia, diz Mandetta

Ministro esclarece que país tem casos de transmissão sustentada

Publicado em 12/03/2020 - 13:57 Por Akemi Nitahara - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeirto

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse hoje (12) que o Brasil já tem casos de transmissão sustentada do coronavírus, ou seja, de pessoas que contraíram o Covid-19 sem ter ido a um país onde a doença está em situação de contágio grave. Ele afirmou, porém, que a situação no país ainda não pode ser considerada epidemia, que é quando ocorre o contágio indiscriminado na sociedade sem que se consiga determinar a origem do vírus.

“Nós ainda estamos na véspera”, disse o ministro. “Essa doença vem como se fosse um vento, começa como uma brisa, vai ganhado força, ganhando força, até que chega num determinado momento que faz um movimento espiral, que é quando uma pessoa vai transmitindo para outra, transmitindo para outra, e essa espiral forma como se fosse um ciclone. Aí você faz um gráfico em que há um aumento muito rápido no número de casos.”

Segundo o ministro, o Covid-19 não apresenta grande letalidade individual e é “uma virose como outra qualquer”. Ele alertou que o Brasil passa atualmente por epidemias muito mais graves.

“Temos uma doença infecciosa no Brasil hoje chamada dengue. Tivemos milhares de casos e óbitos. Temos sarampo, que tem vacina”, disse Mandetta, reforçando o apelo para que as pessoas se vacinem. “Estamos vendo surto de sarampo com óbitos. A tuberculose é a doença infecciosa que mais mata no mundo e o Rio de Janeiro, infelizmente, há séculos, é uma das cidades com maior índice de tuberculose no mundo.”

Para Mandetta, a maior preocupação no momento é a sobrecarga no sistema de saúde. Ele lembrou, porém, que 80% dos infectados pelo Covid-19 não apresentam sintomas graves, sendo que 30% são assintomáticos, como crianças e adolescentes. “Vinte por cento vão ter algum grau de necessidade de cuidado”, disse o ministro, ressaltando que a morte tem ocorrido entre pessoas que apresentam outras doenças associadas. “São classicamente os que falecem por gripe todos os anos – no ano passado tivemos quase 550 mil internações por influenza e 9% de letalidade por gripe.”

Sobre os casos de transmissão local no Rio de Janeiro, anunciados nesta quinta-feira pela Secretaria de Estado de Saúde, o ministro disse que todo o sistema está sendo pautado por evidências científicas.

“Se isso é fato, você vai começar a ver espirais de casos. Daí você vai ficar mais atento se isso é num bairro, numa região, como as pessoas daquela região estão sendo atendidas. Hoje vamos fazer uma reunião com o secretário estadual e o municipal, para ver como o ministério pode ajudar, se a coisa está funcionando bem. Como eu fiz na semana passada em São Paulo, estou aqui hoje no Rio, amanhã volto a São Paulo, vou à Bahia, onde está acontecendo a mesma coisa, em Feira de Santana. Vamos nos desdobrar”, afirmou.

Críticas

Mandetta criticou medidas como a do governo do Distrito Federal (GDF), que suspendeu as aulas por cinco dias, o que ele considerou precipitado e não baseado em evidências científicas.

O ministro informou que o Distrito Federal tem um caso e comentou: “Um caso. Aí você suspende as aulas. Os alunos ficam em casa. Pai e mãe estão trabalhando, com quem ficam as crianças? Com os avós. Quem é o maior grupo de risco? Os idosos. Você sabe que as crianças são assintomáticas ou têm sintomas leves. Vamos proteger as crianças para não pegarem a gripe, vamos mandar para a casa dos avós. Depois de uma semana, ou 10 dias, vão começar os idosos a aparecer nas unidades de saúde em bloco, com dificuldades respiratórias.”

Mandetta afirmou também que a Organização Mundial da Saúde (OMS) demorou mais do que deveria para decretar a pandemia. “Nós falamos, há três semanas: ‘Declare pandemia, para facilitar a identificação.’ E insistiram com aquela fórmula: sai um avião de Portugal, que não tem problema. Mas quem está dentro do avião? Um cara que foi para a Itália, para a Espanha, para a Alemanha, para o Irã, para Doha, para o Qatar. O mundo não tem fronteiras!”, lembrou

Recursos

Sobre os recursos de R$ 5 bilhões que o Ministério da Saúde solicitou ao Congresso Nacional para custeio, o ministro explicou que, pelas novas regras do Orçamento da União, a liberação precisa ser feita pelo relator do Orçamento do ano anterior.

“É o deputado Domingos Neto [PSD-CE] que tem que autorizar. Já pedi por escrito e verbalmente. Se não o fizer, nós vamos fazer remanejamentos. Puxa a despesa que seria de dezembro, de novembro, de outubro, e vamos atender esse momento”, disse Mandetta, garantindo que o sistema de saúde terá os recursos de que precisar.

Ele informou que o ministério já fez a conta e que o valor necessário para que toda a rede se prepare para atende ao surto de coronavírus, com extensão de horário de atendimento, é de R$ 1 bilhão. A distribuição será feita de acordo com a população de cada cidade. O ministro destacou também que a rede particular precisa ter condições de atender aos pacientes com Covid-19.

Mandetta negou que o coronavírus seja problema do Sistema Único de Saúde (SUS), só do hospital público. “Não. Em Brasília, a paciente foi atendida em um hospital privado, foi feito o diagnóstico e falaram que não sabiam tratar da doença. Um hospital que não sabe tratar uma pneumonia por gripe tem que tirar o nome de hospital da porta, porque pode ser chamado de qualquer coisa, menos de hospital. Todos têm que se preparar de acordo com a sua clientela, estão todos superbem avisados.”

O ministro falou com a imprensa após participar de cerimônia com o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, que marcou a adesão da primeira clínica da família da cidade ao programa Saúde na Hora, do ministério. Com isso, a Clínica da Família Helena Besserman Vianna, em Rio das Pedras, na zona oeste, passa a funcionar até as 22 horas.

 

 

Edição: Denise Griesinger

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
 senador Marcos Rogério (DEM-RO)
Política

Senado  ratifica o Protocolo de Nagoia no Brasil

Documento aprovado no Senado regulamenta o acesso e a repartição de benefícios dos recursos genéticos da biodiversidade. O texto segue para promulgação.

Live da Semana - Presidente Jair Bolsonaro - 06/08/2020
Política

Pazuello diz que estados estão mais preparados para enfrentar pandemia

Ministro interino da Saúde participou de live ao lado do presidente. Mudança de protocolo do ministério foi um dos fatores que deixou estados mais preparados.

A cúpula  maior, voltada para cima, abriga o Plenário da Câmara dos Deputados.
Política

Senado aprova redução de prazos para revalidação de diplomas

O PL prevê a revalidação em prazo entre 30 e 60 dias no caso de instituições estrangeiras reconhecidas pelo Ministério da Educação e contam com um processo simplificado. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

Justiça suspende retorno das aulas presenciais na rede privada do DF

A retomada foi autorizada na terça-feira pela primeira instância após outra decisão que a proibiu. Algumas escolas chegaram a retomar as atividades nesta quinta-feira.

Saúde

Ministério da Saúde monitora síndrome em crianças associada à covid-19

Síndrome inflamatória multissistêmica ocorre em crianças de 7 meses a 16 anos. Até agora, foram notificados 71 casos no Brasil e registradas três mortes.

Incêndio no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Divulgação/Parnaso)
Geral

Bombeiros combatem fogo na Serra dos Órgãos pelo terceiro dia seguido

Criado em 1939, o Parnaso é o terceiro parque mais antigo do país e costuma ser procurado para prática de esportes de montanha, como escalada, caminhada e rapel.